Grupo une teatro, artes e literatura para mostrar engrenagens cênicas

Grupo une teatro, artes e literatura para mostrar engrenagens cênicas
Uma voz computadorizada, como aquela do sistema de traduções do Google, dá as coordenadas: "Você chegou à área de serviço. À área de vir a ser. Vire-se".

Pode soar um tanto artificial, ainda que poético, mas é exatamente a mistura que acontece em "Máquinas do Mundo", novo trabalho da Mundana Companhia.
Não se trata apenas de teatro, mas de uma mescla dele com literatura e artes plásticas. A ideia é pôr à mostra todas as engrenagens das artes cênicas, de atores à iluminação, da música à dramaturgia.
"Queríamos criar um trabalho em que as nossas áreas [mais técnicas] tivessem autonomia", afirma a cenógrafa Laura Vinci, que teve a ideia inicial para o projeto.
Trata-se de uma espécie de instalação, montada no espaço expositivo do Sesc Pinheiros. Durante o dia, fica aberta para visitas do público.
Já nas noites de quinta a sábado, recebe sessões de um espetáculo, no qual dois atores (Luah Guimarãez e Roberto Áudio) e um bailarino (Wellington Duarte) dialogam com a cenografia, a iluminação e a dramaturgia, que parte de três obras da literatura nacional:
"A Máquina do Mundo", de Carlos Drummond de Andrade; um trecho de "Memórias Póstumas de Brás Cubas", de Machado de Assis; e um capítulo de "A Paixão Segundo G.H.", de Clarice Lispector.
"São três textos que trazem uma visão de mundo totalizante, que atravessa os tempos", diz Vinci sobre a escolha.
Os trechos surgem em em áudio gravados pelos atores e pelo compositor e professor de literatura José Miguel Wisnik, que auxiliou na concepção de "Máquinas do Mundo".
Acompanhado dos áudios, os intérpretes circulam pela instalação, criando novas formas e movimentos. Áudio, por exemplo, demora-se em construir uma estrutura contínua no chão do espaço, utilizando pedras retangulares, processo que lembra a construção sistemática de Lispector na escrita dos capítulos de "A Paixão Segundo G.H."
Luah se alterna em momentos contemplativos, enquanto Duarte contorce-se ao longo do espaço, em movimentos ora curtos, ora explosivos.
Mas a proposta é que a instalação possa receber interferências dos atores, mesmo fora dos horários das sessões. "No fim, tudo é uma coisa só, tudo faz parte da mesma engrenagem", afirma a iluminadora Alessandra Domingues.
A fluidez também está na direção do trabalho, que não é centralizada, mas diluída entre os integrantes do grupo. "Esse papel de diretor circula entre a gente, e não determinado quando um ou outro assume", continua Domingues.
Além da instalação e do espetáculo, haverá ateliês e um encontro sobre literatura com Wisnik, no dia 1º de dezembro.
Em janeiro, o projeto estreia uma segunda parte, "MedeaMaterial". Idealizado pelo ator Aury Porto, será um espetáculo que utilizará o mesmo espaço e terá participação do diretor Márcio Aurélio.
MÁQUINAS DO MUNDO
ONDE : Sesc Pinheiros - espaço expositivo (2º andar).
ESPETÁCULO: qui. a sáb., às 20h30; até 8/12; R$ 7,50 a R$ 25; 16 anos.
INSTALAÇÃO: ter. e qua., das 10h30 às 21h30, e qui. a dom., das 10h30 às 18h; até 9/12; grátis; livre.
Com informações da Folhapress.

Comentários

Mais Visitadas

Principal nome da literatura feita para crianças no Ceará, Horácio Dídimo, morto em 2018, pode ser homenageado em Dia Estadual da Literatura Infantil

Literatura e cinema ajudaram a tornar Notre-Dame conhecida no mundo

Alagoano que dirigiu filme que teve cenas gravadas em Penedo toma posse na ABL

Herança do governo golpista