Pular para o conteúdo principal

Exposições, workshops, palestras, rodas de conversa marcam o Festival Verbo Ver, que levanta a questão: por que fotografar?

Transformando os modos de ver e de experienciar as imagens e o mundo, o poder da fotografia está não apenas na força da imagem, mas também no olhar de quem a traduz. Desta vez, esse olhar protagoniza o Festival Verbo Ver, que reflete sobre os processos narrativos da fotografia contemporânea - unindo pedaços de vida a diferentes tempos do mundo. Com exposições, leitura de portfólios, workshops, palestras e rodas de conversas, o evento é, entre os dias 14 e 18 de novembro, um convite para uma jornada criativa sobre os modos de ver.
"Quem Somos Nós" é um ensaio realizado pelo fotógrafo Celso Oliveira desde 1991, iniciado no Cariri cearense e desenvolvido entre o Norte e Nordeste do Brasil. Celso Oliveira

Realizado até 2017, o evento Encontros de Agosto debateu a produção contemporânea da fotografia e proporcionou trocas de autores cearenses e suas imagens em outras mostras no Brasil e no exterior. Após sete anos, o evento aparece renovado e com novo nome - Verbo Ver Festival de Fotografia. "Verbo Ver é a continuidade de um programa que já buscava difundir a formação em fotografia no Nordeste, especialmente no Ceará. Nessa nova proposta, queremos ser este espaço de circulação de trabalhos entre os fotógrafos locais", explica Patrícia Veloso, diretora do festival.
Na primeira edição de sua nova fase, o festival questiona: "Por que fotografar?". A discussão, de acordo com Patrícia, reflete um momento em que a fotografia ganha novos formatos e usos por meio das câmeras portáteis e dos smathphones. "De certo modo, todos somos fotógrafos, e nosso propósito é justamente pensar sobre de onde vem essa urgência por registrar o que nos circunda". Passeando por dimensões teóricas e práticas, a palestra Por que fotografar acontece na sexta, 16, no Museu da Fotografia. Participam Ronaldo Entler e Silas de Paula, com mediação de Osmar Gonçalves.
Com 40 anos de trajetória, o fotógrafo cearense Celso Oliveira, tem sua obra homenageada no festival. Alguns de seus trabalhos farão parte de uma exposição que marca a abertura oficial do evento, na quinta, 15, na Imagem Brasil Galeria. "O Celso é um dos maiores fotógrafos que o Ceará tem. Ele faz um trabalho incrível, tem um olhar muito amplo e inquieto, é alguém que vê com o coração o que é impossível traduzir em palavras", conta Silas de Paula, curador e conselheiro do evento desde 2011.
"Me sinto muito prestigiado e feliz com a homenagem, mas também adoro dizer que continuo querendo aprender sobre o que faço", pontua Celso Oliveira. Percorrendo diversos momentos da trajetória do fotógrafo, a exposição contempla trabalhos como Quem somos nós - expedição fotográfica iniciada no Cariri e desenvolvida entre o Norte e Nordeste do Brasil, em parceria com Tiago Santana. Fronteiras, Brasil bom de bola, dentre outras experimentações e ensaios documentais de Celso, também estarão presentes na mostra.
Parte da programação do evento inclui leituras de portfólios, que selecionarão até 25 fotógrafos de todo o País. As leituras serão feitas por convidados brasileiros e estrangeiros por meio de uma plataforma criada com o objetivo de ampliar a visibilidade da fotografia produzida no Nordeste. "Não temos uma rede de ensino e produção de conhecimento em fotografia tão satisfatória no Brasil, e os festivais acabam sendo um ponto de referência para essas trocas", contextualiza Patrícia. "Temos um papel a cumprir, e um projeto de formação e circulação permite mostrar que a fotografia daqui é potente também", finaliza. Nesta edição, o festival também recebe nomes como Eduardo Queiroga, fotógrafo pernambucano, e Gilma Suárez, da Colômbia.
Serviço
Verbo Ver Festival de Fotografia
Quando: 14 a 18 de novembro
Onde: Imagem Brasil Galeria (rua Rocha Lima, 1707 - Centro)
Gratuito
Informações: (85) 3261 0525
O Povo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…