No cordel, na música ou nas histórias ficcionais, Festa Literária da Caixa Cultural celebra a literatura em suas diferentes expressões

Marília Lovatel (foto), Fausto Nilo e Klévisson participam da programação da Flicaixa Tatiana Fortes
Marília Lovatel (foto), Fausto Nilo e Klévisson participam da programação da Flicaixa Tatiana Fortes
Literatura, dizia Fernando Pessoa, "existe porque a vida não basta". Como a extensão da vida, a arte da palavra nos transborda: recria a vida, pulsa em vivências. Para celebrar as múltiplas expressões do pensamento por meio da literatura, a Festa Literária da Caixa (Flicaixa) discute estilos literários, contemporaneidade, arte e cultura em suas diferentes nuances. A partir de hoje, autores e leitores encontram-se na Caixa Cultural Fortaleza para festejar o cordel, a música, literatura local e histórias de vida que saltam dos livros.
"Todo leitor recria a obra que lê, porque a insere no seu próprio tempo. Estreitar laços entre criadores e leitores é uma vivência muito valorosa", considera Aurélio Schommer, curador do evento. Para ele, as festas literárias chamam a atenção para a necessidade de ampliar experiências de leitura."É preciso pensar a literatura para além do objeto-livro: o maior desafio é explorar, a partir dela, a criação pela palavra em outros suportes, seja na música, no teatro ou em tantas outras expressões artísticas", completa.
Percorrendo a poesia popular e seus traços de oralidade, os cordelistas Klévisson Vianna e Eduardo Macedo participam, na quinta, da mesa Cordel Imorredouro. Com mediação da jornalista Regina Ribeiro, da Fundação Demócrito Rocha, eles passeiam pela produção do cordel no Nordeste e pelos desafios para seu reconhecimento enquanto patrimônio. "É acima de tudo um gênero literário, e não apenas um souvenir", pondera Klévisson Viana. Há mais de um século, nossos poetas populares lutam pelo reconhecimento do cordel. É por causa deles que trabalho para que as pessoas se encantem sempre mais com essa arte", finaliza o autor.
Diante da instantaneidade da tecnologia e das imagens, discussões sobre o lugar da literatura na atualidade ganham novo impulso. A discussão será apresentada pela jornalista e escritora cearense Socorro Acioli, junto ao também escritor Cristóvão Tezza, na mesa "Desafio dos livros ao efêmero". "É urgente pensar sobre os novos papéis que a literatura assume em tempos de velocidade, justamente porque ela nos convida a parar e olhar para os outros e para dentro de nós", pondera. Para a escritora, a força da experiência de leitura "é sempre transformadora".
Nos saraus, nas mediações de leitura ou nas conversas ao redor dos livros, a literatura floresce não apenas no papel em branco, mas também nas tantas vivências que proporciona. Para falar sobre a experiência de semear "árvores-palavras" no espaço da cidade, as escritoras Naiana Gomes e Anna K. Lima conversam, amanhã, sobre uma literatura que adentra as salas de aula, ganha vida nas praças e colore os espaços públicos. "É preciso tirar a literatura desse pedestal, dessa ideia ultrapassada de erudito. Somente quando a literatura estiver no meio das pessoas, ela vai poder reafirmar seu poder transformador", pondera Ana. Na ocasião, Maíra Ortiz convida Antônio Torres e Marília Lovatel para participar da mesa Nossas muitas histórias. Encerrando a programação de debates, Verônica Sttiger e Luisa Geisler, autoras que fazem uma literatura de experimentação e vanguarda, falam sobre a verdade em suas diferentes abordagens por meio da literatura, na mesa mediada por Regina Ribeiro.
A festa literária da Caixa, por tradição, também se abre para o universo lúdico com contação de histórias, teatro e debates sobre literatura para crianças. Um dos destaques da FliCaixinha é um bate-papo com o autor Odilon Moraes, que conversa sobre a escrita híbrida dos chamados livros ilustrados infantis, na tarde do sábado. "Nesse tipo de narrativa, a ilustração torna-se parte complementar da própria leitura", explica Odilon. Para ele, este formato, cujas origens remontam ao século XIX, permite desfrutar dois tipos de prazer na leitura: "o de saborear a construção da linguagem e o da narrativa propriamente dita".
Um dos destaques acontece também no sábado, quando as cantoras Paula Tesser e Natasha Faria levam cores e brincadeiras com o espetáculo Doidice que dá. A apresentação faz um passeio por músicas infantis que marcaram diferentes gerações, além de dar versões cheias de imaginação e movimento para canções de compositores cearenses como Fausto Nilo e Chico Anysio.
Flicaixa
Onde: Caixa Cultural Fortaleza. (avenida Pessoa Anta, 287 - Praia de Iracema)
Quando: 4, 5, 6 e 7 de outubro. A partir das 15 horas 
Entrada gratuita
Info: (85) 3453 2770
O Povo

Comentários

Mais Visitadas

Amigos e familiares relembram Patativa do Assaré em especial na TV Verdes Mares

Ednardo deve ser atração no Réveillon de Fortaleza

Campanha "Eu Te Dedico", lançada pelo Verso, incentiva declaração de amor aos livros