Escola de Música de Sobral forma legião de talentos

por Marcelino Júnior - Colaborador
Image-0-Artigo-2457346-1
A escola atua com sete núcleos pedagógicos divididos em Musicalização Infantil, Canto Popular, Bateria e Percussão, Teclados, Cordas Dedilhadas, Cordas Friccionadas e o Núcleo de Sopros ( FOTO: MARCELINO JÚNIOR )
Sobral. Estar matriculada na Escola de Música de Sobral é a realização de um sonho antigo para Jessyca Ferreira de Sousa, de 23 anos. A jovem de Tianguá, na Serra da Ibiapaba, não mediu esforços para aprender a tocar um instrumento quando se mudou com a família para Sobral. Há dois meses, ela tem dedicado parte de seu tempo às aulas de violino e violão, duas paixões que cultiva desde criança.
"Por morar em outra cidade, não me via com coragem de ingressar na Escola de Música e acompanhava de longe as histórias de quem passou por aqui. Mas as coisas mudaram e aqui estou, completamente dedicada às aulas. O violão tem exigido muito, mas me realizo mesmo ao tocar violino, um instrumento que sempre chamou minha atenção", explica a jovem, antes de encher o ambiente com o som melodioso de um dos instrumentos mais antigos criados na Itália, que tem destaque nas orquestras mundo afora.
A Escola de Música de Sobral- Maestro José Wilson Brasil começou em 1997, quando foram contratados 5 músicos da cidade de Natal (RN) para trabalharem em com o Quinteto de Cordas do Theatro São João. Além de realizarem diversas apresentações na cidade, à época, iniciaram um trabalho de educação musical com um grupo de jovens.
Com o avançar das ações formativas, foram criados a Orquestra Jovem de Sobral e o Coral Vozes de Sobral, os dois primeiros grupos de referência do que viria a se tornar a atual Escola de Música, que completa 21 anos nessa sexta-feira, dia 28.
"Esses grupos fundadores continuam sendo as principais referências que temos, nesse trabalho que cresceu muito nos últimos anos. Hoje temos 760 matrículas, em sua maioria da rede pública de ensino", adianta Diego Melo, diretor e maestro que está à frente de instituição.
A escola atua com sete núcleos pedagógicos divididos em Musicalização Infantil, com crianças a partir dos 7 anos; Canto Popular; Bateria e Percussão; Teclados; Cordas Dedilhadas, com aulas de violão, guitarra e contrabaixo elétrico; Cordas Friccionadas, com violinos, violas, violoncelo e contrabaixo acústico; o Núcleo de Sopros, que atende toda a uma gama de instrumentos, entre eles, a flauta transversal, clarinete, saxofone, trompa, trompete e tuba. O atendimento é dividido em 16 cursos, voltados, principalmente, aos alunos do contraturno ou aqueles egressos da rede pública, com uma ampla cobertura no que se refere à formação musical da região Norte.
Aperfeiçoamento
Muitos alunos que passaram pela Escola de Música de Sobral acabaram voltando como professores, assim como o atual diretor. "Entrei como aluno em 1997, quando estudei trompete, violão e contrabaixo; depois de formado, busquei o aperfeiçoamento em outros cursos. Voltei como professor, e hoje estou à frente da Escola", lembra com orgulho Diego Melo.
Em Sobral, o acesso à música acontece independentemente da idade ou situação funcional. A taxa cobrada é de R$ 60. Ainda de acordo com Diego Melo, "temos atendimento o dia todo, com dois anos de formação, dividida em 4 módulos, sendo um por semestre. A Escola alcança alunos de todos os municípios da região Norte, além de muitos outros que já passaram por aqui e hoje atuam como profissionais nesse mercado. Além de ter seu papel musical bem desempenhado, o espaço também é um importante equipamento de defesa das relações humanas, ainda mais em uma época em que vivenciamos tanta violência entre os jovens", destaca o diretor.
Diário do Nordeste

Comentários

Mais Visitadas

Papa Francisco sobre os direitos humanos: todos têm o direito de ser felizes

O STF é uma vergonha

Dom Aloísio em nossos corações

Além das aparências