Memórias da televisão na banda larga da literatura

Em viagem poética pelo Rio dos anos 1970, o jornalista Marcus Veras revê os bastidores da TV em Os últimos dias em preto e branco

Jornal do BrasilRODRIGO FONSECA *, Especial JB
Loucura, invenção e empreendedorismo (à base de risco) compõem a programação da TV Carioca, fictícia emissora. Ela sacudiu o Rio de Janeiro imaginário, mas com doses fartas de realidade e de ditadura militar, desbravado nas páginas de “Os últimos dias em preto e branco – Um romance nos bastidores da TV em 1970”, que o jornalista Marcus Veras lança hoje, a partir das 19h, na Blooks Livraria, em Botafogo. Ponte entre o Brasil e o Troféu Platino – premiação latino-luso-americana apelidada de “O Oscar das Américas” –, o veterano repórter, fotógrafo e assessor de imprensa, que foi crítico de música no JB dos anos 1990, revive a década de 1970 a partir dos bastidores de uma estação de TV. Um programa de calouros é o caminho encontrado pelo canal para resistir à concorrência da TV Tupi, da Rede Globo e das demais difusoras de entretenimento. Na entrevista a seguir, Veras fala de seu olhar ficcional sobre a cidade e comenta o preconceito literário com a linguagem televisiva.
Macaque in the trees
Marcus Veras ambienta a trama de seu romance nos bastidores da fictícia emissora TV Carioca, nos anos 1970 (Foto: Divulgação/André Arruda)












JB: Por que é tão difícil haver espaço literário para a televisão na prosa ficcional brasileira?
MARCUS VERAS: Durante muitos anos, a televisão no Brasil foi considerada pelos intelectuais como diversão barata e desconectada da “alta cultura”. Isso começa a mudar um pouco com o trabalho do crítico Artur da Távola, primeiro na “Última Hora”, depois em “O Globo”. É interessante notar que há vários romances nos quais os personagens são publicitários. Mas quando pensamos em romances tendo como ambiente a TV, não há quase nada, apesar de ela existir há quase 70 anos na vida do brasileiro. Fernanda Torres (“A glória e seu cortejo de horrores”) e Marcílio Moraes (“Entre as estrelas: Aquiles”) são duas saudáveis recentes exceções a essa regra.
Macaque in the trees
"Os últimos dias em preto e branco - Um romance nos bastidores da TV em 1970" (Foto: Divulgação)
Qual é a década de 1970 da sua imaginação e o quanto ela alimenta os anos 1970 da TV Carioca?
Na verdade, a TV Carioca vem trazendo para os anos 1970 todos os traços dos anos 1960: a herança de muitos programas do rádio, inclusive de muitos técnicos, pois ainda não havia mão de obra especializada. Traz também a estética do preto e branco, em sua fase final – uma mudança que vai obrigar todas as emissoras a um grande investimento. E traz ainda uma característica que se perdeu: a TV local, que falava para sua cidade.
Qual é o Rio desta sua ficção e o quanto a sombra da ditadura pesa sobre essa sua Cidade Maravilhosa imaginária?
Era um Rio de Janeiro ameno e acolhedor, com a noite muito rica, onde artistas e público conviviam harmoniosamente. Copacabana reinava gloriosa e seu calçadão era quase um “tapete vermelho”. A violência não se dava pela luta de facções como se dá hoje em dia, mas pela presença ostensiva dos comandos da ditadura em busca de “subversivos”. Com o acirramento das tensões entre o governo militar e os grupos de esquerda, a barra começava a pesar para todo mundo.
Diante da sua experiência como crítico musical, qual é a trilha sonora desse Rio do teu romance?
A trilha sonora é das canções escolhidas pelos personagens do livro que vão participar do “Calouros em Desfile”: “E daí” (Miguel Gustavo), “Como tem Zé na Paraíba” (Jackson do Pandeiro), “Samba em Rubro Negro” (Wilson Batista), “A noite de meu bem” (Dolores Duran), “Se acaso você chegasse” (Lupicínio Rodrigues) e o fabuloso pot-pourri que lançou a dupla Elis Regina e Jair Rodrigues.
* Roteirista e crítico de cinema
__________
Serviço
OS ÚLTIMOS DIAS EM PRETO E BRANCO. Autor: Marcus Veras. Editora Ponteio. R$ 24. Blooks Livraria /Espaço Itaú (Praia de Botafogo, 316, lojas D e E. Tel: 2237-7974). Lançamento hoje, a partir das 19h.

Comentários

Mais Visitadas

Erasmo Carlos tem retratados seus dias de Jovem Guarda em 'Minha Fama de Mau'

Monteiro Lobato é tema de contação de histórias em livrarias de São Paulo

Filme 'No Portal da Eternidade' faz da loucura do artista Vincent van Gogh um caso de lucidez

Vocação de pescadores de homens

Prêmio Sesc de Literatura encerra inscrições na quinta-feira (14)