Cine Humberto Mauro exibe a mostra 'Era dos Extremos'

Programação reúne 30 obras que retratam diferentes momentos de um dos acontecimentos mais traumáticos da sociedade moderna: a II Guerra Mundial.


O Grande Ditador (1940).

O Grande Ditador (1940). (Divulgação)
Cine Humberto Mauro apresenta a mostra Era dos Extremos, reunindo 30 obras que contextualizam a II Guerra Mundial, considerada o evento mais traumático da sociedade moderna e que influenciou inúmeras produções cinematográficas. A programação é diversa, contando com curtas-metragens, longas considerados clássicos e algumas raridades que abordam, principalmente, a ascensão dos regimes totalitários na Alemanha e Itália.
Segundo Bruno Hilário, curador da mostra e gerente do Cine Humberto Mauro, os filmes selecionados mostram os efeitos dos períodos pré, durante e pós II Guerra na sociedade como um todo. “Alguns dos filmes fazem uma ponte entre o coletivo e o individual de maneira poética por meio do romance, das relações familiares e do cotidiano tomado pela desesperança. Já outros são mais documentais e abordam ideias extremistas que foram difundidas por meio da estética da arte, visando a legitimação das atrocidades cometidas nesse período”, comenta Bruno Hilário.
“Era dos Extremos” reúne na programação filmes clássicos como Casablanca (1942), de Michael Curtiz, O Ovo da Serpente (1973), de Ingmar Bergman, O Grande Ditador (1940), de Charles Chaplin e Roma, Cidade Aberta (1945), de Roberto Rosselini, que foi filmado em locações reais. Também, entre os destaques da mostra está Arquitetura da Destruição (1989), documentário que aborda a estetização da política pelo Partido Nacional Socialista Alemão e como o empenho em criar o Ideal Ariano levou ao extermínio de milhões, provocando a ascensão de Hitler por meio da imagem e da comunicação de massa.
Katyn (2007), outro destaque da mostra, acompanha Anna, que aguarda na companhia da filha o retorno do marido, Andrej. Os soviéticos informam que os poloneses foram assassinados pelos nazistas na floresta de Katyn, mas o diário de Andrej conta uma história diferente. Destaca-se, também, Amacord (1973), filme de Federico Felini sobre o cotidiano de sua própria cidade, Rimini, por meio de diversos personagens e acontecimentos, em meio ao fascismo.
O título da mostra faz referência ao livro homônimo de Eric Hobsbawm, renomado historiador inglês que analisa os eventos, fatos econômicos, sociais e culturais do século XX. Assim como a mostra do Humberto Mauro, a obra amplia o conceito de “extremo”, contrapondo a visão bipolar do mundo apreendida pela sociedade nesse período. “Para além dessa divisão entre Estados Unidos e União Soviética, democracia e fascismo, reside também nos extremos todo o contraste entre a riqueza e a pobreza, o poder econômico e o desenvolvimento social, o progresso e a barbárie”, resume Bruno.
História Permanente do Cinema – O Cine Humberto Mauro dá continuidade às sessões comentadas do programa História Permanente do Cinema. Durante a Mostra Era dos Extremos, será exibido o longa Trás-os-Montes (1976), de António Reis e Margarida Cordeiro, em cópia raríssima e restaurada cedida pela Cinemateca Portuguesa. A sessão será comentada pelo professor de cinema João Dumans. Trás-os-montes será exibido dia 29/10 às 19h30 em edição especial da História Permanente do Cinema.
CINE HUMBERTO MAURO – Mostra Era dos Extremos
Local: Cine Humberto Mauro – Palácio das Artes
Endereço: Av. Afonso Pena, 1.537
Período: 28 de outubro a 21 de novembro
Entrada gratuita – Ingressos distribuídos uma hora antes de cada sessão
Informações para o público: (31) 3236-7400 

Fundação Clóvis Salgado

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

MASP completa 50 anos de histórias

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado