INGRATIDÃO TRAIDORA

Carlos Delano Rebouças*
A imagem pode conter: Carlos Delano Rebouças, close-up
Há quem diga que um dos mais dignos sentimentos que um homem pode possuir é a gratidão. É ele que nos diferencia na sociedade, perante a quem reconhece o verdadeiro valor de ser grato por algo que lhe foi feito, contudo, parece que cada vez mais é desmerecido entre os homens que já não conseguem definir valores humanos.

Quando pequeninos, nossos pais nos ensinam a agradecer pelo que nos é feito. Isso acontece quando nos presenteiam ou nos agradam de alguma forma. Trata-se de uma maneira de nos educarmos para a vida, aprendendo a reconhecer uma gentileza feita, um favor concedido, na certeza de que ninguém não necessariamente é forçado a isso, embora acredite que temos a obrigação de servir.

Apesar de sermos orientados dessa forma quando crianças, muitos pais, infelizmente, não desenvolverem essa prática, levando muitas crianças a deixarem de dizer o famoso “muito obrigado” no transcorrer da vida. Às vezes, aqueles que na infância seguiam rigorosamente as orientações dos pais, deixando bastante claro que nem sempre é bem assimilado e se torna uma regra, quando falta uma compreensão sobre a sua existência e necessidade. Em outros casos, até que a famosa frase é dita, entretanto, puramente mecanizada, como se fosse natural, parte do discurso, sem mesmo existir a intenção de agradecer.

Entre agradecer e ser grato existe uma diferença enorme, que leva a diversas interpretações do homem e de suas características. Ser grato é uma questão de caráter, que envolve determinados valores ausentes em muitos que sequer conseguem agradecer, e com o fazem, não parece uma verdade absoluta. É o agradecer por agradecer e nada mais.

Ser grato é muito mais que ser repetitivo no reconhecimento do que lhe foi feito e da pessoa que esteve à frente das ações. Ser grato é ter a certeza de que tudo que lhe foi feito fez a diferença na sua vida e que jamais pode ser reduzido a pouco, muito menos a nada. Ou seja, é nunca esquecer a importância que teve em um dado momento de sua vida, em que o seu contexto permitiu defini-lo como difícil e delicado, mas, depois de superado, não pode ser esquecido.

Mas esquecer o que é feito e quem o fez parece uma prática comum entre os homens. Logo, numa oportuna situação, daquelas que desagradam na maioria dos casos, aos olhos do imponderado, o nome de quem um dia fez algo de grande importância de imediato é adjetivado negativamente. São novos conceitos apresentados sem serem mensurados na balança da vida, a qual apresenta, em seus lados opostos, os prós e os contras de qualquer um de nós, para que possamos avaliar, justamente, as pessoas e suas atitudes.

Avaliar é comum ao homem. Adoramos nos definir, quase sempre positivamente, ao contrário das vezes em que nos referimos a alguém. Contudo, entre definições justas ou não, embora sejam prejudiciais, já que contribuem para construir uma imagem nem sempre verdadeira de alguém, pior ainda é esquecer o que foi feito por você, numa incontestável atitude de ingratidão, como se nada tivesse representado na nossa vida. É a ingratidão traindo o homem com a insensatez cega e de olhos bem abertos. 

*Professor de Língua Portuguesa e redação, conteudista, palestrante e facilitador de cursos e treinamentos, especialista em educação inclusiva e revisor de textos.

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

MASP completa 50 anos de histórias

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado