Feira de Cordel acontece até o próximo domingo

por Felipe Gurgel - Repórter
Klévisson Viana
A partir desta quinta (16), até domingo (19), a Caixa Cultural Fortaleza (Praia de Iracema) recebe a terceira edição da Feira do Cordel Brasileiro. Durante os quatro dias de programação, o evento traz um recorte da tradicional cultura cordelista, através de shows, recitais, palestras, lançamentos literários, além da exposição de obras raras e venda de folhetos de cordel, livros, camisetas e CDs.
Às 14h desta quinta, a solenidade de abertura reunirá, no Teatro da Caixa Cultural, mestres do cordel e da cantoria, com a apresentação "A Saga de um vaqueiro", da Escola José Antão de Alencar Neto (Pio IX/PI). Segundo o cordelista Klévisson Viana, organizador do evento, a programação deste ano, em relação às edições anteriores, está mais encorpada.
Klévisson cita a experiência da Praça do Cordel, dentro da programação da Bienal Internacional do Livro do Ceará, como um evento correlato da Feira do Cordel Brasileiro. "A cada edição, a programação fica mais complexa e mais rica. A gente está primando muito pelo lado científico, com grandes palestras. Procurando cada vez mais melhorar o nível das palestras, das oficinas. Logo de cara, no dia da abertura, termos a palestra do Bráulio Tavares/RJ ("Imagens da Ficção Científica no Cordel", às 15h)", destaca o cordelista.
O organizador reforça que Bráulio é um dos maiores pensadores da cultura popular no Brasil hoje, "e ainda é um excelente cordelista", acrescenta. Ainda no primeiro dia de programação, ele cita shows como o de Beto Brito (PB), Mestre Gereba Barreto (BA), além dos locais Mestre Geraldo Amâncio Pereira e o jovem cantador Guilherme Nobre, uma revelação de apenas 17 anos.
Adaptação
Klévisson Viana observa que, embora envolva uma forma bem tradicional de expressão artística, a literatura de cordel é viva e dinâmica, no sentido de se atualizar em relação à cultura contemporânea e aos espaços ocupados por novos e experientes cordelistas.
"Basta lembrar que, 15 anos atrás, quando a internet estava engatinhando por aqui, as pessoas achavam que ela ia massacrar as tradições. Mas deu foi mais voz, amplificou. Hoje é quase impossível você encontrar um cordelista que não tenha uma página para divulgar suas obras. E isso se deu também a partir do momento que o cordel passou a ocupar as bienais (literárias)", situa o cordelista.
Ele credita à consolidação da Praça do Cordel, na Bienal cearense, a abertura de portas para que o gênero ganhasse espaço em bienais de outros estados. Klévisson defende que o evento cearense é um dos mais diversos, no que diz respeito à divulgação da literatura, em todo o Brasil.
"A nossa Bienal, em termos de programação, é a mais rica. Em SP, a tônica é o comércio. Aqui também tem o comércio, mas a programação é muito mais diversa, uma infinidade de palestras, oficinas, todos os gêneros são contemplados", elogia. "Nossa Bienal é muito bem pensada, e está um passo à frente, mas isso não desmerece as outras", pondera, reforçando como a Praça do Cordel foi um dos gatilhos para que a Feira do Cordel Brasileiro aconteça.
Cenário
A Feira do Cordel Brasileiro nasce de um projeto formulado pela Associação de Escritores, Trovadores e Folheteiros do Estado do Ceará (Aestrofe). Presidente da entidade, Klévisson situa que hoje o Ceará tem o maior número de poetas cordelistas em atividade. Ele considera Fortaleza, na atualidade, a "meca" da literatura de cordel.
"Por baixo, a gente tem uns 15 poetas que acontecem nacionalmente e que publicam em grandes editoras literárias (como a Leya, Hedra). Gente como o Rouxinol do Rinaré, Geraldo Amâncio Pereira, Francisco Paiva Neves", cita, entre outros poetas.
O organizador observa como a literatura de cordel é um gênero mestiço, de origem ibérica, e que se ampliou no Nordeste do Brasil, embora se encontre cordelistas em todas as regiões do País. "É um suporte que pode agregar e falar sobre qualquer tema. Com a característica de que é rimado e metrificado. Por essa razão, creio que a poesia que tem mais leitores hoje é a literatura de cordel", vislumbra.
Simplicidade
Klévisson conta que, visitando países como o México, percebe a procura dos leitores por folhetos de cordel, interessados no formato prático dos livros e no aprendizado do português falado no Brasil.
Ele destaca ainda como a produção é acessível aos leitores. Tanto no preço (há folhetos que custam R$ 1, R$ 2), como na linguagem de fácil compreensão.
"Em toda a América Latina, você vai encontrar literatura popular. No Chile, em Cuba, em todo lugar. A lira chilena é muito parecida com o cordel brasileiro, até na maneira de imprimir, com folhetos similares", compara.

Programação

Quinta (16)
Teatro
14h - Solenidade de abertura com mestres do cordel e da cantoria. Apresentação "A Saga de um vaqueiro"/ Escola José Antão de Alencar Neto (Pio IX/PI)
15h - Aula-espetáculo "Imagens da Ficção Científica no Cordel" com o escritor, compositor e pesquisador Braulio Tavares (RJ)
Café Luiz Gonzaga
16h40 - Lançamento do livro "No tempo que os bichos estudavam", de Paulo de Tarso, o poeta de Tauá (Fortaleza/CE)
Palco Leandro Gomes de Barros
17h - Recital com Raul Poeta (Juazeiro do Norte/CE), Rafael Brito (Fortaleza/CE), Pedro Paulo Paulino (Canindé/CE) e Jota Batista (Canindé/CE)
18h - Show interativo de voz e violão "Cante lá que eu toco cá" com o Mestre Gereba Barreto (Salvador/BA)
19h - Cantoria com o Mestre Geraldo Amâncio Pereira (Fortaleza/CE) e Guilherme Nobre (Fortaleza/CE).
19h50 - Recital com o mestre Chico Pedrosa (Olinda/PE)
20h20 - Show com o rabequeiro e cordelista Beto Brito e Banda (João Pessoa /PB)

Mais informações:

III Feira do Cordel Brasileiro. De quinta (16) a domingo (19), na Caixa Cultural Fortaleza (Av. Pessoa Anta, 287, Praia de Iracema). Acesso gratuito. Contato: (85) 3453.2770
Diário do Nordeste

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

MASP completa 50 anos de histórias

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado