Pular para o conteúdo principal

Francisco, o Pobrezinho de Assis

Padre Geovane Saraiva*

Resultado de imagem para "dom aloísio: restos mortais"
Personalidade atraente e incontestável, São Francisco lutou por um mundo solidário e de fronteiras abertas, numa dinâmica estimuladora, com um não à indiferença e à neutralidade dos católicos e dos não católicos. Exemplo de docilidade, chamava todas as criaturas de irmãs, recolhendo pelos caminhos as lesmas, para que não fossem pisadas pelos homens; alimentava de mel e vinhos as abelhas no inverno, para que não morressem de frio e de fome. O jeito de viver de Francisco de Assis, com seu coração repleto de ternura, foi um confronto radical com as forças e relações infra-humanas de seu tempo, advertindo-as para não se apropriarem do meio ambiente e da vida humana no seu todo, aqui na assertiva de seu biógrafo, Tomás de Galeno: “Quando se encontrava com as flores, pregava-lhes como se fossem dotadas de inteligência, e as convidava, numa comovedora ternura, a louvar o Senhor”.

No tempo em que São Francisco viveu neste mundo, de 1182 a 1226, era fácil encontrar pessoas armadas, num constante estado de guerra, pelas armas conduzidas na cintura, preparadas para a violência. Nosso mundo, hoje, 800 anos distante do vivido pelo Trovador de Assis, também não foge à regra: pessoas de todas as classes sociais estão armadas para as guerras. A paz anunciada com a própria vida, por Francisco de Assis, se transformará em uma nova realidade, à medida que houver disposição e sensibilidade, diante do grito dos sofredores. Na nefasta poluição ambiental e no clamor da Terra, sofrida e dominada pela exploração, a violência, o egoísmo e a vingança precisam ceder lugar ao amor e à ternura, proclamados pelo Pobrezinho de Assis.

Ele marcou nossa civilização humana como um santo fenomenal e milagroso, o mais popular do mundo. Vestiu-se de hábito humilde e cingiu-se com um cordão, tomando a resolução de viver na profunda radicalidade o Evangelho de Jesus. Francisco de Assis, no desejo de desfazer-se das coisas do mundo, procurou a solidão e se entregou a Deus, na oração e na penitência. O pai não compreendeu suas atitudes de criatura livre do mundo. Maltratava-o, e até o levou à presença do bispo de Assis, no desejo de discipliná-lo, não esbanjando seus bens materiais, que, despindo-se de suas vestes e entregando-as ao pai, disse com convicção: “Até hoje vos chamei de pai, mas de agora em diante, com toda a razão, pai nosso que estais no céu, porque só em Deus ponho minha esperança”.

Muita gente passou a se empenhar na vivência da fé, a partir do Santo de Assis, mas se perguntando sobre o segredo do seu fascínio por Deus e por suas criaturas, visto como algo divino e misterioso, cognominando-o até de "Cristo da Idade Média", ou, simplesmente, o poverello, o santo incomparável. Sua mais sincera e extremada coerência nos ensina a razão de sermos gente, imagem e semelhança de Deus, numa vida humilde e pobre, mas que se externa numa enorme e imorredoura alegria, ele que foi enamorado do Cristo desfigurado e despojado, na vigorosa e irrefutável experiência de oração, no mistério da contemplação da criança pobre de Belém, acolhendo-o como seu redentor.

Que as pessoas do nosso mundo, com tantos sinais contrários à vida, encontrem razões para amar a vida e para descobrir a bondade de Deus, inspiradas no fascínio da figura humana de São Francisco de Assis, que, ao confundi-lo com seu Mestre e Senhor, cantam, vibrando: “Salve ó Francisco (...) cheio de amor, / com as chagas trazes / do Salvador! / E ninguém sabia / já dizer com veras, / se eras Francisco / ou se Cristo eras”. Amém!

*Padre, Jornalista, Colunista e Pároco de Santo Afonso, Parquelândia, Fortaleza-CE. Da Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…