Pivô de escândalo no Nobel de Literatura é condenado por estupro na Suécia

SÃO PAULO
Jean-Claude Arnault chega ao tribunal em Estocolmo, na Suécia
Jean-Claude Arnault chega ao tribunal em Estocolmo, na Suécia - Fredrik Sandberg/Reuters
A Justiça da Suécia condenou Jean-Claude Arnault, pivô do escândalo que levou ao cancelamento do Prêmio Nobel de Literatura deste ano, a dois anos de prisão por estupro nesta segunda-feira (1º).
Arnault era julgado por dois casos de estupro, mas foi condenado por apenas um. Ele está no centro de um escândalo de abuso sexual e crimes financeiros, cujas consequências respingaram na Academia Sueca, instituição responsável pelo Nobel de Literatura.
Arnault é uma figura de destaque na cena cultural sueca e marido de Katarina Frostenson, membro da Academia.
Após uma série de denúncias, a entrega do Prêmio Nobel de Literatura foi cancelada em 2018. A cerimônia de 2019 também corre o risco de ser cancelada.
O caso surgiu em novembro, quando o jornal Dagens Nyheter noticiou que pelo menos 18 mulheres acusavam Jean-Claude Arnault, uma importante figura no meio cultural sueco, de assédio e agressão sexual.
O jornal noticiou que Arnault havia sido acusado em diversas instâncias de maus tratos a mulheres, no clube e em imóveis de propriedade da Academia, em Estocolmo e Paris, nos últimos 20 anos.

O jornal informou também que Arnault havia vazado informações sobre o ganhador do Nobel de Literatura sete vezes, desde 1996.

Numa assembleia realizada em abril deste ano, seis membros da instituição votaram a favor da expulsão de  Katarina Frostenson. Contudo, uma maioria de oito integrantes votou contra a proposta —resultado que gerou a crise que agora ocupa todo dia as manchetes dos jornais suecos.
Folha UOL

Comentários

Mais Visitadas

Principal nome da literatura feita para crianças no Ceará, Horácio Dídimo, morto em 2018, pode ser homenageado em Dia Estadual da Literatura Infantil

Alagoano que dirigiu filme que teve cenas gravadas em Penedo toma posse na ABL

Herança do governo golpista

Literatura e cinema ajudaram a tornar Notre-Dame conhecida no mundo