Jovens católicos ocupam casa de Frei Tito para defender que o lugar seja tombado

Casa Frei Tito
Jovens católicos ocuparam a casa de Frei Tito, no Centro de Fortaleza. Abandonado, o local está em ruínas. O dono do espaço chegou a fazer ameaças e agrediu alguns dos ocupantes. O grupo pede que a Prefeitura de Fortaleza tombe o local, restaure e transforme em um memorial em homenagem ao ativista religioso.
O frade dominicano ficou conhecido por defender os direitos humanos e morreu durante a Ditadura Militar no Brasil.
Na casa da rua Rodrigues Júnior, número 1.364, Frei Tito viveu a infância e a adolescência. Os ocupantes estão no local desde o dia 10 de agosto, dia da morte dele há 44 anos.
“A defesa do que essa casa representa como patrimônio histórico e cultural começou em 2011, quando colocaram uma placa de venda lá fora. Aí um grupo se organizou e começou a fazer luta em defesa dessa casa, no que resultou num tombamento provisório. Só que esse tombamento não trouxe grandes garantias. Se vocês forem ver, essa casa está totalmente abandonada. É um desrespeito com a memória do Frei Tito e com o patrimônio histórico cultural de Fortaleza”, disse Joice Elaine.
De acordo com a jovem, uma das participantes da ocupação, o proprietário do imóvel esteve no local para intimidar o grupo.
“A gente sofreu um ato de violência por parte deles. Ontem à noite ele passou aqui, viu a gente fazendo um ato político. Eram cinco homens, o senhor que a gente conhecia, mais dois, um portava arma de fogo, o outro deu um soco em um dos nossos militantes e mais dois que a gente acha que são funcionários do proprietário. Falaram que isso era uma invasão, que a gente saísse. Não teve muito diálogo. O negócio foi bater, empurrar, tem militante com escoriações no corpo”, contou ela, que faz parte da pastoral da Juventude.
O grupo faz rodas de conversas sobre Frei Tito, exibe filmes, leva artistas ao local e tem reivindicações para o espaço.
“A gente quer que isso se transforme num memorial. A nossa pauta é sólida: a desapropriação, que a Prefeitura seja responsável por isso aqui; o tombamento definitivo, a restauração, pra colocar a casa no projeto arquitetônico original e que vire um memorial”, disse Joice.
A jovem ainda disse que um diálogo com a Secultfor foi iniciado, mas o grupo também pede um posicionamento da Prefeitura de Fortaleza.

Tribuna do Ceará

Comentários

Mais Visitadas

José, servo bom e fiel

Câmara homenageia mulheres que se destacaram na luta por direitos

Nossos escritores

Físico brasileiro recebe Prêmio Templeton de 2019

Inep cria comissão para decidir itens que farão parte do Enem 2019