Pilares da Igreja


Gonzaga Mota*
A Bíblia, conjunto de livros de inspiração Divina, abrange o Antigo Testamento (escrito antes de Cristo - mostrando a história do mundo) e o (Novo Testamento escrito depois de Cristo - apresentando os ensinamentos de Jesus). É um convite à reflexão. Existem estudos controversos, no entanto cremos ser a Bíblia a palavra de Deus. Não se destina apenas à leitura, mas sobretudo à oração. Ao interpretarmos e entendermos a Bíblia, reconhecemos os nossos erros do passado e do presente, assim como visaremos com fé, esperança e amor o futuro. Sendo difícil a exegese bíblica, surgiram, ao longo do tempo, conflitos entre ciência e religião. No início, e até hoje, os dois pilares da Igreja continuam sendo Pedro e São Paulo. Dando-se um salto na História, já na idade média, podemos admitir que os conflitos mencionados, na maioria das vezes, foram sanados com a harmonização da fé e da razão. Não são, conforme nosso juízo, manifestações opostas, mas complementares.
Entre os séculos I e VII, a Escola Patrística, cuja maior expressão foi Santo Agostinho, já admitia que a fé e razão poderiam caminhar juntas, ressaltando a fé do Cristianismo e combatendo os ataques de pagãos e hereges. Santo Agostinho, em seus estudos, inspirou-se também na filosofia de Platão. Já no período entre os séculos IX e XVI a ideia da compatibilização entre fé e razão evoluiu, mediante os princípios da Escola Escolástica, analisados, principalmente, por Santo Tomás de Aquino, que muito se inspirou em Aristóteles. Assim, acreditamos que a fé é o caminho da verdade e a razão é consequência do júri interior. Unidas, mostram o saber viver.
*Professor aposentado da UFC

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

MASP completa 50 anos de histórias

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado