'Ferrugem' é o grande vencedor do Festival de Cinema de Gramado

Filme fala sobre um tema urgente, o abuso na utilização de redes sociais com um caso de bullying fatal entre adolescentes.
Muito bem construído esteticamente, Ferrugem ainda levou os troféus de desenho de som e roteiro.
Muito bem construído esteticamente, Ferrugem ainda levou os troféus de desenho de som e roteiro. (Divulgação)

Uma cerimônia simples e eficiente marcou a distribuição de prêmios do 46º Festival de Cinema de Gramado. Não houve grandes surpresas na distribuição de Kikitos (o tradicional troféu do festival gaúcho) e ótimos filmes foram agraciados em suas mostras. Na principal delas, a competição entre longas nacionais venceu Ferrugem (PR), do diretor Aly Muritiba. O filme fala sobre um tema urgente, o abuso na utilização de redes sociais com um caso de bullying fatal entre adolescentes. Muito bem construído esteticamente, o filme ainda levou os troféus de desenho de som e roteiro.

O paraguaio Las Herederas era mesmo favorito e venceu a mostra de filmes estrangeiros. Ganhou também como melhor roteiro, contemplou as três atrizes principais (Ana Brum, Margarita Irun e Ana Ivanova) e o diretor, Marcelo Martinessi. Levou ainda o troféu do Júri Popular e o da Crítica. Foi a unanimidade do festival e já se fala que o longa pode chegar à final do Oscar. Tem distribuição garantida e será exibido no Brasil. Vale muito a pena ver, como história de afirmação na 3ª idade, mesclada a amor entre mulheres - o que causou polêmica na conservadora sociedade paraguaia.

O melhor curta foi a animação autobiográfica Guaxuma, de Nara Normande, que narra a infância e adolescência da diretora em uma praia alagoana e sua relação de amizade com uma garota. O favorito Benzinho, de Gustavo Pizzi, ficou com os prêmios de atriz (Karine Telles) e atriz coadjuvante (Adriana Esteves), levando ainda o prêmio do Júri Popular. Uma contentíssima Karina disse que era o ótimo o filme ter agradado tanto o público como a crítica “pois era nossa intenção fazer um filme de autor que também se comunicasse com a plateia”. Benzinho é isso mesmo. Nada hermético, cheio de energia e emotivo sem ser piegas.

Com sua história coral sobre os esquecidos da vida, o paulista A Voz do Silêncio surpreendeu a ficou com os troféus de montagem e diretor (André Ristum).

Os dois longas de ficção sobre personagens reais também foram lembrados. Simonal ficou com trilha musical, direção de arte e fotografia. Dez Segundos para Vencer (sobre a vida de Éder Jofre) ganhou os troféus de ator (Osmar Prado) e ator coadjuvante (Ricardo Gelli). Prado era outra unanimidade do festival com sua comovida porém contida caracterização do pai do pugilista, o treinador Kid Jofre. Uma atuação de antologia.

Osmar Prado e as atrizes paraguaias foram as presenças mais marcantes deste festival. Prado conversava com todos, dava entrevistas. As garotas paraguaias, duas delas na 3ª idade, distribuíram simpatia e tiravam selfies com todo mundo. Estavam felicíssimas com a acolhida calorosa a Las Herederas e o merecido reconhecimento.

Um reparo à premiação é o esquecimento de Mormaço, de Marina Meliande, filme de vigor estético e contundência social totalmente ignorado tanto pelo júri oficial quanto pelos paralelos.

Foi um bonito festival, prejudicado pela ausência de dois concorrentes. A comédia de Jeferson De, Correndo Atrás, saiu por quebra de ineditismo exigido pelo festival. O Banquete, de Daniela Thomas, foi retirado pela diretora após a morte do jornalista Otávio Frias Filho que inspira um dos personagens.

Vencedores do 46º Festival de Cinema de Gramado

Curta-metragem brasileiro


Melhor Desenho de Som: Fábio Carneiro Leão, por Aquarela

Melhor Trilha Musical: Manoel do Norte, por A Retirada Para Um Coração Bruto

Melhor Direção de Arte: Pedro Franz e Rafael Coutinho, por Torre

Melhor Montagem:
 Thiago Kistenmacker, por Aquarela

Melhor Fotografia: Beto Martins, por Nova Iorque

Melhor Roteiro: Marco Antônio Pereira, por A Retirada Para Um Coração Bruto

Melhor Ator: Manoel do Norte, por A Retirada Para Um Coração Bruto

Melhor Atriz: Maria Tugira Cardoso, por Catadora de Gente

Prêmio Especial do Júri: Estamos todos aqui, de Chico Santos e Rafael Mellim

Prêmio Canal Brasil de Curtas: Nova Iorque, de Leo Tabosa

Melhor Filme do Júri Popular: Torre, de Nádia Mangolini

Melhor Direção: Fábio Rodrigo, por Kairo

Melhor Filme:
 Guaxuma, de Nara Normande

Longas estrangeiros

Melhor Fotografia: Nelson Waisntein, por Averno

Melhor Roteiro: Marcelo Martinessi, por Las Herederas

Melhor Ator: Nestor Guzzini, por Mi Mundial

Melhor Atriz: Ana Brum, Margarita Irun e Ana Ivanova, por Las Herederas

Prêmio Especial do Júri: Averno, de Marcos Loayza

Melhor Filme do Júri Popular: Las Herederas, de Marcelo Martinessi

Melhor Direção: Marcelo Martinessi, por Las Herederas

Melhor Filme: Las Herederas, de Marcelo Martinessi

Longas brasileiros

Melhor Desenho de Som:
 Alexandre Rogoski, por Ferrugem

Melhor Trilha Musical: Max De Castro e Wilson Simoninha, Por Simonal

Melhor Direção de Arte:
 Yurika Yamazaki, por Simonal

Melhor Montagem: Gustavo Giani, por A Voz Do Silêncio

Melhor Ator Coadjuvante: Ricardo Gelli, por 10 Segundos Para Vencer

Melhor Atriz Coadjuvante: Adriana Esteves, por Benzinho

Melhor Fotografia: Pablo Baião, por Simonal

Melhor Roteiro: Jessica Candal e Aly Muritiba, Por Ferrugem

Melhor Ator: Osmar Prado, por 10 Segundos Para Vencer

Melhor Atriz: Karine Telles, por Benzinho

Menção Honrosa: A Cidade Dos Piratas, de Otto Guerra

Melhor filme do Júri Popular: Benzinho, de Gustavo Pizzi

Melhor Direção:
 André Ristum, por A Voz Do Silêncio

Melhor Filme: Ferrugem, de Aly Muritiba

Prêmios da Crítica


Melhor filme em curta-metragem brasileiro
: Torre

Melhor filme em longa-metragem estrangeiro
: Las Herederas

Melhor filme em longa-metragem brasileiro: Benzinho

Agência Estado

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

MASP completa 50 anos de histórias

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado