Pular para o conteúdo principal

III Festa literária da Associação Cearense de Escritores começa hoje celebrando a importância da escrita

Entre o livro e o mundo. Esse é o conceito que define a terceira Festa Literária da Associação Cearense de Escritores (FliAce), que traz a diversidade de fala do índio, do negro, da mulher, do nordestino, como ponto chave para destacar a literatura cearense. Celebrando a importância da escrita, o evento reúne escritores e artistas cearenses, na Galeria Benficart do Shopping Benfica, de hoje até sexta-feira, 30.
Silas Falcão, curador e idealizador da FliAce, explica que a ideia surgiu com a necessidade de ampliar o alcance e a visibilidade da literatura cearense. "No começo, a Associação Cearense de Escritores (Ace) tinha apenas reuniões para os membros. Criar algo maior, como uma festa, foi uma consequência natural do trabalho que é desenvolvido na Ace", afirma.
Em seu terceiro ano, a programação está mais ampla. Se na primeira edição a FliAce teve 19 atrações, agora conta com 66 participantes, divididos em rodas de conversa, oficinas, lançamentos de livros e apresentações musicais. Mateus Lins ministra, hoje e quarta, das 15h às 17 horas, uma oficina de escrita criativa. O escritor explica que a ideia principal é fazer com que os participantes explorem mais os elementos que serão usados nas narrativas, mostrando técnicas de produção para agradar a área mercadológica e conquistar o público.
O escritor Mailson Furtado Viana, cearense que ganhou o Prêmio Jabuti nas categorias Livro do Ano e Melhor Poesia com o livro à cidade, apresenta ao público, dia 29 de novembro, às 20 horas, seu novo livro Passeio pelas ruas de mim [e de outros]. "É um trabalho distinto de tudo que já foi composto por mim. A partir de um compilado de várias influências, o livro traz as experiências que tive com arte visual, micro roteiros, poema-crônica", afirma Mailson em entrevista ao O POVO por telefone.
Natural de Varjota, Mailson que lançou todos os seus livros de forma independente, destaca a importância de um projeto como a FliAce. "É uma forma de aumentar o espaço de discussão e de difusão da literatura do nosso Estado", pondera. O escritor também participa do lançamento do livro Cinco inscrições da mortalidade, em parceria com outros quatro cearenses (Alan Mendonça, Bruno Paulino, Dércio Braúna, Renato Pessoa), no dia 30, às 20 horas.
Cinco inscrições da mortalidade é uma antologia produzida por cinco poetas que representam a Geração 2000, época em que iniciaram suas publicações. A ideia é mostrar o grande potencial da poesia contemporânea cearense. Para Renato Pessoa, um dos autores do livro, a obra é uma "espécie" de cartografia das produções feitas no Estado. "Com uma pluralidade de vozes, as poesias são sobre a vida, a política, a religiosidade. Isso nos oferece um espaço que é fundamental para abrir um diálogo sobre a geração emergente de escritores locais", aponta.
Programação de abertura
Dia 26 - Segunda-Feira Natércia Campos
11h - Encontro com a literatura popular (com Marcelo Leal)
15h - Oficina de escrita criativa Trabalhando a Ideia/ O personagem, com Mateus Lins
18h30min - Leitura em diálogo, com Sarah Diva, Liziane Forte e Milleide Flores
19h20min - Lançamento do livro Recôndito das pérolas, de Célia Oliveira
20h - Palestra Breve histórico da literatura cearense, com Sânzio de Azevedo
- Entrega do Diploma de Patrono da II FliAce 2017 ao poeta Geraldo Amâncio
21h - Procura da poesia, de Carlos Drummond de Andrade, com Aldanisio
21h15min - Palco aberto Policarpo Quaresma
21h30min - Encerramento
Confira programação completa em goo.gl/E8wur3
Serviço
Festa Literária da Associação Cearense de Escritores
Quando: de 26 a 30 de novembro, das 10h às 22 horas
Onde: Galeria Benficart (Shopping Benfica, av. Carapinima, 2200 - Benfica)
Gratuito
O Povo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…