As dores da humanidade


Padre Geovane Saraiva*
A imagem pode conter: 4 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas em pé
Batizado de Maria Clara, filha de 
Jackson e Adelaide (15/09/2018) 
Em cada celebração do banquete nupcial do Cordeiro, ou Ceia Pascal, de Jesus com seus discípulos, faz-se presente e atualiza-se o que Cristo realizou, no presente da salvação, dom e graça para a humanidade. Ao se recordar o passado, que se faz presente na vida das pessoas, antecipa-se o futuro, na forte expressão que se repete em cada eucaristia: "Ele está no meio de nós".

A imagem pode conter: céu e atividades ao ar livreA partir da Solenidade da Exaltação da Santa Cruz (14/09) e da memória de Nossa Senhora das Dores (15/09), veio à minha mente que, no Cristo Ressuscitado, se encontra a síntese da existência humana, recordando-me das aulas do Monsenhor Urbano Zilles sobre o Tratado da Escatologia, há mais de 30 anos. Pensei no aniquilamento ou suplício da cruz, mistério a envolver o homem e todo o universo. Por maior que seja seu amor próprio, ele é chamado a externar com um "não" ao absurdo das trevas da morte, passando a sonhar com a utopia do reino, indo em direção à reconciliação de todas as coisas em Cristo.

É a criatura humana que é chamada a viver, tendo por base a esperança cristã, ao mesmo tempo em que a vida de Deus quer se manifestar, na certeza de que a ressurreição se dará no futuro, pelo prenúncio pascal da cidade celestial, no salvífico pulsar, longe de toda e qualquer frustração. É a expectativa a nos interpelar, deixando claro que a opulência e a concentração de enormes fortunas são empecilhos ao absoluto de Deus, no sentido da realização a se antever pela fé (cf. Lc 9, 25). Que aprendamos a ofuscar o que é efêmero e acidental, em nome de Jesus levantado, lá no alto da cruz, ao revelar seu sinal e gesto redentor, seu senhorio e amor para conosco.

Na imagem de Nossa Senhora das Dores, ou da Piedade, temos, diante dos olhos, a salvação da humanidade, pela metáfora do seu corpo ensanguentado, ao sujar as mãos da Mãe de Deus, oferecendo-se a nós no alimento da Eucaristia. Antecipa-se, de verdade, Jesus no meio de nós, pelo caminho doloroso de Maria: na profecia de Simeão; na fuga para o Egito; no Jesus que se perde no templo; no caminho do Gólgota; na crucificação; no Jesus descido da cruz;  junto à sua sepultura, muito além de sete dores: as dores da humanidade. Amém!

*Padre, Jornalista, Colunista e Pároco de Santo Afonso, Parquelândia, Fortaleza-CE. Da Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza

Comentários

Mais Visitadas

Erasmo Carlos tem retratados seus dias de Jovem Guarda em 'Minha Fama de Mau'

Monteiro Lobato é tema de contação de histórias em livrarias de São Paulo

Filme 'No Portal da Eternidade' faz da loucura do artista Vincent van Gogh um caso de lucidez

Vocação de pescadores de homens

Mostra inédita de Paul Klee começa quarta-feira em São Paulo