Cearense é primeira brasileira na história a ganhar olimpíada internacional de Química

A terrinha não cansa de brilhar mundo à fora. Dessa vez, o brilho é de ouro. Uma cearense é a primeira brasileira na história a ganhar uma Olimpíada Internacional de Química, desde que o país começou a participar, em 1998. Foram três anos de preparação de de Ívna Ferreira Gomes para conquistar a medalha dourada. Além dela, outros dois estudantes de Fortaleza também levaram prata e bronze na competição. Com o trio, o Brasil chegou ao seu melhor resultado em olimpíadas científicas. Com informações da Tribuna Band News.
Ívna bateu na trave, mas não desistiu de alcançar o primeiro lugar. A cearense, de 16 anos, tem muita história para contar sobre o desafio.
“Comecei em 2015 e fui finalista na Olimpíada Internacional em 2017. E nisso a gente passa por várias provas. É um processo de seis etapas e, em 2017, consegui fazer a primeira lá na Tailândia, e consegui medalha de prata. No mesmo ano, fui para a Sul-americana de Química, onde fui ouro. E esse ano refiz o processo e consegui ir para a Internacional, e ganhei a medalha de ouro tão esperada pelo Brasil”, contou Ívina.
Estudantes em referência a Cearense é primeira brasileira na história a ganhar olimpíada internacional de QuímicaFoi o melhor desempenho do Brasil em uma olimpíada (FOTO: Arquivo Pessoal)
A cearense era uma das poucas mulheres na competição que reuniu 300 participantes de 80 países estiveram na Olimpíada.
“O Brasil estava há 20 anos tentando conseguir essa medalha de ouro e não conseguiu. E aí, a gente foi lá, conquistou, para mostrar que isso é possível para nós brasileiros, nordestinos, para nós cearenses… Também quero mostrar que é possível para nós, mulheres. Só tinham 20 mulheres de todo o mundo,” afirmou a estudante.
Sobre o futuro, Ívna ainda tem algumas dúvidas, mas a certeza de que quer dividir o conhecimento e ajudar a comunidade é certo.
“Ainda estou em dúvida, mas provavelmente (vai estudar) Química, ser pesquisadora. Talvez química orgânica aplicada a remédios, fármacos, algo voltado para a química medicinal e trabalhar pra poder ajudar a comunidade, ajudar a minha cidade, estado…”, revelou a jovem.
Além dela, outros dois estudantes de Fortaleza foram medalhistas. João Victor Pimentel, de 16 anos, ganhou a prata, e Orisvaldo Salviano Neto, de 17 anos, ficou com o bronze. Esse foi o melhor desempenho do Brasil na história de todas as modalidades de olimpíadas científicas.
Tribuna do Ceará

Comentários

Mais Visitadas

Alagoano que dirigiu filme que teve cenas gravadas em Penedo toma posse na ABL

Literatura e cinema ajudaram a tornar Notre-Dame conhecida no mundo

Principal nome da literatura feita para crianças no Ceará, Horácio Dídimo, morto em 2018, pode ser homenageado em Dia Estadual da Literatura Infantil

Herança do governo golpista

Catedral de Notre-Dame, em Paris, sofre incêndio na tarde desta segunda-feira