Coletivo defende população negra em portal inédito; conheça o Ceará Criolo

O portal vem para desconstruir. Desmistificar. Ressignificar. Propor um novo jeito de tratar a população negra.
cearacrioloA ideia de criar um portal sobre a negritude surgiu durante o curso “Comunicação e Igualdade Racial Abdias Nascimento”. Foto: Divulgação
Três publicitárias e dois jornalistas uniram talentos, experiências, inquietudes e sonhos. Nasceu de tudo isso um portal de comunicação com uma proposta inovadora. O Ceará Criolo (www.cearacriolo.com.br) vem para desconstruir. Desmistificar. Ressignificar. Propor um novo jeito de tratar a população negra.
O coletivo defende uma comunicação socialmente inclusiva, afetivamente sustentável e moralmente viável. “Isso quer dizer que a gente não se enxerga no modelo que está aí de jornalismo, de publicidade, de cinema, de arte… O povo preto tem uma cultura riquíssima, é fundamental na formação da sociedade brasileira, é maioria populacional e ainda assim é quase sempre retratado de forma estigmatizada. A gente quer ir na contramão da crise moral e de representatividade que a humanidade atravessa”, diz o jornalista Bruno de Castro.

Como surgiu?

A ideia de criar um portal sobre a negritude surgiu durante o curso “Comunicação e Igualdade Racial Abdias Nascimento”, promovido pelo Sindicato dos Jornalistas do Estado do Ceará (Sindjorce) entre agosto e outubro deste ano. Os comunicadores lançaram oficialmente o espaço no último dia 23/10 e já estão expandindo a proposta inicial.
A princípio, o Ceará Criolo seria composto por cinco seções principais: Afrossaberes, Artigos&Crônicas, História Negra, Perfil e Leitura Crítica. Cada uma com uma vertente específica de promoção de uma agenda positiva sobre a população negra cearense e brasileira.
Diante da excelente repercussão inicial dos trabalhos, porém, o coletivo decidiu abrir pelo menos mais três frentes de publicação na tentativa de abraçar outras formas de produção de conteúdo sobre a população negra.
Assim, o Ceará Criolo terá espaço para reportagens especiais, notícias e fotografias. “Eu espero que o portal sirva para desmistificar esse mito de que no Ceará não tem preto. Que seja um local de encontro dos negros cearenses e do que eles andam produzindo”, frisa a publicitária Tatiana Lima.
Em apenas uma semana de existência, o coletivo já coleciona centenas de seguidores nas redes sociais e tem visto os textos que produz replicados por gente das mais diversas matizes políticas. Inclusive por personalidades internacionais, como o escritor luso-africano Valter Hugo Mãe.
“O Ceará Criolo vem como uma voz que há muito foi silenciada. E este silêncio nós fazemos questão de quebrar. Nossa história não será mais escondida; não será mais pejorizada. Estamos colocando a comunicação a serviço da descolonização do pensamento, do enegrecimento do ser. Chegamos e viemos para ficar”, defende a publicitária e mestra em Psicologia Jéssica Carneiro.

Ação afirmativa

cearacriolo-jessica-bruno-tatianaOs comunicadores acreditam que o portal é uma ação afirmativa. Foto: Divulgação
Os comunicadores acreditam que o atual momento político do Brasil exige a existência de espaços de resistência como o Ceará Criolo para direitos civis conquistados depois de muita luta não sejam extintos. “Mais do que uma necessidade, o portal é um grito de vitória; uma ação afirmativa. Somos jornalistas e publicitários decididos a fazer a diferença, a combater o racismo e ir além: mostrar a história escondida, embranquecida, dar voz a personagens invisibilizados. Vamos contar a história de quem está fazendo a diferença nas mais diferentes searas da vida”, acrescenta o jornalista Rafael Ayala.
A ideia do coletivo é a de o portal ser um espaço de construção coletiva. Por isso, colaboradores fixos e temporais já estão sendo captados. “Espero que o portal sirva tanto como de informação honesta e construtiva sobre a negritude quanto para fazer, de fato, uma renovação de narrativas. E é fundamental que a população negra reconheça o seu lugar de fala para que se empodere dos seus processos de significação social. O Ceará Criolo deve ser esse espaço. Localizado regionalmente, afirmado etnicamente, acessível globalmente”, finaliza a publicitária Rayana Vasconcelos.
Curta nossa página no Facebook e siga-nos no Instagram.
Boa Notícia

Comentários

Mais Visitadas

Físico brasileiro recebe Prêmio Templeton de 2019

Câmara homenageia mulheres que se destacaram na luta por direitos

Inep cria comissão para decidir itens que farão parte do Enem 2019

José, servo bom e fiel

Primeira edição da Semana de Arte Unifor abraça diversidade de linguagens e expressões