Morre Bernardo Bertolucci, o último grande mestre do cinema italiano

EFERoma26 nov 2018
O cineasta Bernardo Bertolucci, um dos nomes mais relevantes da cinematografia italiana da segunda metade do século 20, com obras como "Último Tango em Paris", "1900" e "O Último Imperador", morreu em Roma aos 77 anos, informou nesta segunda-feira a imprensa italiana.
Poeta, produtor, roteirista e diretor, Bertolucci era considerado o último "grande mestre" do cinema italiano, responsável por obras-primas como "O Último Imperador", filme ganhador de nove Oscars em 1988, entre eles os de melhor filme, diretor e roteiro.
Nascido em Parma, no norte da Itália, em 16 de março de 1941, sua chegada ao mundo da cultura e da sétima arte não foi casual, já que ele pertencia a uma família de reconhecidos escritores e cineastas italianos.
Suas obras nunca deixaram público e crítica indiferentes, algumas suscitaram enormes polêmicas como "Último Tango em Paris" (1972), que narra a conflituosa história de amor protagonizada por Maria Schneider e Marlon Brando e foi censurada em diversos países.
Entre os vários prêmios que recebeu, Bertolucci foi agraciado com o Leão de Ouro à carreira no Festival de Veneza em 2007 e com a Palma de Ouro honorária no Festival de Cannes em 2011, além dos Oscars de Melhor Diretor e Roteiro (dividido com Mark Peploe) em 1988 com "O Último Imperador".
Bertolucci entrou para o mundo do cinema com 20 anos, pelas mãos de Pier Paolo Pasolini, de quem foi assistente durante as gravações de "Accattone - Desajuste Social" (1961).
Sua primeira produção cinematográfica foi "A Morte" (1962), o ponto de partida a uma carreira brilhante como cineasta, que o colocou entre os mais importantes da história italiana, sempre em busca do intimismo e de uma análise contínua da juventude.
Após esse filme, Bertolucci dirigiu "Antes da Revolução" (1964) e "O Conformista" (1970), obras com as quais se consagrou como um diretor que trabalhava na introspecção de seus personagens.
A carreira internacional de Bertolucci chegou com "Último Tango em Paris", que recebeu duas indicações ao Oscar - melhor diretor e melhor ator (Marlon Brando) - em 1973 e, naquele mesmo ano, também recebeu outras duas indicações ao prêmio Globo de Ouro, a melhor filme e melhor diretor.
O cineasta não conseguiu nenhum desses prêmios, mas as indicações o situaram no primeiro escalão do cinema internacional.
Bertolucci continuou seu sucesso internacional com "1900" (1974-1976), um filme dividido em dois atos, que retrata a vida camponesa da Itália da Grande Guerra e do fascismo.
Em 1987, o italiano lançou o longa metragem que lhe trouxe maior reconhecimento, "O Último Imperador", que acabou recebendo quatro Globos de Ouro e nove Oscars, e que resgata a figura de Puyi, o imperador da China derrubado pela revolução de 1911.
Seis anos depois, em 1993, estreou outro grande sucesso, "O Pequeno Buda", a história de uma criança americana que monges budistas acreditavam ser a reencarnação de um de seus lamas.
Em 2003, Bertolucci dirigiu "Os Sonhadores", depois do qual sofreu um grave problema nas costas que o obrigou a ficar em cadeira de rodas.
Seu último filme é de 2012, "Eu e Você", no qual voltou a tratar o tema dos jovens.

Comentários

Mais Visitadas

Além das aparências

O STF é uma vergonha

Aluno cearense que criou app para conservação de açude recebe Prêmio Jovem Cientista

Compositor e executivo estreia na literatura com narrativas improváveis

Cearense ganha prêmio de fotografia da Aliança Francesa e vai para Paris com tudo pago