Pular para o conteúdo principal

Escritora fala da literatura por imagens


Aline Abreu aborda o desafio do professor trabalhar em sala de aula com a produção literária contemporânea

Nas últimas duas décadas, o mercado de livros infantojuvenis no Brasil mudou muito. As principais novidades foram a chegada de obras estrangeiras e a produção de livros de autores brasileiros que valorizam ainda mais o projeto gráfico e o papel das imagens nas narrativas. Aumentou, assim, o desafio para o professor mediar o livro na escola?

Sim. Todos nós precisamos entender que a leitura de imagens é um conceito a ser adquirido como o código da escrita - e isso não está claro ainda. É como se a leitura de uma ilustração estivesse sujeita à intuição e apenas à interpretação individual. É claro que a exposição a esses livros vai formando o olhar, mas o professor que tem o compromisso de fazer uma boa mediação deve saber que existe também uma formação na leitura de imagens. Da mesma maneira que temos de desenvolver uma competência para a leitura do texto verbal, precisamos da formação visual, para não se ater a uma leitura superficial das imagens e perder a potência de leitura do livro. 

Shutterstock
Shutterstock - Atualmente, as imagens presentes nos livros devem ser entendidas também como um código de escrita

Atualmente, as imagens presentes nos livros devem ser entendidas também como um código de escrita


E como fazer isso com as crianças? 
Primeiro, tanto para si mesmo quanto para a criança, dar tempo para a leitura do livro por fruição. Depois, trabalhar a leitura de forma, digamos, mais consciente, assumindo que a imagem é uma linguagem a ser lida. Se aprendemos a ler os diferentes gêneros literários na palavra, como a poesia, por que com a imagem não?

Então os livros com imagens, ao contrário do que pensamos, exigem uma dedicação especial, um tempo para esta leitura... 
O tempo da leitura das imagens é outro: é o tempo da contemplação. É muito importante para exercitarmos, pois é uma mudança de percepção de crianças e adultos. Não é o tempo da leitura de imagem rápida do dia a dia. 

E também um tempo para conversar sobre essa imagem... 
Sim, o professor precisa disso. Vai ser como os livros clássicos de literatura que ele ama, que sente vontade de compartilhar com os alunos. Se eu amo Alice no País das Maravilhas (Lewis Carrol), por exemplo, vou fazer quantas leituras forem necessárias para ler melhor. Estou falando de um estudo do livro com imagens, essa leitura de forma mais investigativa para questionar a obra. E não é que os livros têm de ser todos altamente complexos, mas que sejam desafiantes. Cito na minha pesquisa duas obras: "Pato! Coelho!! (de Amy Krouse Rosenthal e Tom Lichtenheld), e "Aperte Aqui" (de Hervé Tullet, que sugere que a criança interaja fisicamente com o livro). Os temas não são difíceis, mas eles são profundos no sentido da experiência de ler. O jogo que eles propõem é pela brincadeira, mas é sofisticado. 

Bia Reis 
Agência Estado

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…