Pular para o conteúdo principal

Escritora cearense Natércia Campos completaria 80 anos neste domingo (30)

por João Soares Neto - Especial para o Caderno 3
Natércia Campos
Natércia Campos na ocasião de sua posse na Academia Cearense de Letras (ACL), em 2002
Permito-me escrever no presente, amiga Natércia. Como se você estivesse aqui - e quem ousa dizer: não está? - e auscultasse o coração de cada de um de nós. Você vive. Vive nos filhos concebidos, criados e já ramificados em outras vidas. Nos amigos cultivados, nos livros bem urdidos e festejados.
Nesse tempo todo de viver, se conhece muita gente. Algumas são especiais. É seleção natural, não adianta forçar. Nestes seus 80 anos, estamos juntos. O válido na amizade é o selo do entendimento sem mentira, trama, desonestidade ou interesse. É, acima de tudo, o enlevo de saber-se ligado, legitimado, sem ser usado.
Amigos despejam bálsamos na ebulição da nossa desventura. Funcionam como moderadores e podem até fazer ar de censura, sem dizer palavra. Você é isso. Não é amigo quem fuxica, intriga, ostenta, disputa, bajula e açula.
Ter amigos como você é uma bênção. São como escudos a nos proteger na noite das fogueiras da vida. Vão ao encontro das águas não convertidas em lágrimas. Têm conhecimento de nossas fraquezas e limitações, mas não tripudiam sobre elas. Ao contrário, transmitem a sua força.
Entre os poucos amigos escolhidos ou os da vida, com a sua mão imponderável nos dá, há sempre alguém, em determinado momento, a precisar de mais cuidado. Essa é a hora de estar junto, sem carecer ser alertado ou cobrado. Daí ser sempre bom não alardear o feito, o dito e o sentido. Achega-se e deixa-se envolver na energia da benquerença a transmitir sentimentos e atitudes.
O tempo sempre põe as coisas no lugar e a incerteza, própria condição de se estar vivo ou do morrer, não deve nos afligir, mas consolidar raízes e um legado de confiança mútua. Tem, pasmem, olhos de ver.
Outra mulher com olhos de ver, Florbela Espanca, das terras de Camões, onde você pisou com sutileza, disse: "Fui pela estrada a rir e a cantar, as contas do meu sonho desfiando... E noite e dia, à chuva e ao luar, fui sempre caminhando e perguntando...".
Essa é você, sem tirar, acrescentando a sua escritura. As mulheres de olhos de ver de verdade. Iluminuras. Abrem os olhos e vão em frente. Há argueiros e é preciso chorar para limpar a vida e a vista, mudando a cor da paisagem existencial.
Há tanta coisa a fazer e a dizer, queiramos ou não. É preciso serenidade e continuar lutando com as munições possíveis. E claro, seremos interrompidos. Interromper significa conviver com rupturas e deságues. Precisamos ir, desvendar o vir a ser. Importa não, estamos a caminho da porta do insondável e a maçaneta não tem tranca. Entraremos, a casa é de todos.
Apesar de nossas incertitudes, alicerçamos falésias imaginárias nos protegendo das ressacas das nossas almas. Cada um faz o seu caminho e tem o seu quinhão, conforme as contas do eterno na brevidade do existir. Diz o Eclesiastes, no seu prólogo. "Tudo é vaidade. Vaidade das vaidades". Sei mais nada não. Vivemos juntos essa amizade pouco ruidosa, intensa e plena como amigos, Há noite nas nossas almas. Parabéns.
João Soares Neto é escritor
Diário do Nordeste

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…