Pular para o conteúdo principal

Livro aborda a memória crítica da escravidão


Image-0-Artigo-2451664-1
Diante de um fenômeno complexo, que atravessa a História do Brasil a partir da chegada dos europeus e que ainda reverbera em nossa sociedade, uma profusão de vozes. São 50 os "textos críticos", de historiadores e de autores dos campos sociológico e antropológico, que compõem o "Dicionário da escravidão e liberdade". Organizado pela historiadora e antropóloga Lilia Moritz Schwarcz (USP) e pelo historiador Flávio dos Santos Gomes (UFRJ), o livro surge como uma obra de referência, reunindo a polifônica produção sobre o tema, que ganhou mais força no último meio século, instigada pelas lutas por direitos civis da população negra.
Lilia Moritz Schwarcz apresenta a obra, em lançamento na Universidade de Fortaleza (Unifor). Ela realiza palestra, aberta ao público, nesta quarta-feira, 12, às 9h30, na Biblioteca da universidade. Além do evento, na quarta, começa a feira de livros no campus, que se estende até 20 de setembro, no Centro de Convivência da Unifor.
A proposta dos organizadores foi entregar ao leitor uma obra com textos de especialistas, mas acessível ao público não acadêmico. Os verbetes aqui correspondem a ensaios, tratando de temas como o tráfico de escravos, as relações do comércio negreiro da costa africana, a transição de uma escravidão indígena para aquela onde predominaram populações traficadas da África, as leis que ordenavam o sistema escravista e as diferentes escravidões presentes no território do Brasil, às épocas da Colônia e do Império.
O formato proporciona uma leitura não cronológica, aparentemente mais apropriada a uma temática repleta de nuances. "Não se estuda o escravismo sem emoção e sem um sentimento de vergonha e remorso", escreve no prefácio o diplomata, historiador e ensaísta Alberto da Costa e Silva. São sensações que se inscrevem num olhar crítico, em que não cabem versões romantizadas do abolicionismo, como a narrativa heroica de que o Ceará foi a primeira província a abolir a escravidão ou as versões que maqueiam o conservadorismo da Lei Áurea, de 1888.
Mais informações:
Palestra com a historiadora Lilia Moritz Schwarcz e lançamento do livro "Dicionário da escravidão e liberdade". Quarta, 12, às 9h30, no Auditório da Biblioteca Unifor (Av. Washington Soares, 1321 - Edson Queiroz). Entrada franca. Contato: (85) 3477.3000
Diário do Nordeste

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

POPE FRANCIS GENERAL AUDIENCE 2016.06.08

Campus Party 2018 vendeu 30% a mais de ingressos que edição anterior

A feira de tecnologia Campus Party Brasília 2018 foi encerrada hoje (1°), após ter reunido milhares de pessoas em torno de palestras, oficinas e atividades com temas como o uso da tecnologia da computação, robótica, empreendedorismo e startups. Essa é a segunda edição do evento em Brasília, que começou no dia 27 de junho, no Estádio Nacional Mané Garrincha. Antes prevista para acontecer de 30 de maio a 3 de junho, a feira foi adiada para esta semana por causa da greve dos caminhoneiros. De acordo com o diretor da Campus Party Brasil, Tônico Novaes, o evento contabilizou um volume de vendas de ingressos pelo menos 30% maior que a primeira edição da Campus Party em Brasília, realizada no ano passado.  Para Tônico Novaes, a edição no Distrito Federal se destacou pela elevada participação e envolvimento dos que estão no evento.  “Os campuseiros daqui são realmente engajados no conteúdo. Andando por aqui você vai ver todos os workshops e bancadas cheias e a estrutura está bem maior que a …