Pular para o conteúdo principal

'O Gume das Palavras' tem sessão nesta quarta, no Porto Iracema das Artes

por Roberta Souza - Repórter
Image-0-Artigo-2442289-1
Benjamin Abras utiliza técnicas advindas das tradições afro- brasileiras
A história de Benjamin Abras com o Ceará não é de hoje. Há três anos, uma participação no Festival de Dança do Litoral Oeste abriu portas para a direção compartilhada do espetáculo "Hadaratte: me coração está aqui", com a Cia Balé Baião, de Itapipoca, consolidando essa aproximação entre o mineiro e os cearenses. Agora, de volta à terrinha, o ator e bailarino assume a tutoria de um novo projeto de Viana Júnior, Gerson Moreno e Pai Mesquita de Ogum - o CorpoCatimbó, que investiga as corporeidades da Jurema -, e aproveita a passagem para apresentar a aula-espetáculo "O Gume das Palavras", nesta quarta-feira (22), na sala de teatro do Porto Iracema das Artes.
A aula é um desdobramento de uma investigação que ele já realiza há 15 anos - Arawô, o corpo do segredo -, tendo sido aplicada no Brasil apenas duas vezes, e outras mais no exterior. É que como um "artista intermídias", Benjamin já performou e dirigiu na África, Ásia e Europa, tudo ao longo de 23 anos de trajetória.
"As pessoas não vão ficar apenas me vendo apresentar. Elas terão a vivência da pesquisa, que estuda a relação entre as corporeidades afrodiaspóricas e a oralidade", contextualiza ele, convidando interessados a partir de 16 anos.
A transversalidade é um dos eixos dessa pesquisa. Como ator de teatro e cinema, bailarino afro tradicional e contemporâneo, diretor de dança e teatro, poeta, ensaísta, dramaturgo, artista visual, cantor e compositor, seu trabalho se vale da constante hibridação de linguagens na criação de uma obra de arte contemporânea.
As técnicas advindas das tradições afro-brasileiras propõem a desconstrução de um pensamento que folcloriza a cultura africana no Brasil. "Existe esse discurso de que o africano veio pra cá sem nada, mas ele veio vestido da cultura dele. O nosso corpo é como um templo de resguardo da nossa memória. Temos uma biblioteca dentro de nós", diz Benjamin, descendente de africanos e libaneses.
Musicalidade
O recorte da apresentação em Fortaleza será a presença do banto em Minas Gerais. "A aula trabalha muito na direção de uma busca dos nivelamentos, da presença da corporeidade a partir da voz. Especificamente aqui, vou trabalhar com as corporeidades mineiras", evidencia o artista. A intenção é, segundo ele, evocar na memória da voz a corporeidade dos sons, e a partir deste contato desvelar os deslocamentos internos que fazem do movimento uma via de escrita da oralidade.
Nesse sentido, a música é uma ferramenta indispensável, por isso a vivência contará com a participação da musicista Thamily Braga, acompanhada de um violoncelo; além do próprio Benjamim com uma gunga, típica das festas de moçambique, congado e reisado de Minas Gerais, e tocada por meio da dança.
"Nesse estudo, sendo eu das tradições do Candomblé, Umbanda, Capoeira e do reinado de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos, vou tentando fazer a compilação de caminhos técnicos. Trago melodias de músicas que compus para o trabalho e busco muito trabalhar com musicalidades diversas", explica Benjamin.
Uma das exigências feitas para aqueles interessados em participar da aula gratuita é o uso de roupas brancas. "O branco é uma cor que tem presença muito forte dentro da diáspora africana. Essencialmente, está ligada a várias vibrações e traduz a união de várias cores. A ideia, portanto, é para que a irradiação dessa energia tenha uma particularidade maior na experiência de cada pessoa, invocando a homogeneidade de corpos".
Mais informações:
Aula-espetáculo "O Gume das palavras", com Benjamin Abras.
Dia 22 de agosto, às 19h, na Sala
De teatro do Porto (R. Dragão Do Mar, 160, Praia de Iracema). Classificação: 16 anos.
Traje: roupa branca. Gratuito.

Diário do Nordeste

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …