Livro aborda a memória crítica da escravidão


Image-0-Artigo-2451664-1
Diante de um fenômeno complexo, que atravessa a História do Brasil a partir da chegada dos europeus e que ainda reverbera em nossa sociedade, uma profusão de vozes. São 50 os "textos críticos", de historiadores e de autores dos campos sociológico e antropológico, que compõem o "Dicionário da escravidão e liberdade". Organizado pela historiadora e antropóloga Lilia Moritz Schwarcz (USP) e pelo historiador Flávio dos Santos Gomes (UFRJ), o livro surge como uma obra de referência, reunindo a polifônica produção sobre o tema, que ganhou mais força no último meio século, instigada pelas lutas por direitos civis da população negra.
Lilia Moritz Schwarcz apresenta a obra, em lançamento na Universidade de Fortaleza (Unifor). Ela realiza palestra, aberta ao público, nesta quarta-feira, 12, às 9h30, na Biblioteca da universidade. Além do evento, na quarta, começa a feira de livros no campus, que se estende até 20 de setembro, no Centro de Convivência da Unifor.
A proposta dos organizadores foi entregar ao leitor uma obra com textos de especialistas, mas acessível ao público não acadêmico. Os verbetes aqui correspondem a ensaios, tratando de temas como o tráfico de escravos, as relações do comércio negreiro da costa africana, a transição de uma escravidão indígena para aquela onde predominaram populações traficadas da África, as leis que ordenavam o sistema escravista e as diferentes escravidões presentes no território do Brasil, às épocas da Colônia e do Império.
O formato proporciona uma leitura não cronológica, aparentemente mais apropriada a uma temática repleta de nuances. "Não se estuda o escravismo sem emoção e sem um sentimento de vergonha e remorso", escreve no prefácio o diplomata, historiador e ensaísta Alberto da Costa e Silva. São sensações que se inscrevem num olhar crítico, em que não cabem versões romantizadas do abolicionismo, como a narrativa heroica de que o Ceará foi a primeira província a abolir a escravidão ou as versões que maqueiam o conservadorismo da Lei Áurea, de 1888.
Mais informações:
Palestra com a historiadora Lilia Moritz Schwarcz e lançamento do livro "Dicionário da escravidão e liberdade". Quarta, 12, às 9h30, no Auditório da Biblioteca Unifor (Av. Washington Soares, 1321 - Edson Queiroz). Entrada franca. Contato: (85) 3477.3000
Diário do Nordeste

Comentários

Mais Visitadas

José, servo bom e fiel

Câmara homenageia mulheres que se destacaram na luta por direitos

Nossos escritores

Físico brasileiro recebe Prêmio Templeton de 2019

Inep cria comissão para decidir itens que farão parte do Enem 2019