Pular para o conteúdo principal

Quem foi Senador Pompeu, que nasceu há 200 anos, virou nome de rua e mudou o Ceará

Há 200 anos nascia um das figuras mais importantes para a história do Ceará. Thomaz Pompeu de Sousa Brasil, o Senador Pompeu, foi pioneiro de planos e práticas que revolucionaram o Estado. Para comemorar a data, a professora Angela Gutiérrez, trineta do homenageado, relembrará a vida do Senador do Império na noite desta quinta-feira, 23. O evento é uma realização do Instituto do Ceará, da Academia Cearense de Letras e da Universidade Federal do Ceará (UFC).

Nascido em 6 de junho de 1818 em Santa Quitéria, interior do Estado, o filho da cearense Jeracina Isabel de Sousa e do potiguar Thomaz Aquino de Sousa passou boa parte da infância e adolescência residindo no município. Carregava no sobrenome a importância de ser parte de uma família intelectual e respeitada. Aos 18 anos, Thomaz Pompeu viajou para estudar Direito em Olinda-PE, onde também se formou padre.  

A historiadora Berna Carolina relata que a vida política de Pompeu foi impulsionada por um grande mentor, Francisco Gregório Torres de Vasconcelos, seu tio, que foi também seu primeiro professor de Letras. De acordo com ela, o intelectual foi apadrinhado politicamente por dois nomes importantes, Francisco de Paula Pessoa, o “Senador dos bois”, e José Martiniano de Alencar, pai de José de Alencar. “Foi com o auxílio deles que Pompeu se projetou na política cearense de forma tão grandiosa”.

Graduado em Direito e padre, Pompeu retornou ao Ceará a pedido do Presidente da Província da época, Ignácio Correa de Vasconcelos, para fundar e dirigir a escola Liceu do Ceará, em 1845. Este foi o primeiro grande momento da vida política dele. Naquele ano, foi também eleito deputado.

Um ano depois, em 1846, ele funda o jornal “O Cearense”. De teor liberal e progressista, assim como seu fundador, foi um dos maiores jornais de circulação do século 19, conforme Berna Carolina. “Foi o periódico que pautou toda a perspectiva nova do liberalismo no Brasil. O sucesso do jornal está atrelado à boa administração de Pompeu, que o liderou por 31 anos”.  

Notável escritor e educador, Pompeu publicou 19 obras sobre diferentes temas, como Geografia, Estatística, Economia e História. “A escrita dele era telúrica, isto é, escrevia sobre sua terra. Toda a literatura dele é voltada para o progresso econômico cearense”, explica a historiadora.

Suas principais obras, “Memória Sobre a Conservação das Matas e Arboricultura do Ceará” e “Ensaio Estatístico”, marcam umas das suas ideias mais importantes: conservar as matas para ter uma agricultura forte. Com o ensaio (1861), ele foi o primeiro a reunir informações de forma oficial e institucionalizada sobre estatísticas da sociedade cearense.

Ele também é autor do “Compêndio Elementar de Geografia Geral e Especial do Brasil”, livro que foi utilizado no Colégio do Império na época, o “Pedro II”, e indicado para todas as redes de ensino das outras províncias.

Pompeu estudou a problemática da seca no Estado. Foi o primeiro a defender que medidas para contornar a falta de água seriam uma forma de contribuir para o crescimento econômico do Ceará. Em seu último ano de vida, publicou “Memória Sobre o Clima e Secas do Ceará”.

“Ele foi o primeiro a pensar na natureza cearense de forma logística, percebendo que era necessário entendê-la para dominá-la. Ele cunhou a palavra ‘Ecologia’ no Estado”, conta Berna Carolina.

Em 1864, ele se tornou o conhecido Senador Pompeu, entrando para o Senado, cargo que ocupou até o fim da sua vida. Começou a alternar entre seu estado natal e o Rio de Janeiro, onde foi comandar a política local diretamente da Corte. “Ele analisou a si e a política do seu tempo. Obteve sucesso porque se projetava bastante como sujeito político, ele criou a sua vida política”, explica a historiadora. Pompeu foi o criador do primeiro plano de viação de Fortaleza, sendo o responsável pela primeira estrada de ferro do Ceará, em Baturité (1877).

O Senador do Império faleceu presenciando a seca mais devastadora da história do Nordeste, em 1877. Morreu por doença respiratória, deixando uma viúva e cinco filhos. À época, ainda padre, pediu para ser enterrado com a sua batina. E pediu para que fosse no Ceará. “O amor dele pela terra, pelo Ceará, era muito grande. Ele queria ver o Estado dando certo”, finaliza a historiadora.

Serviço
Bicentenário de Nascimento de Thomaz Pompeu de Sousa Brasil
Quando: quinta-feira, 23
Onde: rua Barão do Rio Branco, 1594 - Centro (Praça do Carmo)
Hora: às 17 horas.
Gratuito
O Povo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …