Clamor por solidariedade

Padre Geovane Saraiva*
O caminho da santidade encontra seu fundamento na graça que vem de Deus, decorrente do batismo, o qual introduz a criatura humana no mistério da morte e ressurreição de Jesus, com seu cume na páscoa do Senhor. Esse caminho de santidade é possível no sinal claro, o pacto com Jesus de Nazaré, de com Ele instaurar seu Reino de Amor. Como filhos amados do Pai, a santidade dos que já nos precederam neste mundo associa-se à Igreja, santa e indestrutível — como no exemplo do próprio Filho de Deus, que a amou como esposa e por ela deu-se a si mesmo, querendo que ela seja sempre mais santa e imaculada.

Como é indispensável o constante esforço, à luz do Espírito Santo de Deus, de que sejamos animados por sua palavra, associados aos irmãos que sofrem, mas, com vigor e ânimo, comprometem-se a viver o espírito das eternas bem-aventuranças. Alegra-me o surpreendente exemplo e sinal de esperança a glorificar a Deus por uma Igreja em saída, vendo que as crianças da Infância e Adolescência Missionária da nossa Paróquia de Santo Afonso, ao andarem clamando por solidariedade, propuseram doação de alimentos como gesto concreto em favor dos migrantes e refugiados, os quais continuam chegando à cidade de Fortaleza, coincidindo com a liturgia da Solenidade de Todos os Santos.

Por meio do batismo, as pessoas se aproximam e se configuram com Deus, na santidade, entendida como dom e graça, dentro do projeto de Deus. Ser fiel ao batismo significa abraçar a missão e romper com o comodismo, na busca de novos caminhos, vencendo obstáculos, ultrapassando barreiras na multiplicação dos dons recebidos de Deus. Significa também acolher o convite feito pelo próprio Deus: o de dar continuidade à sua missão, obediente à sua indeclinável voz ­— mistério divino — a se manifestar no seu infinito amor. Esse mistério divino, à luz da esperança cristã, não é sinônimo de ilusão, mas revela a justiça de Deus, que é vida para todos, não só na glória com vinda sua definitiva.

Convém, portanto, guardar a iniciativa da Auristela Leita, ao estimular o edificante gesto acima, das crianças da Infância e Adolescência Missionária da Paróquia da Parquelândia, Fortaleza-CE, não deixando dúvida da nossa missão à santidade, que no dizer Dom Helder é: “Sair de si, quebrar a crosta do egoísmo que nos fecha no nosso eu”. Assim seja!

*Escritor, blogueiro, colunista, vice-presidente da Previdência Sacerdotal e Pároco de Santo Afonso, Parquelândia, Fortaleza-CE -geovanesaraiva@gmail.com

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

MASP completa 50 anos de histórias

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado