Pular para o conteúdo principal

Antologia de contos reúne grandes nomes da literatura e tem como tema o sobrenatural

Reprodução - Virginia Woolf: entre os autores reunidos no livro de contos de assombração
Virginia Woolf: entre os autores reunidos no livro de contos de assombração
Tudo do que a gente duvida da existência acaba por ganhar mais formas de existir. O diabo, por exemplo, pode surgir por aí cheio de disfarces: travestido no corpo de um homem respeitável; muito alto, com olhos admiráveis; na aparência de um lenhador, no meio do pântano; ou então como um ser repugnante, entediado e de ombros peludos.

Acontece até mesmo de o diabo não ser chamado por seus nomes mais conhecidos, nem ser tão maligno quanto imaginamos: um "Espírito da Vida" que aparece para mostrar o que acontece após a morte. 
Rumores, ruídos, sons que não sabemos identificar na treva do quarto antes de dormir; um cachorro invisível que só se manifesta quando as luzes se apagam e ninguém consegue ver mais nada. 
"Contos de Assombro" faz um apanhado das formas possíveis que esses seres de existência duvidosa assumem pelo mundo. Mais do que um livro de gênero que traz clássicos como Edgar Allan Poe ou Robert Louis Stevenson, a coletânea transita por narrativas do século 19 e início do 20 que se aproximam do desconhecido e descrevem o assombro que sentimos nessa aproximação. 

"Assombro" é uma palavra precisa: pode significar espanto ou medo - como quando flexiona e se torna "assombração" -, mas pode também querer dizer admiração ou maravilha. É na tensão entre aquilo que atrai e o que dá vontade de fugir que moram as sombras, os reflexos, os contornos que vemos com o canto dos olhos e não sabemos como nomear. 
Entre os 18 contos, Virginia Woolf aponta as criaturas assustadiças que se espalham pela casa vazia; o personagem de João do Rio explora o pavor em suas diversas possibilidades enquanto escuta, da cama, barulhos esquisitos. 
Mas as situações assombrosas também podem expandir as fronteiras do absurdo, ou revelar a sua outra face: o cômico. Luigi Pirandello fala de um gesto banal - o sopro de um homem ao constatar a brevidade da vida - com inesperado poder assassino; Humberto de Campos conta que a vingança de uma paixão não correspondida vai ser devorar, literalmente, os pedaços da carne roxa da amada. 
O conto de Ivan Turguêniev inicia o livro com uma pergunta: "Mas e se admitíssemos a possibilidade do sobrenatural, a possibilidade de sua interferência no cotidiano, que papel deveria desempenhar, depois disso, o bom senso?". 

Talvez todos os contos seguintes estejam, de certa forma, orbitando em torno dessa questão: nas situações mais simples ou mais fantásticas, as narrativas revelam algum mistério que, por si só, desfaz qualquer resposta razoável. 
Sobra o desconcerto - e o que fazer com isso? Se soubéssemos, não estaríamos desconcertados. Fazemos então gestos estranhos, percebemos seres inauditos, ouvimos criaturas que rastejam no escuro, de repente nos damos conta de outras presenças ao nosso redor. 
É desse tipo de sensação difícil de se explicar que nascem as histórias do livro "Contos de Assombro", em que vida e morte se confundem continuamente. Autores de contextos tão distintos têm em comum o assombro contagioso de que nenhuma narrativa dá conta e que, por isso mesmo, cresce mais em todas elas. 

Serviço 

Contos do Assombro – Vários autores 
Editora: Carambaia 
Quanto: R$ 89,90 (224 págs.)


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …