Pular para o conteúdo principal

Escritora fala da literatura por imagens


Aline Abreu aborda o desafio do professor trabalhar em sala de aula com a produção literária contemporânea

Nas últimas duas décadas, o mercado de livros infantojuvenis no Brasil mudou muito. As principais novidades foram a chegada de obras estrangeiras e a produção de livros de autores brasileiros que valorizam ainda mais o projeto gráfico e o papel das imagens nas narrativas. Aumentou, assim, o desafio para o professor mediar o livro na escola?

Sim. Todos nós precisamos entender que a leitura de imagens é um conceito a ser adquirido como o código da escrita - e isso não está claro ainda. É como se a leitura de uma ilustração estivesse sujeita à intuição e apenas à interpretação individual. É claro que a exposição a esses livros vai formando o olhar, mas o professor que tem o compromisso de fazer uma boa mediação deve saber que existe também uma formação na leitura de imagens. Da mesma maneira que temos de desenvolver uma competência para a leitura do texto verbal, precisamos da formação visual, para não se ater a uma leitura superficial das imagens e perder a potência de leitura do livro. 

Shutterstock
Shutterstock - Atualmente, as imagens presentes nos livros devem ser entendidas também como um código de escrita

Atualmente, as imagens presentes nos livros devem ser entendidas também como um código de escrita


E como fazer isso com as crianças? 
Primeiro, tanto para si mesmo quanto para a criança, dar tempo para a leitura do livro por fruição. Depois, trabalhar a leitura de forma, digamos, mais consciente, assumindo que a imagem é uma linguagem a ser lida. Se aprendemos a ler os diferentes gêneros literários na palavra, como a poesia, por que com a imagem não?

Então os livros com imagens, ao contrário do que pensamos, exigem uma dedicação especial, um tempo para esta leitura... 
O tempo da leitura das imagens é outro: é o tempo da contemplação. É muito importante para exercitarmos, pois é uma mudança de percepção de crianças e adultos. Não é o tempo da leitura de imagem rápida do dia a dia. 

E também um tempo para conversar sobre essa imagem... 
Sim, o professor precisa disso. Vai ser como os livros clássicos de literatura que ele ama, que sente vontade de compartilhar com os alunos. Se eu amo Alice no País das Maravilhas (Lewis Carrol), por exemplo, vou fazer quantas leituras forem necessárias para ler melhor. Estou falando de um estudo do livro com imagens, essa leitura de forma mais investigativa para questionar a obra. E não é que os livros têm de ser todos altamente complexos, mas que sejam desafiantes. Cito na minha pesquisa duas obras: "Pato! Coelho!! (de Amy Krouse Rosenthal e Tom Lichtenheld), e "Aperte Aqui" (de Hervé Tullet, que sugere que a criança interaja fisicamente com o livro). Os temas não são difíceis, mas eles são profundos no sentido da experiência de ler. O jogo que eles propõem é pela brincadeira, mas é sofisticado. 

Bia Reis 
Agência Estado

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

POPE FRANCIS GENERAL AUDIENCE 2016.06.08

Campus Party 2018 vendeu 30% a mais de ingressos que edição anterior

A feira de tecnologia Campus Party Brasília 2018 foi encerrada hoje (1°), após ter reunido milhares de pessoas em torno de palestras, oficinas e atividades com temas como o uso da tecnologia da computação, robótica, empreendedorismo e startups. Essa é a segunda edição do evento em Brasília, que começou no dia 27 de junho, no Estádio Nacional Mané Garrincha. Antes prevista para acontecer de 30 de maio a 3 de junho, a feira foi adiada para esta semana por causa da greve dos caminhoneiros. De acordo com o diretor da Campus Party Brasil, Tônico Novaes, o evento contabilizou um volume de vendas de ingressos pelo menos 30% maior que a primeira edição da Campus Party em Brasília, realizada no ano passado.  Para Tônico Novaes, a edição no Distrito Federal se destacou pela elevada participação e envolvimento dos que estão no evento.  “Os campuseiros daqui são realmente engajados no conteúdo. Andando por aqui você vai ver todos os workshops e bancadas cheias e a estrutura está bem maior que a …