Pular para o conteúdo principal

O HOMEM, UMA ÁRVORE

Carlos Delano Rebouças*

O canal Discovery é mesmo sensacional. Vale a pena ter uma TV por assinatura só pela sua existência na sua grade. Hoje vi como pode, com a sua programação, diga-se de passagem, extraordinária, influenciar-nos nas mais diferentes reflexões. Hoje percebi como a natureza pode nos reservar semelhanças.

Conhecendo a ilha de Córsega, em território francês, pude viajar não somente nas suas belezas naturais, na sua arquitetura, na sua história, e nem tão menos no costume de seu povo, mas sim, em tudo isso e mais um pouco.  Ou seja, realizei uma viagem no meu imaginário, e descobri, quando no episódio foi abordada a sua exuberante flora, com suas magníficas florestas, as quais oferecem um incomparável pano de fundo para seus castelos, igrejas, casas, que como o homem é felizardo ao se comparar com a tudo que a natureza pode oferecer.

Sessenta metros de altura e até 500 anos de vida: estas são características singulares de um pinheiro típico da ilha de Córsega. Como é preservada essa espécie de planta, aliás, todas as outras existentes, mas o pinheiro possui algo de especial! O desejo de todos é que vivam eternamente, mas para tudo isso funcionar como desejam, faz-se necessário muito empenho, dedicação e comprometimento, diante da conscientização que aquela floresta e o planeta terra muito precisam daquela espécie.
Vendo toda a imponência daquelas árvores - altas, fortes e de troncos de extenso diâmetro - senti que involuntariamente passam uma altivez digna de louvor, ao mesmo tempo, que podem permitir, especialmente a nós, humanos, seus impiedosos predadores, uma reflexão perfeita sobre muita coisa que podemos enxergar nelas, para a nossa edificação humana.

Como podemos ser tão parecidos e diferentes ao mesmo tempo, e como somos inferiores nas nossas ações?

Os pinheiros da ilha de Córsega, com seus 60 metros de altura, conseguem a chegar aos 500 anos, devido simplesmente possuir uma base muito bem fortalecida, com rígidas raízes, extensas, que permitem sustentar toda a sua estrutura que cresce com sentido aos céus. Alcança alturas surpreendentes; fincada ao solo que tem como base de sua existência, sob a bênção da mãe natureza, com olhos bem abertos para as atitudes do homem.

O homem, infelizmente nem sempre é assim; quem dera, parecesse um pinheiro. Deseja sempre crescer a qualquer custo e colher frutos nem sempre de uma colheita semeada, mas quase sempre renega suas origens, além de desvalorizar, na maioria das vezes, investimentos necessários para o fortalecimento de sua base, quando a semente é a educação, a ética e a cidadania. 

Quão injusto é o homem consigo mesmo, não é verdade amigos? Recebe a semente, mas não tem sabedoria para plantar, semear e colher seus frutos. E ainda consegue encontrar argumentos para cobrar, exigir e até justificar muita coisa que sequer se esforçou para fazer jus aos seus resultados. Torna-se, o homem, uma grande massa física, que parece ter força e resistência, e vida longa, mas nada disso se confirma, já que está estabelecida numa base fragilizada de conhecimento e de sabedoria, que em nada remete a vislumbrar uma vida longa e de sucesso, muito pelo contrário.

Mas ele, o homem, quer mostrar-se forte. Arma-se de uma serra motorizada, daquelas que só o seu barulho é o suficiente para causar indignação em qualquer pessoa sensata, e manda abaixo aquele imenso pinheiro. Cai aquela estrutura, que outrora parecia imponente, diante da ambição humana, de sua fraqueza e de sua pequenez.

 Como somos injustos com a mão natureza! Assim é como age o homem em tantas partes do mundo, exceto, naquela bela floresta da ilha de Córsega.

De parabéns está a Discovery com a sua programação. De parabéns também está a população francesa, em especial, daquela pacata ilha europeia. Que ensinamentos estão nos dando. Obrigado gigante pinheiro, que carrego no meu sobrenome, que me inspirou a tratar de sua delicadeza e a contribuir para a edificação humana.

*Professor de Língua Portuguesa e redação, conteudista, palestrante e facilitador de cursos e treinamentos, especialista em educação inclusiva e revisor de textos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…