O amor que mora nos pequenos gestos

Quantas gotas de amor você já recebeu hoje?

Esses dias comentei com meu pai que precisava parar de beber café depois das 18h porque beber café me deixava acelerada, ansiosa e tirava o meu sono à noite. Contei um pouco sobre as crises de ansiedade que venho enfrentado, ele ouviu com atenção, mas por não entender muito bem sobre, não conseguiu me dar grandes conselhos.
Mas ontem, quando cheguei em casa depois do trabalho, havia uma garrafa cheia de chá que ele havia acabado de passar me esperando, e ele disse: “Eu comprei chá para você poder tomar à tarde, já que o café não tem te feito tão bem”.
Na hora eu percebi que, apesar dele não entender muito bem os meus problemas e a ansiedade que me cerca, ele encontrou uma forma de me ajudar a passar por ela, mesmo que seja só trocando o café por chá nos cafés da tarde que tomamos juntos. Meu coração se encheu de gratidão por entender que aquela era uma forma dele expressar amor e cuidado comigo.
Pensei em todas as vezes que durante o dia eu me aborreço por outras coisas. Me chateio por perder o horário e chegar atrasada. Fico triste por ser culpada por coisas que não eram minha responsabilidade. Me sinto mal pelas vezes que as pessoas ao redor me maltratam por tão pouco. Fico chateada por não conseguir alcançar alguma meta, por não conquistar algum sonho e talvez ter que deixar pra lá alguns planos.
Acredito que isso acontece com todo mundo. Mas no momento em que bebia o meu chá quentinho, eu percebi o tanto de amor que vou recebendo durante o dia e nem me dou conta.
A gente foca tanto no ódio gratuito que recebemos, nas coisas que dão errado, nos comentários horríveis que lemos pela internet afora. Ficamos devastados por sermos julgados, esquecidos, magoados, que mal percebemos as coisas boas que fazem por nós.
Esperamos o “bom dia” de alguém, e quando ele não vem, o “bom dia” dos outros é recebido por nós com mau humor e irritação. Queremos alcançar os sonhos que colocamos no papel e, quando não conseguimos, as pequenas vitórias diárias que alcançamos são ignoradas, porque, bem, não era aquilo exatamente que queríamos.
Não estou dizendo que você não pode ficar chateado pelas coisas ruins que acontecem, não quero que você pense que precisa ser grato 24 horas por dia e positivo o tempo todo, mesmo com tudo desmoronando ao redor.
Ninguém é feliz e grato o tempo todo. Somos humanos e é natural ficar aborrecido quando coisas ruins acontecem, quando pessoas que amamos nos tratam com desdém, quando achamos que estamos longe de chegar aonde planejávamos. Você tem todo direito de se chatear, chorar, gritar e pensar quão horrível e injusta é a situação.
Mas olha só, sempre que possível, mude o foco, sabe?
Perceba a quantidade de amor em pequenas gotas você recebe. Seja num “bom dia” caloroso do motorista do ônibus. Numa mensagem inesperada de um amigo que viu algo e lembrou de você. Num colega de trabalho que comprou pão de queijo para você porque sabia que você ficaria com fome perto das 10h da manhã. No pai, que apesar de não saber dar os melhores conselhos, fez o possível para melhorar sua ansiedade e as crises de insônia.
Acho que com o passar do tempo, a correria moderna, a quantidade de obrigações que precisamos cumprir, a pressão para mostrar que sabemos o que estamos fazendo da vida, acho que fomos endurecendo e nosso coração já não se derrete tão fácil.
Focamos mais no que de ruim acontece conosco, nas palavras duras que recebemos, nas vezes que apontaram um defeito em nós, que nos sentimos sozinhos e abandonados… que esquecemos de olhar todas as outras vezes que o amor esteve presente nos detalhes.
E talvez amor seja isso, demonstrar afeição em pequenos gestos. Fazer-se presente mesmo na correria dos dias, estar perto mesmo quando se está longe. Ouvir, não julgar, acolher, ser abrigo.
A gente se apega muito aos grandes feitos, que os pequenos acabam não causando mais efeito algum.
Você pode chorar pela mensagem não respondida, se martirizar pelo sonho não alcançado, sofrer pelas vezes que não foi reconhecida, mas você também pode olhar com mais atenção as coisas boas que acontecem ao seu redor.
Porque elas sempre acontecem, mas para percebê-las é necessário amolecer um pouco o coração e permitir que tudo de bonito e amável que aconteceu perto de você e com você seja um motivo novo para você continuar confiando, continuar se enchendo de esperança e continuar apostando as fichas nesse sentimento sublime, que pode vir de onde você menos espera, mas que sempre vem.

Comentários

Mais Visitadas

MEU PROFESSOR: MEU SUPER-HERÓI

Morre, aos 92 anos, a escritora Zibia Gasparetto

Dentro da rotina das redes sociais, mulheres dividem as dificuldades e os pontos positivos de expor a maternidade

A Palavra Não