Livro aborda a memória crítica da escravidão


Image-0-Artigo-2451664-1
Diante de um fenômeno complexo, que atravessa a História do Brasil a partir da chegada dos europeus e que ainda reverbera em nossa sociedade, uma profusão de vozes. São 50 os "textos críticos", de historiadores e de autores dos campos sociológico e antropológico, que compõem o "Dicionário da escravidão e liberdade". Organizado pela historiadora e antropóloga Lilia Moritz Schwarcz (USP) e pelo historiador Flávio dos Santos Gomes (UFRJ), o livro surge como uma obra de referência, reunindo a polifônica produção sobre o tema, que ganhou mais força no último meio século, instigada pelas lutas por direitos civis da população negra.
Lilia Moritz Schwarcz apresenta a obra, em lançamento na Universidade de Fortaleza (Unifor). Ela realiza palestra, aberta ao público, nesta quarta-feira, 12, às 9h30, na Biblioteca da universidade. Além do evento, na quarta, começa a feira de livros no campus, que se estende até 20 de setembro, no Centro de Convivência da Unifor.
A proposta dos organizadores foi entregar ao leitor uma obra com textos de especialistas, mas acessível ao público não acadêmico. Os verbetes aqui correspondem a ensaios, tratando de temas como o tráfico de escravos, as relações do comércio negreiro da costa africana, a transição de uma escravidão indígena para aquela onde predominaram populações traficadas da África, as leis que ordenavam o sistema escravista e as diferentes escravidões presentes no território do Brasil, às épocas da Colônia e do Império.
O formato proporciona uma leitura não cronológica, aparentemente mais apropriada a uma temática repleta de nuances. "Não se estuda o escravismo sem emoção e sem um sentimento de vergonha e remorso", escreve no prefácio o diplomata, historiador e ensaísta Alberto da Costa e Silva. São sensações que se inscrevem num olhar crítico, em que não cabem versões romantizadas do abolicionismo, como a narrativa heroica de que o Ceará foi a primeira província a abolir a escravidão ou as versões que maqueiam o conservadorismo da Lei Áurea, de 1888.
Mais informações:
Palestra com a historiadora Lilia Moritz Schwarcz e lançamento do livro "Dicionário da escravidão e liberdade". Quarta, 12, às 9h30, no Auditório da Biblioteca Unifor (Av. Washington Soares, 1321 - Edson Queiroz). Entrada franca. Contato: (85) 3477.3000
Diário do Nordeste

Comentários

Mais Visitadas

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

O Irmão Carlos de Foucauld

MASP completa 50 anos de histórias

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP