Escuta da Palavra de Deus

Padre Geovane Saraiva*
O convite à escuta da Palavra de Deus, em setembro, mês dedicado ao Livro Sagrado, quer questionar nosso relacionamento e nosso modo de viver, indo além do escutar e do prestar atenção, num compromisso e engajamento, obedientes à vontade de Deus, que sempre quer ouvir nosso grito e clamor, sem esquecer do louvor e da gratidão, na humilde simplicidade e confiante entrega.

São Francisco de Assis e seu amor pela CriaçãoDeus nos criou para que experimentemos, como filhos seus, a liberdade, que se encontra entre os maiores anseios do ser humano, sendo uma conquista a ser alcançada através do constante esforço de responder, dentro dos propósitos divinos. É o Reino de Deus, instaurado por Jesus de Nazaré, que foi encarnado por São Francisco na sua essência, compreendendo-o e vivendo-o de um modo inigualável, genuíno e original. Ele revelou o cristianismo na sua natureza e fim, como o que existe de mais belo e precioso, por isso mesmo exerceu vigorosa influência sobre o ser humano, indicando-nos o caminho da plena liberdade.

A Bíblia nos ensina que na vida temos que ultrapassar as barreiras da morte no dia a dia. Para nós, cristãos, vencer os sinais de morte significa já ter o céu aqui na terra, mas, pela convergência de esforços e boas ações, encontramos, é claro, seu ápice na feliz ressurreição. Quando a Escritura Sagrada nos fala que “Deus será tudo em todas as coisas” (1 Cor 15, 28), na nossa compreensão, é para que tenhamos diante dos olhos o céu como pátria, na imagem do banquete nupcial ou no regozijo beatífico dos eleitos, ainda como vitória definitiva e plena reconciliação com Deus, Senhor da vida e da história.

Na nossa cultura predomina uma forte tendência ao dualismo. De um lado bem distinto, apresenta-se o ser humano e tudo ao seu redor como matéria; do outro lado, o mistério de Deus, de Jesus e do Espírito Santo. Ficam patentes, na mente e no interior das pessoas, dois mundos, com dificuldade de conciliação e entendimento. Ora, tudo que recebemos de Deus ­- dons, qualidades e talentos - deveria ser bem administrado, multiplicado e partilhado, num espírito solidário, sendo, evidentemente, o início da promessa vindoura.

Sem renunciar ao nosso ser pessoa humana e às nossas tendências mais profundas, deixemo-nos questionar pela Palavra de Deus, no sentido da vivência da nossa fé, na grandeza da própria vida, numa só coisa, como dom e graça de Deus, que tudo fez por amor, dando-nos cabeça para pensar e coração para amar, inspirados na atmosfera imorredoura da oração e ternura do Poverello de Assis. Amém!

*Padre, Jornalista, Colunista e Pároco de Santo Afonso, Parquelândia, Fortaleza-CE. Da Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

MASP completa 50 anos de histórias

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado