Francisco, o Pobrezinho de Assis

Padre Geovane Saraiva*

Resultado de imagem para "dom aloísio: restos mortais"
Personalidade atraente e incontestável, São Francisco lutou por um mundo solidário e de fronteiras abertas, numa dinâmica estimuladora, com um não à indiferença e à neutralidade dos católicos e dos não católicos. Exemplo de docilidade, chamava todas as criaturas de irmãs, recolhendo pelos caminhos as lesmas, para que não fossem pisadas pelos homens; alimentava de mel e vinhos as abelhas no inverno, para que não morressem de frio e de fome. O jeito de viver de Francisco de Assis, com seu coração repleto de ternura, foi um confronto radical com as forças e relações infra-humanas de seu tempo, advertindo-as para não se apropriarem do meio ambiente e da vida humana no seu todo, aqui na assertiva de seu biógrafo, Tomás de Galeno: “Quando se encontrava com as flores, pregava-lhes como se fossem dotadas de inteligência, e as convidava, numa comovedora ternura, a louvar o Senhor”.

No tempo em que São Francisco viveu neste mundo, de 1182 a 1226, era fácil encontrar pessoas armadas, num constante estado de guerra, pelas armas conduzidas na cintura, preparadas para a violência. Nosso mundo, hoje, 800 anos distante do vivido pelo Trovador de Assis, também não foge à regra: pessoas de todas as classes sociais estão armadas para as guerras. A paz anunciada com a própria vida, por Francisco de Assis, se transformará em uma nova realidade, à medida que houver disposição e sensibilidade, diante do grito dos sofredores. Na nefasta poluição ambiental e no clamor da Terra, sofrida e dominada pela exploração, a violência, o egoísmo e a vingança precisam ceder lugar ao amor e à ternura, proclamados pelo Pobrezinho de Assis.

Ele marcou nossa civilização humana como um santo fenomenal e milagroso, o mais popular do mundo. Vestiu-se de hábito humilde e cingiu-se com um cordão, tomando a resolução de viver na profunda radicalidade o Evangelho de Jesus. Francisco de Assis, no desejo de desfazer-se das coisas do mundo, procurou a solidão e se entregou a Deus, na oração e na penitência. O pai não compreendeu suas atitudes de criatura livre do mundo. Maltratava-o, e até o levou à presença do bispo de Assis, no desejo de discipliná-lo, não esbanjando seus bens materiais, que, despindo-se de suas vestes e entregando-as ao pai, disse com convicção: “Até hoje vos chamei de pai, mas de agora em diante, com toda a razão, pai nosso que estais no céu, porque só em Deus ponho minha esperança”.

Muita gente passou a se empenhar na vivência da fé, a partir do Santo de Assis, mas se perguntando sobre o segredo do seu fascínio por Deus e por suas criaturas, visto como algo divino e misterioso, cognominando-o até de "Cristo da Idade Média", ou, simplesmente, o poverello, o santo incomparável. Sua mais sincera e extremada coerência nos ensina a razão de sermos gente, imagem e semelhança de Deus, numa vida humilde e pobre, mas que se externa numa enorme e imorredoura alegria, ele que foi enamorado do Cristo desfigurado e despojado, na vigorosa e irrefutável experiência de oração, no mistério da contemplação da criança pobre de Belém, acolhendo-o como seu redentor.

Que as pessoas do nosso mundo, com tantos sinais contrários à vida, encontrem razões para amar a vida e para descobrir a bondade de Deus, inspiradas no fascínio da figura humana de São Francisco de Assis, que, ao confundi-lo com seu Mestre e Senhor, cantam, vibrando: “Salve ó Francisco (...) cheio de amor, / com as chagas trazes / do Salvador! / E ninguém sabia / já dizer com veras, / se eras Francisco / ou se Cristo eras”. Amém!

*Padre, Jornalista, Colunista e Pároco de Santo Afonso, Parquelândia, Fortaleza-CE. Da Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza

Comentários

Mais Visitadas

Alagoano que dirigiu filme que teve cenas gravadas em Penedo toma posse na ABL

Literatura e cinema ajudaram a tornar Notre-Dame conhecida no mundo

Principal nome da literatura feita para crianças no Ceará, Horácio Dídimo, morto em 2018, pode ser homenageado em Dia Estadual da Literatura Infantil

Herança do governo golpista

Catedral de Notre-Dame, em Paris, sofre incêndio na tarde desta segunda-feira