Pular para o conteúdo principal

Celebrando os 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos, a Mostra Cinema e Direitos Humanos tem abertura nesta quinta-feira, 29, no Cinema do Dragão

No próximo dia 10 de dezembro, o mundo comemora as sete décadas da criação da Declaração Universal dos Direitos Humanos, adotada pela ONU em 1948. Desde então, as conquistas em defesa destes direitos têm alcançado diversos setores da sociedade, sendo a arte uma das mais atuantes linhas de frente destes processos.
Os 350 filmes brasileiros inscritos na chamada pública da 12ª Mostra Cinema de Direitos Humanos (MCDH) é uma prova concreta dessa relação. Destes, 40 passaram pela curadoria de Janet Rockenbach e Tatiana Maciel para compor as exibições que acontecem durante novembro e dezembro em todo o País.
Com a temática voltada para os 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos, a mostra chega ao Cinema do Dragão na próxima quinta, 29, com a exibição de filmes a partir das 19h30min. As sessões, todas gratuitas, seguem até 3 de dezembro, quando o evento torna-se itinerante e integra espaços como Centro Cultural do Bom Jardim, Vila das Artes, Rede Cuca, Lar Torres de Melo e escolas públicas da Cidade.
FILME Menina de barro trata sobre bullying Divulgação
FILME Menina de barro trata sobre bullying Divulgação

"São 70 anos, mas não estamos só celebrando, estamos resistindo e educando", destaca a curadora da MCDH Tatiana Maciel. "A mostra vem para desmistificar os Direitos Humanos, conscientizar a população que todo mundo tem seus direitos, que eles foram conquistas e estas conquistas não podem mais ser extinguidas. As pessoas vão entender os Direitos Humanos, direitos que são para todos, da pessoa humana".
A mostra é dividida em quatro categorias: a Panorama, com 25 filmes que abrangem questões dos Direitos Humanos; a Temática, com cinco trabalhos voltados para o tema central da edição; a Mostrinha, direcionada para o público infantil; e a Homenagem, que nesta edição celebra Milton Gonçalves com cinco clássicos do cinema nacional com o ator.
"É muito legal homenagear o Milton esse ano porque ele sempre foi um militante na profissão dele", explica Tatiana. "A representatividade do Milton como homem negro no cinema, na televisão, no teatro, para a gente é super importante". A homenagem é composta pelos clássicos A Rainha Diaba (1974), Lúcio Flávio, O Passageiro da Agonia (1977), Eles Não Usam Black-tie (1981), O Que É Isso, Companheiro? (1997) e Carandiru (2003).
Entre os filmes que a Mostra traz está o documentário cearense A Rua é Noiz, da produtora 202B, composta por Eduardo Cunha Souza e Pedro Cela. O trabalho, de 14 minutos, vai ter a sua estreia na sexta-feira, 30, às 16 horas. Segundo Eduardo, o curta nasceu do convite do Instituto Katiana Pena, do bairro Bom Jardim, que chamou a dupla para filmar o espetáculo cênico de mesmo título. O resultado, ao invés de simples registros, é um filme que aborda a produção da coreografia e o trabalho social do instituto na periferia de Fortaleza.
"Circular no Brasil inteiro de uma forma gratuita é importante pro realizador, pro cinema nacional e pro espectador que dificilmente tem esse acesso a esses filmes", explica a curadora, em um convite para o público participar da mostra. As exibições ainda incluem a acessibilidade como pauta, com algumas sessões com closed caption e audiodescrição. A MCDH é uma iniciativa do Ministério dos Direitos Humanos, com a realização do Instituto Cultura em Movimento.
12ª Mostra Cinema e Direitos Humanos
Quando: de 29 de novembro a 3 de dezembro no Cinema do Dragão; itinerante até 13 de dezembro
Onde: Cinema do Dragão (rua Dragão do Mar, 81 - Praia de Iracema) e outros espaços da Cidade
Gratuito
Informações: www.sdh.gov.br
O Povo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…