'O Gume das Palavras' tem sessão nesta quarta, no Porto Iracema das Artes

por Roberta Souza - Repórter
Image-0-Artigo-2442289-1
Benjamin Abras utiliza técnicas advindas das tradições afro- brasileiras
A história de Benjamin Abras com o Ceará não é de hoje. Há três anos, uma participação no Festival de Dança do Litoral Oeste abriu portas para a direção compartilhada do espetáculo "Hadaratte: me coração está aqui", com a Cia Balé Baião, de Itapipoca, consolidando essa aproximação entre o mineiro e os cearenses. Agora, de volta à terrinha, o ator e bailarino assume a tutoria de um novo projeto de Viana Júnior, Gerson Moreno e Pai Mesquita de Ogum - o CorpoCatimbó, que investiga as corporeidades da Jurema -, e aproveita a passagem para apresentar a aula-espetáculo "O Gume das Palavras", nesta quarta-feira (22), na sala de teatro do Porto Iracema das Artes.
A aula é um desdobramento de uma investigação que ele já realiza há 15 anos - Arawô, o corpo do segredo -, tendo sido aplicada no Brasil apenas duas vezes, e outras mais no exterior. É que como um "artista intermídias", Benjamin já performou e dirigiu na África, Ásia e Europa, tudo ao longo de 23 anos de trajetória.
"As pessoas não vão ficar apenas me vendo apresentar. Elas terão a vivência da pesquisa, que estuda a relação entre as corporeidades afrodiaspóricas e a oralidade", contextualiza ele, convidando interessados a partir de 16 anos.
A transversalidade é um dos eixos dessa pesquisa. Como ator de teatro e cinema, bailarino afro tradicional e contemporâneo, diretor de dança e teatro, poeta, ensaísta, dramaturgo, artista visual, cantor e compositor, seu trabalho se vale da constante hibridação de linguagens na criação de uma obra de arte contemporânea.
As técnicas advindas das tradições afro-brasileiras propõem a desconstrução de um pensamento que folcloriza a cultura africana no Brasil. "Existe esse discurso de que o africano veio pra cá sem nada, mas ele veio vestido da cultura dele. O nosso corpo é como um templo de resguardo da nossa memória. Temos uma biblioteca dentro de nós", diz Benjamin, descendente de africanos e libaneses.
Musicalidade
O recorte da apresentação em Fortaleza será a presença do banto em Minas Gerais. "A aula trabalha muito na direção de uma busca dos nivelamentos, da presença da corporeidade a partir da voz. Especificamente aqui, vou trabalhar com as corporeidades mineiras", evidencia o artista. A intenção é, segundo ele, evocar na memória da voz a corporeidade dos sons, e a partir deste contato desvelar os deslocamentos internos que fazem do movimento uma via de escrita da oralidade.
Nesse sentido, a música é uma ferramenta indispensável, por isso a vivência contará com a participação da musicista Thamily Braga, acompanhada de um violoncelo; além do próprio Benjamim com uma gunga, típica das festas de moçambique, congado e reisado de Minas Gerais, e tocada por meio da dança.
"Nesse estudo, sendo eu das tradições do Candomblé, Umbanda, Capoeira e do reinado de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos, vou tentando fazer a compilação de caminhos técnicos. Trago melodias de músicas que compus para o trabalho e busco muito trabalhar com musicalidades diversas", explica Benjamin.
Uma das exigências feitas para aqueles interessados em participar da aula gratuita é o uso de roupas brancas. "O branco é uma cor que tem presença muito forte dentro da diáspora africana. Essencialmente, está ligada a várias vibrações e traduz a união de várias cores. A ideia, portanto, é para que a irradiação dessa energia tenha uma particularidade maior na experiência de cada pessoa, invocando a homogeneidade de corpos".
Mais informações:
Aula-espetáculo "O Gume das palavras", com Benjamin Abras.
Dia 22 de agosto, às 19h, na Sala
De teatro do Porto (R. Dragão Do Mar, 160, Praia de Iracema). Classificação: 16 anos.
Traje: roupa branca. Gratuito.

Diário do Nordeste

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

MASP completa 50 anos de histórias

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado