Queermuseu recebe 14 mil pessoas em dez dias e supera expectativas

Dez dias depois da inauguração na Escola de Artes Visuais (EAV) do Parque Lage, no Rio de Janeiro, a exposição "Queermuseu - Cartografias da Diferença na Arte Brasileira" superou as previsões de público ao receber 14 mil visitantes desde 18 de agosto.
Segundo o diretor da EAV, Fabio Szwarcwald, o total de visitantes pode chegar a 60 mil até o fim da temporada, em 16 de setembro.
 Exposição Queermuseu: Cartografias da Diferença na Arte Brasileira, no Parque Lage, no Rio.
Exposição Queermuseu: Cartografias da Diferença na Arte Brasileira, no Parque Lage, no Rio. - Tomaz Silva/Agência Brasil

"Tínhamos uma expectativa de umas 30 mil pessoas, e a gente acha que deve dobrar. Devem vir umas 60 mil pessoas ou mais para ver a exposição", disse o diretor, que afirmou que o número supera qualquer exposição já recebida pelo Parque Lage. "Isso mostra a importância de promover cultura, promover diversidade".
A exposição foi viabilizada por uma campanha de doações online (crowndfunding) que arrecadou R$ 1,081 milhão com a contribuição de mais de 1,6 mil pessoas.
A mobilização foi um esforço para reabrir a exposição depois que ela foi fechada pelo Santander Cultural em 2017, em meio a ataques de setores conservadores que acusavam a mostra de promover a pedofilia e a zoofilia. Após o fim antecipado, os produtores chegaram a negociar com o Museu de Arte do Rio (MAR), que é ligado à prefeitura, mas acabou vetada pelo prefeito Marcelo Crivella.
Fabio Szwarcwald conta que o público - depois de conferir obras de artistas como Adriana Varejão, Bia Leite, Cândido Portinari e Lygia Clark - se surpreende com a polêmica gerada à época.
"As pessoas ficam muito impressionadas com o que elas veem e até surpresas", diz, afirmando que a exposição foi muito difamada, mas pouco vista. "Elas não veem nada que fizesse sentido para todo esse movimento conservador."
 Exposição Queermuseu: Cartografias da Diferença na Arte Brasileira, no Parque Lage, no Rio.
Exposição Queermuseu: Cartografias da Diferença na Arte Brasileira, no Parque Lage, no Rio. - Tomaz Silva/Agência Brasil

No Dia Nacional da Visibilidade Lésbica, lembrado hoje (29), a exposição é uma opção para ter contato com a obra de artistas que abordaram a temática. "A exposição é muito mais potente quando você vê o conjunto das obras reunidas nesse espaço. Você tem obras da Bia Leite, obras do Alair Gomes, e de outros artistas que orbitam sobre esse tema. O nosso grande diferencial foi reunir todas essas pessoas para trabalharem juntas".
Além da exposição, o Parque Lage sedia uma programação de atividades culturais e debates com foco na diversidade. Na próxima quinta-feira (30), o espaço sediará um debate sobre Estudos Queer, com Amara Moira, Helder Thiago Maia, Jaqueline Gomes de Jesus e Simone Rodrigues.

Agência Brasil

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

MASP completa 50 anos de histórias

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado