Pular para o conteúdo principal

Deus, alimento e remédio

Padre Geovane Saraiva*

No capítulo 6 do Evangelho de São João, já no seu início, vemos o milagre da multiplicação dos pães. Em seguida, na continuação do texto, logo é indicada a revelação do verdadeiro sentido dos sinais divinos do Filho de Deus, contemplando-o como o pão vivo descido do céu e que dá vida ao mundo.

Sempre na minha vida de sacerdote, agora rendendo graças ao bom Deus pelos 30 anos (14/08/2018), guardei o inquestionável sentido metafórico do bom pelicano do deserto, jamais me esquecendo do belíssimo comentário de São Jerônimo: “Sou como um pelicano do deserto, aquele pássaro bom que fustiga o peito e alimenta com o próprio sangue os seus filhotes”.

Quanta simbologia, manifestada na radical obediência e entrega do Filho de Deus! Essa obediência nos convida, com Ele, a nos configurar, deixando claro que temos de abraçar o indizível mistério, evidentemente numa atitude totalmente solidária, deixando-nos conduzir pelo Espírito de Deus, a apontar o caminho da glória.

Deus nos convida a sermos instrumentos do seu projeto de amor, nunca virando as costas aos que o procuram, cumulando-os das graças necessárias para a caminhada do dia a dia, quando se experimenta a doçura da Eucaristia. É Deus sempre conosco, atraindo-nos com infinita misericórdia, a ponto de propiciar-nos acolhida e convívio, sobretudo convencendo-nos do futuro, que será na plenitude eterna.

Com o fogo do amor de Deus, no alimento eucarístico, é possível perceber os sinais do Reino de Deus já aqui na terra, no seguimento de Jesus de Nazaré, contudo em um desejo ardoroso de colocar lenha na fogueira desse mesmo amor, para que o fogo, aceso por Cristo, possa arder sempre e cada vez mais no nosso mundo.

Jesus faz-se alimento no deserto da vida humana; ele é o enviado do Pai, comprometido com o alimento dos seus irmãos em peregrinação, dando-lhes força para superar todos os percalços, inerentes à vida e à missão. Ensina-nos que a verdadeira solidariedade se ratifica somente quando não se espera nada em troca, ou seja, na certeza de que a recompensa vem de Deus, no alimento capaz de nos tornar incansáveis, além de nos vivificar e nos fortalecer diante dos desafios da vida. Amém!

*Padre, Jornalista, Colunista e Pároco de Santo Afonso, Parquelândia, Fortaleza-CE. Da Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza geovanesaraiva@gmail.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…