Crimes perfeitos?

Gonzaga Mota*
Não existe crime perfeito, bem como ninguém, a não ser em legítima defesa, pode tirar a vida de uma pessoa. A vida é um dom de Deus, e somente Ele sabe o momento de extinguí-la. Por sua vez, examinando-se casos concretos, vivenciamos, atualmente no Brasil, um clima de significativa insegurança. Milhares de brasileiros e brasileiras são assassinados por ano de forma cruel e covarde. O pior é que a maioria desses crimes, apesar do esforço de alguns, não são sequer investigados e esclarecidos. As causas são várias: roubo, passional, vingança, drogas, bebidas alcoólicas, etc. Ademais, existe uma forma de infração extremamente lamentável numa sociedade dita democrática. É o crime de natureza política. Aconteceram vários nos últimos anos no Brasil. Recentemente, duas atrocidades, com repercussão internacional, ocorreram. A sociedade brasileira deseja e tem o direito de saber as razões e os envolvidos no assassinato da vereadora Marielle Franco e seu motorista Anderson, bem como do atentado, quase fatal, ao deputado federal Jair Bolsonaro. Ambos políticos e com perspectivas promissoras. É triste, mas somos irmãos vivendo num ambiente onde o ódio se destaca e o amor vem desaparecendo. Lembremo-nos de Shakespeare: "Lutar pelo amor é bom, mas alcançá-lo sem luta é melhor". É claro que a única luta que devemos admitir é a democrática, pacífica e livre. Será necessário apelar para o escritor Conan Doyle, falecido em 1930, e pedir-lhe que Sherlock Holmes e seu caro amigo Watson resolvam, pelo menos, os casos Marielle e Bolsonaro?
*Professor aposentado da UFC

Comentários

Mais Visitadas

Erasmo Carlos tem retratados seus dias de Jovem Guarda em 'Minha Fama de Mau'

Monteiro Lobato é tema de contação de histórias em livrarias de São Paulo

Filme 'No Portal da Eternidade' faz da loucura do artista Vincent van Gogh um caso de lucidez

Vocação de pescadores de homens

Mostra inédita de Paul Klee começa quarta-feira em São Paulo