Pular para o conteúdo principal

Ex-crítica de literatura do NYT lança livro sobre notícias falsas na era Trump

Ex-crítica de literatura do NYT lança livro sobre notícias falsas na era Trump
Presidente dos EUA, Donald Trump (Foto: Boris Baldinger/Fòrum Econômico Mundial)
“Kakutanizado.” Durante anos, esse era o termo usado por editores e escritores para descrever alguém que havia recebido uma resenha negativa de Michiko Kakutani.
No meio do ano passado, a jornalista passou para o outro lado ­o dos criticados, como conta a reportagem da revista Vulture. “A morte da verdade: notas sobre a mentira na era Trump” chegou ao Brasil em setembro, menos de um mês após o lançamento nos Estados Unidos.
Kakutani, principal crítica de literatura do New York Times por quase quatro décadas, recebeu um prêmio Pulitzer pelo seu trabalho em 1998. Ela é reconhecida por ter ajudado a impulsionar a carreira de escritores como David Foster Wallace, George Saunders e Ian McEwan.
“Trump está tornando a linguagem inútil”, afirma a autora sobre as declarações muitas vezes obscuras ou contraditórias do atual presidente americano.
O atual presidente dos Estados Unidos usa o ambiente de caos e anarquia para se promover, segundo a jornalista. “Isso faz parte de um processo de tornar as pessoas cínicas ao ponto em que elas não se importam, como aconteceu com o episódio da Rússia”, diz ela sobre a polêmica envolvendo esforços russos para influenciar as eleições presidenciais dos EUA de 2016.
“A propaganda que Putin propaga na Rússia é muito similar àquilo que o Trump faz”, afirma. O efeito psicológico das duas práticas é desgastar as pessoas, de acordo com Kakutani. “É isso que não podemos deixar acontecer.”
Conhecida por nunca usar a primeira pessoa em seus textos, Kakutani recentemente quebrou sua própria regra em um artigo de opinião publicado no mesmo New York Times onde trabalhou por 38 anos.
Em meio às notícias sobre a política do governo Trump de separar crianças e pais que entraram ilegalmente no país, a jornalista contou que sua mãe e uma tia fizeram parte dos mais de 120 mil americanos de origem japonesa que foram internados à força em campos de concentração após o ataque a Pearl Harbor, em 1941. “Tenho dificuldade de escrever na primeira pessoa, mas me senti motivada pelas pobres crianças na fronteira”, disse.
Ficha técnica
A MORTE DA VERDADE ­ NOTAS SOBRE A MENTIRA NA ERA TRUMP
Autora: Michiko Kakutani
Editora: Intrínseca
Tradução: André Czarnobai e Marcela Duarte
Preço: R$ 39,90 (272 págs.)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

POPE FRANCIS GENERAL AUDIENCE 2016.06.08

Campus Party 2018 vendeu 30% a mais de ingressos que edição anterior

A feira de tecnologia Campus Party Brasília 2018 foi encerrada hoje (1°), após ter reunido milhares de pessoas em torno de palestras, oficinas e atividades com temas como o uso da tecnologia da computação, robótica, empreendedorismo e startups. Essa é a segunda edição do evento em Brasília, que começou no dia 27 de junho, no Estádio Nacional Mané Garrincha. Antes prevista para acontecer de 30 de maio a 3 de junho, a feira foi adiada para esta semana por causa da greve dos caminhoneiros. De acordo com o diretor da Campus Party Brasil, Tônico Novaes, o evento contabilizou um volume de vendas de ingressos pelo menos 30% maior que a primeira edição da Campus Party em Brasília, realizada no ano passado.  Para Tônico Novaes, a edição no Distrito Federal se destacou pela elevada participação e envolvimento dos que estão no evento.  “Os campuseiros daqui são realmente engajados no conteúdo. Andando por aqui você vai ver todos os workshops e bancadas cheias e a estrutura está bem maior que a …