Em novo livro, filósofo francês Frédéric Gros atualiza as bases do pensamento anarquista ao defender a desobediência como valor democrático

A tese é controversa: diante da autoridade constituída, é preciso desobedecer.
Eis a ideia-síntese do novo livro de Frédéric Gros. Filósofo francês e professor do Institut d'études Politiques de Paris, o pesquisador inverte os polos do debate sobre a crise nas democracias modernas, sugerindo que a obediência está na raiz dos impasses da contemporaneidade.
Em Desobedecer, ensaio recém-publicado pela editora Ubu, herdeira do espólio da Cosac Naify, o pesquisador situa a obediência como "antiutopista", "pragmática", "responsável", "antipassional" e "compromissada".
Para o francês, diante do agravamento das desigualdades de renda global, esgotamento ambiental e recrudescimento da intolerância, a obediência se matiza, dividindo-se em submissão, subordinação, conformismo e consentimento - todas igualmente maléficas.
De partida, o autor interroga: "Por que é tão fácil chegar a um acordo sobre o desespero da ordem atual do mundo, mas é tão difícil desobedecer-lhe?".
Em sua análise, Gros assegura que o pensamento ocidental historicamente classificou a desobediência como uma forma de "rusticidade selvagem" e de "expressão da bestialidade", clinicamente condenada como desajuste e socialmente rejeitada como contravenção.
Alvo recorrente de sanções e coerções, o indivíduo incorrigível e recalcitrante, afirma o filósofo, é aquele "incapaz de se submeter às normas do coletivo" e diante do qual os "aparelhos disciplinares confessam a sua impotência".
Escola, fábricas, exército, polícia: todos os mecanismos de controle requerem uma base de obediência e acordo tácito que resulta não no aprimoramento do processo democrático, mas na sua debilidade e asfixia contínuas.
Especialista em Michel Foucault, cujo pensamento explora os regimes de exercício do poder e os modos de resistência, Gros contra-argumenta que a desobediência é que é natural e não o seu contrário.
Segundo ele, o estado de não-aceitação produz uma crítica da democracia capaz de revitalizá-la.
Não se trata, portanto, de perguntar por que as pessoas rejeitam normas em face das quais opõem uma resistência, mas de entender por que a obediência se converteu em peça vital de articulação das instituições sociais.
Nesse ponto, Gros recorre ao exemplo de Henry David Thoreau (1819-1862), escritor cuja recusa a leis norte-americanas que considerava inaplicáveis (como a cobrança excessiva de impostos) lançou as bases do movimento ambientalista e de desobediência civil, mais tarde empregado por Gandhi.
De acordo com o filósofo, desde Hannah Arendt a normalidade e a obediência assumiram um caráter "monstruoso", passando por uma profunda revisão histórica e política.
Esse guinada conceitual deu-se sobretudo após a 2ª Guerra Mundial, quando a máquina de extermínio nazista começa a ser escrutinada e suas engrenagens, desmontadas.
Em 1961, durante o julgamento de Adolf Eichmann, um dos arquitetos da "Solução Final", Arendt cunha a expressão que se tornaria exemplar desse fenômeno: a "banalidade do mal".
A pensadora alemã de origem judia se referia ao aspecto ordinário da matança, a seu caráter cotidiano e a sua concretização etapa por etapa, numa frieza de cálculo.
Havia no planejamento e na engenharia do holocausto uma noção de banalidade cujo principal ingrediente era a obediência - os carrascos não estavam ali a assassinar judeus, mas a cumprir ordens do alto comissariado nazista.
Reside aí, portanto, a principal contribuição do livro de Gros: em meio a turbulências políticas e a governos como o de Donald Trump, a dissidência de pensamento e a discordância radical podem restituir humanidade à coletividade e jogar alguma luz na resolução dos problemas da atualidade.
Desobedecer, de Frédéric Gros
Ubu Editora
224 páginas
Preço: R$ 45,72
O Povo

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

MASP completa 50 anos de histórias

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado