Pular para o conteúdo principal

O HOMEM, UMA ÁRVORE

Carlos Delano Rebouças*

O canal Discovery é mesmo sensacional. Vale a pena ter uma TV por assinatura só pela sua existência na sua grade. Hoje vi como pode, com a sua programação, diga-se de passagem, extraordinária, influenciar-nos nas mais diferentes reflexões. Hoje percebi como a natureza pode nos reservar semelhanças.

Conhecendo a ilha de Córsega, em território francês, pude viajar não somente nas suas belezas naturais, na sua arquitetura, na sua história, e nem tão menos no costume de seu povo, mas sim, em tudo isso e mais um pouco.  Ou seja, realizei uma viagem no meu imaginário, e descobri, quando no episódio foi abordada a sua exuberante flora, com suas magníficas florestas, as quais oferecem um incomparável pano de fundo para seus castelos, igrejas, casas, que como o homem é felizardo ao se comparar com a tudo que a natureza pode oferecer.

Sessenta metros de altura e até 500 anos de vida: estas são características singulares de um pinheiro típico da ilha de Córsega. Como é preservada essa espécie de planta, aliás, todas as outras existentes, mas o pinheiro possui algo de especial! O desejo de todos é que vivam eternamente, mas para tudo isso funcionar como desejam, faz-se necessário muito empenho, dedicação e comprometimento, diante da conscientização que aquela floresta e o planeta terra muito precisam daquela espécie.
Vendo toda a imponência daquelas árvores - altas, fortes e de troncos de extenso diâmetro - senti que involuntariamente passam uma altivez digna de louvor, ao mesmo tempo, que podem permitir, especialmente a nós, humanos, seus impiedosos predadores, uma reflexão perfeita sobre muita coisa que podemos enxergar nelas, para a nossa edificação humana.

Como podemos ser tão parecidos e diferentes ao mesmo tempo, e como somos inferiores nas nossas ações?

Os pinheiros da ilha de Córsega, com seus 60 metros de altura, conseguem a chegar aos 500 anos, devido simplesmente possuir uma base muito bem fortalecida, com rígidas raízes, extensas, que permitem sustentar toda a sua estrutura que cresce com sentido aos céus. Alcança alturas surpreendentes; fincada ao solo que tem como base de sua existência, sob a bênção da mãe natureza, com olhos bem abertos para as atitudes do homem.

O homem, infelizmente nem sempre é assim; quem dera, parecesse um pinheiro. Deseja sempre crescer a qualquer custo e colher frutos nem sempre de uma colheita semeada, mas quase sempre renega suas origens, além de desvalorizar, na maioria das vezes, investimentos necessários para o fortalecimento de sua base, quando a semente é a educação, a ética e a cidadania. 

Quão injusto é o homem consigo mesmo, não é verdade amigos? Recebe a semente, mas não tem sabedoria para plantar, semear e colher seus frutos. E ainda consegue encontrar argumentos para cobrar, exigir e até justificar muita coisa que sequer se esforçou para fazer jus aos seus resultados. Torna-se, o homem, uma grande massa física, que parece ter força e resistência, e vida longa, mas nada disso se confirma, já que está estabelecida numa base fragilizada de conhecimento e de sabedoria, que em nada remete a vislumbrar uma vida longa e de sucesso, muito pelo contrário.

Mas ele, o homem, quer mostrar-se forte. Arma-se de uma serra motorizada, daquelas que só o seu barulho é o suficiente para causar indignação em qualquer pessoa sensata, e manda abaixo aquele imenso pinheiro. Cai aquela estrutura, que outrora parecia imponente, diante da ambição humana, de sua fraqueza e de sua pequenez.

 Como somos injustos com a mão natureza! Assim é como age o homem em tantas partes do mundo, exceto, naquela bela floresta da ilha de Córsega.

De parabéns está a Discovery com a sua programação. De parabéns também está a população francesa, em especial, daquela pacata ilha europeia. Que ensinamentos estão nos dando. Obrigado gigante pinheiro, que carrego no meu sobrenome, que me inspirou a tratar de sua delicadeza e a contribuir para a edificação humana.

*Professor de Língua Portuguesa e redação, conteudista, palestrante e facilitador de cursos e treinamentos, especialista em educação inclusiva e revisor de textos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …