Pular para o conteúdo principal

Em novo livro, filósofo francês Frédéric Gros atualiza as bases do pensamento anarquista ao defender a desobediência como valor democrático

A tese é controversa: diante da autoridade constituída, é preciso desobedecer.
Eis a ideia-síntese do novo livro de Frédéric Gros. Filósofo francês e professor do Institut d'études Politiques de Paris, o pesquisador inverte os polos do debate sobre a crise nas democracias modernas, sugerindo que a obediência está na raiz dos impasses da contemporaneidade.
Em Desobedecer, ensaio recém-publicado pela editora Ubu, herdeira do espólio da Cosac Naify, o pesquisador situa a obediência como "antiutopista", "pragmática", "responsável", "antipassional" e "compromissada".
Para o francês, diante do agravamento das desigualdades de renda global, esgotamento ambiental e recrudescimento da intolerância, a obediência se matiza, dividindo-se em submissão, subordinação, conformismo e consentimento - todas igualmente maléficas.
De partida, o autor interroga: "Por que é tão fácil chegar a um acordo sobre o desespero da ordem atual do mundo, mas é tão difícil desobedecer-lhe?".
Em sua análise, Gros assegura que o pensamento ocidental historicamente classificou a desobediência como uma forma de "rusticidade selvagem" e de "expressão da bestialidade", clinicamente condenada como desajuste e socialmente rejeitada como contravenção.
Alvo recorrente de sanções e coerções, o indivíduo incorrigível e recalcitrante, afirma o filósofo, é aquele "incapaz de se submeter às normas do coletivo" e diante do qual os "aparelhos disciplinares confessam a sua impotência".
Escola, fábricas, exército, polícia: todos os mecanismos de controle requerem uma base de obediência e acordo tácito que resulta não no aprimoramento do processo democrático, mas na sua debilidade e asfixia contínuas.
Especialista em Michel Foucault, cujo pensamento explora os regimes de exercício do poder e os modos de resistência, Gros contra-argumenta que a desobediência é que é natural e não o seu contrário.
Segundo ele, o estado de não-aceitação produz uma crítica da democracia capaz de revitalizá-la.
Não se trata, portanto, de perguntar por que as pessoas rejeitam normas em face das quais opõem uma resistência, mas de entender por que a obediência se converteu em peça vital de articulação das instituições sociais.
Nesse ponto, Gros recorre ao exemplo de Henry David Thoreau (1819-1862), escritor cuja recusa a leis norte-americanas que considerava inaplicáveis (como a cobrança excessiva de impostos) lançou as bases do movimento ambientalista e de desobediência civil, mais tarde empregado por Gandhi.
De acordo com o filósofo, desde Hannah Arendt a normalidade e a obediência assumiram um caráter "monstruoso", passando por uma profunda revisão histórica e política.
Esse guinada conceitual deu-se sobretudo após a 2ª Guerra Mundial, quando a máquina de extermínio nazista começa a ser escrutinada e suas engrenagens, desmontadas.
Em 1961, durante o julgamento de Adolf Eichmann, um dos arquitetos da "Solução Final", Arendt cunha a expressão que se tornaria exemplar desse fenômeno: a "banalidade do mal".
A pensadora alemã de origem judia se referia ao aspecto ordinário da matança, a seu caráter cotidiano e a sua concretização etapa por etapa, numa frieza de cálculo.
Havia no planejamento e na engenharia do holocausto uma noção de banalidade cujo principal ingrediente era a obediência - os carrascos não estavam ali a assassinar judeus, mas a cumprir ordens do alto comissariado nazista.
Reside aí, portanto, a principal contribuição do livro de Gros: em meio a turbulências políticas e a governos como o de Donald Trump, a dissidência de pensamento e a discordância radical podem restituir humanidade à coletividade e jogar alguma luz na resolução dos problemas da atualidade.
Desobedecer, de Frédéric Gros
Ubu Editora
224 páginas
Preço: R$ 45,72
O Povo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…