Livro conta história da mulher mais importante do cangaço

Maria Bonita em referência a Livro sobre Maria Bonita conta um pouco da história sobre a mulher mais importante do cangaço
Maria Bonita foi a primeira mulher a se juntar ao bando do cangaceiro Lampião. Em uma pesquisa extensa, a jornalista Adriana Negreiros traçou o perfil dessa mulher e lançou o livro “Maria Bonita: Sexo, Violência e Cangaço”.
De acordo com a jornalista, Maria Bonita não foi raptada. “Ela entrou no bando porque quis no começo de 1930”. Como Lampião era uma das pessoas mais procuradas daquela época, havia até prêmios para quem o encontrasse, ele estava na região da Bahia e ela resolveu acompanha-lo.
Com isso se tornou a primeira mulher a participar do bando, sendo porta de entrada para muitas outras. “Mas, ao contrário dela, muitas foram para o cangaço à força, como foi o caso da Dadá, por exemplo”. Adriana ainda comenta que Maria Bonita não era uma mulher feminista. “Ela era empoderada, dentro do bando ela não tinha uma postura feminista, não tinha consciência da construção do gênero”.
Tribuna do Ceará

Comentários

Mais Visitadas

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

O Irmão Carlos de Foucauld

MASP completa 50 anos de histórias

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP