A mostra "Santos Dumont - Coleção Brasiliana Itaú" será aberta nesta quinta (2), no Espaço Cultural Unifor

Image-0-Artigo-2433879-1
Exposição amplia a perspectiva sobre quem foi Santos Dumont, para além da invenção do 14 bis
A partir desta quinta (2),às 19h, o Espaço Cultural Unifor (Edson Queiroz) sedia a exposição "Santos Dumont - Coleção Brasiliana Itaú". Em cartaz até 9 de dezembro deste ano, a mostra traz 500 peças, em torno da vida pessoal e da obra do inventor brasileiro.
O mineiro Alberto Santos Dumont (1873-1932), além de inventar o avião 14 bis - sua criação mais celebrada -, teve diversas facetas menos conhecidas no decorrer da história: esportista, designer, empreendedor, leitor voraz, enfim, um empreendedor de natureza plural.
Nesta sexta (3), às 9h30, no Teatro Celina Queiroz da Unifor, a curadora Luciana Garbin fará uma palestra de apresentação da mostra. Apoiada no acervo do Itaú, a exposição é a mesma que já passou por São Paulo (SP), em 2016, e Cuiabá (MT), em 2017.
Luciana recapitula que, antes de entrar no circuito de exposições e chegar a Fortaleza - com apoio da Fundação Edson Queiroz, "Santos Dumont - Coleção Brasiliana Itaú" ainda não tinha sido exposta.
Para a palestra de abertura, a curadora deve relacionar o conteúdo da exposição a fatos da vida e da trajetória do "inventor" Santos Dumont.
Jornalista, foi através de uma reportagem especial para o jornal O Estado de São Paulo que Luciana Garbin aprofundou sua pesquisa sobre Santos Dumont. "Em geral, a gente conhece ele como 'pai da aviação', o inventor do 14 bis. E quando você começa a pesquisar mais de perto a história dele, descobre um monte de coisa", situa Luciana Garbin.
Ela conta que o acervo da exposição revela, por exemplo, curiosidades como a interferência de Santos Dumont na desapropriação da área onde fica o Parque das Cataratas do Iguaçu (PR). A terra era propriedade de um uruguaio. O aviador desbravou a mata durante vários dias para conseguir chegar até Curitiba (PR) e pedir a desapropriação. Por isso, "quando você vai ao Parque do Iguaçu, tem uma escultura dele lá, e as pessoas nem sabem o motivo", sinaliza Luciana.
Itens
O público vai encontrar, no espaço expositivo da Unifor, documentos, objetos e imagens conservadas pelo próprio Santos Dumont e sua família. A curadoria foi buscar os itens em parceria com os núcleos Itaú Cultural de Inovação, Acervo e Enciclopédia, Artes Visuais, Produção e Centro de Memória, Documentação e Referência (CMDR).
Fotografias históricas trazem o registro de voos de balões e aeroplanos, retratos pessoais tirados pelos maiores fotógrafos do mundo (na época em que o inventor viveu) ou registrados em publicações preservadas pelo arquivo pessoal de Santos Dumont.
Objetos e documentos pessoais, um grande número de cartas, correspondências, patentes originais de alguns inventos, livros de sua biblioteca particular completam a lista de itens.
Luciana Garbin situa que o inventor nunca quis patentear suas criações aeronáuticas. Ele entendia que estas invenções serviam como um presente para a humanidade. No entanto, dentre as invenções mais desconhecidas, Santos Dumont fez questão de patentear tudo.
"Ele gostava muito de corrida de cachorro, então inventou um dispositivo para a 'corrida de galgos'. E tem a patente desse dispositivo, toda em francês", observa a curadora.
Graça
Luciana pontua como, hoje, algumas invenções de Santos Dumont soam curiosas e até engraçadas. "Você tem fotos de outro invento dele, que é um lançador de boias gigantes. A pessoa estava se afogando na água, e o dispositivo atirava boias no mar: (na exposição) tem fotos dele testando esse invento".
Em síntese, para ampliar a perspectiva sobre Santos Dumont, Luciana Garbin pontua que as pessoas terão oportunidade de conferir detalhes da vida cotidiana do aviador.
Mais informações:
Abertura da exposição "Santos Dumont - Coleção Brasiliana Itaú". Nesta quinta (2), às 19h, no Espaço Cultural Unifor (Av. Washington Soares, 1321, Edson Queiroz). A mostra permanece em cartaz até 9 de dezembro, de terça a sexta, das 9h às 19h; aos sábados e domingos, das 10h às 18h. Acesso gratuito. Contato: (85) 3477.3319
Diário do Nordeste

Comentários

Mais Visitadas

LAMENTAÇÕES DE UM LÁPIS

MEU PROFESSOR: MEU SUPER-HERÓI

Morre, aos 92 anos, a escritora Zibia Gasparetto

A Palavra Não