Pular para o conteúdo principal

Novo livro de Antônio LaCarne traz inquietações íntimas

por Diego Barbosa - Repórter
Image-0-Artigo-2442293-1
O escritor Antônio LaCarne: "decidi sair da minha zona de conforto", diz, sobre o novo trabalho ( Foto: Filipe Sales )
A carreira literária de Antônio LaCarne começou oficialmente em 2009, quando da publicação de "Elefante-Rei: Poemas B", pela Câmara Brasileira de Jovens Escritores (CBJE). Já nessa época, o cearense demonstrava forte inclinação para a poesia e a prosa poética, gêneros que o acompanharam nas demais obras que assinou.
Entre elas, constam "Salão Chinês" (Patuá, 2014) e "Todos os poemas são loucos" (Gueto Editorial, 2017), além de participação nas antologias "A polêmica vida do amor" (Oito e meio, 2011), "A nossos pés" (7Letras) e "Golpe: antologia-manifesto" (Nosotros Editorial), essas últimas publicadas em 2017.
Com uma produção consistente na área, é a primeira vez, porém, que LaCarne se aventura no gênero conto, a partir da recente publicação de "Exercícios de fixação". O novo trabalho saiu neste ano pela A. R. Publisher Editora, de Maringá (PR), e tem ganhado destaque pela qualidade, feito que se traduziu no esgotamento da primeira remessa.
Embora o lançamento em Fortaleza aconteça somente para outubro, o livro já pode ser adquirido através do site da editora (ar-publisher.Miniestore.Com). Segundo Antônio, desenvolver histórias sob outra perspectiva - especialmente no que diz respeito ao gênero - foi uma maneira de dar novo fôlego à sua produção.
"Dessa vez, decidi sair da minha zona de conforto e partir para o conto, muito motivado também por uma revolta pela forma como as pessoas hoje em dia se relacionam, principalmente nas redes sociais. Vivemos em uma espécie de pós-modernidade que oprime e deprime, em que as relações são muito baseadas na questão do alpinismo social e numa espécie de orgulho, que faz com que determinados indivíduos se sintam como que uma entidade, acima do bem e do mal", avalia.
"A meu ver, temos problemas bem mais sérios para resolver nessa vida. Abordo algumas dessas questões no livro", completa, citando aspectos como a sexualidade e o processo de envelhecimento - com toda a complexidade de pensamentos e situações desse período. Esses e outros temas compõem o pano de fundo dos 17 contos do livro.
Subjetividade
Atingindo um alto grau de correspondência com a maneira de narrar de autores como Victor Heringer (1988-2018) - cuja estrutura textual tende a seguir um padrão econômico em palavras e forte em significados -, a escrita de LaCarne é atenta a pormenores e assume uma vestidura sintática elegante para mergulhar nos atravessamentos do cotidiano sob um ponto de vista intimista.
Suas personagens são pessoas comuns, que poderíamos encontrar facilmente na movimentação apressada do dia a dia das metrópoles, o que talvez explique a ausência de nomeação dos lugares onde ocorrem as ações. Poderia ser no quarto ao lado do seu, embaixo da sua cama, na esquina da rua onde mora ou envolvendo algum vizinho. As pessoas, afinal, são um grande emaranhado de "eus".
"No livro, as personagens estão em um constante exercício pessoal, em busca delas mesmas, numa tentativa de se encontrar ou se resolver no mundo", justifica LaCarne, afirmando que o título do livro esbarra nessa espécie de pesquisa da própria identidade, o que estabelece um paralelo inclusive com o ofício de escritor. São impressões a serem fixadas, assim, nas duas extremidades de persona (criador e criaturas).
"Ao mesmo tempo, pela primeira vez tento fugir um pouco do lado confessional, estando mais preocupado em contar uma história - levando em consideração a estrutura narrativa, o espaço em que se dão os conflitos e a própria configuração das personagens, por exemplo - ainda que com alguns indícios pessoais", sinaliza. É uma escrita, portanto, que sangra, no sentido mais simbólico do termo: respinga vida - pulsante, fluida e amarga - por entre as páginas.
O texto é ainda amparado por recursos estilísticos que garantem uma leitura ao mesmo tempo simples e densa, com bom investimento em apresentações rápidas, partindo prontamente para a ação. Esta se dá de forma cuidadosa e quase sempre reserva surpresas pelo caminho, exigindo do leitor um olhar vigilante.
Referências
Ocorre que cada elemento desse ajuda na compreensão das realidades nas quais os sujeitos descritos estão inseridos. Abrindo a coletânea, conhecemos Jorginho em "Cair demais". O personagem é descrito como alguém "mergulhado no precipício existencial das dúvidas", homem isolado cujo mundo é abalado por sucessivos desarranjos emocionais, integrando um dos contos mais interessantes do livro.
Destaque também para "Arlete no vazio", testemunho arrebatador sobre a solidão; "A aranha", que surpreende pela narrativa em crescendo, alicerçada por boas camadas de mistério até a conclusão; "Os gatos", que herda a paixão pelos felinos já celebrada por Bukowski (1920-1994) e Burroughs (1914-1997); e "Lápis de cor", dono de uma mensagem poderosa sobre a afirmação do próprio ser e, ao mesmo tempo, uma reflexão sobre determinados comportamentos doentios na sociedade.
Para costurar essa miscelânea de abordagens, LaCarne comenta que, almejando maiores inspirações, recorre ao que escreveu Rubem Fonseca, Katherine Mansfield (1888- 1923) e Márcia Denser, esta considerada por ele a maior contista viva da atualidade.
"Ainda que nos últimos anos ela tenha se dedicado ao jornalismo político, seu trabalho continua uma referência forte na literatura, principalmente por ser mulher e ter uma trajetória ligada ao feminismo, com histórias que focam a narrativa sob perspectiva feminina", pontua.
O arcabouço que detém, aliado ao talento com as letras faz de Antônio LaCarne um dos nomes mais interessantes da literatura contemporânea cearense e nacional. Um autor que com esse seu "Exercícios de fixação" prova estar um passo à frente também no que se refere à produção de contos. Afinal, seja em versos ou em prosa, faz-se urgente oferecer diferentes angulações sobre o que nos atravessa nesses tempos de silêncios que dizem muito e solidões que apontam um misto de realidades.
INFO
Diário do Nordeste

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …