Museu do Ceará - equipamento público que guarda a memória do Estado vai receber uma manutenção predial nos próximos quinze dias

Deivyson Teixeira em 25/10/2014
Deivyson Teixeira em 25/10/2014
O Museu do Ceará - equipamento público que guarda a memória do Estado em artefatos arqueológicos, obras artísticas e outras peças - vai receber uma manutenção predial nos próximos quinze dias. A intervenção está ligada ao processo de cuidado permanente que a Secretaria da Cultura do Ceará (Secult) precisa realizar nos equipamentos públicos. No fim de 2017, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) emitiu um comunicado para a pasta estadual pontuando alguns problemas estruturais que afetam o museu. Antes disso, entretanto, segundo Fabiano Piúba dos Santos, titular da Secult, a pasta já estava com os olhos voltados para o equipamento.
Essa manutenção dos próximos dias não afeta o funcionamento do museu, explica a diretora Carla Vieira. E ela é apenas uma prévia para a intervenção maior que será realizada no próximo ano. A manutenção vai custar R$ 224 mil. Quando assumiu a secretaria, pontua Fabiano, havia um projeto para reforma do Museu do Ceará. Mas, segundo o secretário, o texto apresentava uma série de lacunas, incluindo a prevenção de acidentes e incêndios. Novo projeto foi encomendado. Realizado pela empresa cearense Umpraum Projetos Integrados, o texto prevê especificações que vão da disposição dos extintores de incêndio aos alarmes, hidrantes e sinalizações. A obra, que deve custar por volta de R$ 5 milhões, já tem recursos previstos na Lei Orçamentária Anual (LOA) da Secult para o próximo ano.

Rafael Magalhães, arquiteto e urbanista da Umpraum Projetos Integrados, explica que o projeto prevê melhorias e modernizações em todas as instalações do Museu do Ceará, equipamento tombado pelo Iphan e localizado no Centro de Fortaleza. Prédios históricos, diz o arquiteto, possuem facilidade de combustão devido ao uso de madeira como matéria base das edificações. Esse teria sido um dos agravantes no incêndio que atingiu o Museu Nacional, no Rio de Janeiro, no domingo, 2.
O projeto do Museu do Ceará contou com nove profissionais envolvidos - analisando detalhes e características da edificação (construída em 1873) - e foi elaborado entre fevereiro e junho deste ano. A Umpraum, esclarece Fabiano dos Santos, também está realizando projetos para o Theatro José de Alencar (TJA) e para o Teatro de Guaramiranga. "Não há motivo para pânico. É importante lembrar para a sociedade que há uma linha contínua de manutenção e custeio dos nossos equipamentos", diz o secretário.
"Os riscos existem em qualquer tipo de edificação, mesmo as mais modernas", ressalta Carla. Ela lembra, entretanto, que o Museu do Ceará tem sistema de combate de incêndio em funcionamento, extintores específicos para a estrutura, mangueira de hidrante no interior do prédio e não desenvolve atividades de alto risco ou que envolvam chamas. "Eu não poderia me capacitar a dizer que o museu não corre nenhum risco. O que nós temos são uma série de esforços voltados a evitar que tragédias aconteçam", diz.
O Povo

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

MASP completa 50 anos de histórias

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado