Museu Anne Frank é adaptado à 'nova geração'

O museu permaneceu aberto durante os dois anos da reforma, o que foi "um desafio imenso", de acordo com a sua diretora-administrativa, Garance Reus-Deelder.
Retrato de Anne Frank.
Retrato de Anne Frank. (AFP/Arquivos)

O museu Anne Frank, dedicado à adolescente judia que foi deportada com a sua família aos campos de concentração durante a Segunda Guerra Mundial, foi reformulado para se adaptar à "nova geração" que visita a casa em Amsterdã onde a jovem se escondeu dos nazistas.
Depois de dois anos de trabalho, o museu, localizado em Amsterdã, apresentou sua nova imagem para responder às demandas do público jovem, cujos conhecimentos da guerra de 1939-1945 diminuem com o passar do tempo.
O rei de Holanda, Willem-Alexander, foi o convidado de honra nesta quinta-feira na inauguração da nova imagem do museu, construído em torno da casa à beira do canal onde a família Frank viveu de 1942 a 1944.
"A cada ano, 1,2 milhão de pessoas visitam a Casa de Anne Frank e a metade tem menos de 30 anos. Temos um público muito jovem", declarou à AFP o diretor-geral do museu, Ronald Leopold.
"O interesse pela guerra e pela história de Anne Frank é mais crescente que decrescente, mas os conhecimentos sobre o tema diminuem. Temos que facilitar mais o contexto e os antecedentes da história de Anne", acrescentou.
O museu oferece a oportunidade de visitar os cômodos estreitos, acessíveis por uma porta escondida atrás de uma falsa biblioteca, onde a adolescente vivia com seu pai Otto, sua mãe Edith, sua irmã Margot e outras quatro pessoas.
Finalmente presa pela Gestapo, Anne Frank, com 15 anos, morreu de tifo no começo de 1945, menos de um ano depois da sua detenção e pouco antes do final da guerra no campo de concentração de Bergen Belsen, dias depois da morte de sua irmã de 19 anos. Seu pai Otto foi o único sobrevivente da família. Sua mãe morreu em Auschwitz.
O museu permaneceu aberto durante os dois anos da reforma, o que foi "um desafio imenso", de acordo com a sua diretora-administrativa, Garance Reus-Deelder.
Entre as novidades, está o áudio-guia que informa um contexto histórico mais amplo, uma nova entrada "para pôr fim às longas filas de espera", segundo relata Reus-Deelder, e uma exposição sobre a lenta progressão do sentimento de ódio em relação aos judeus a partir de 1933, ano em que a família Frank decide fugir da Alemanha e ir para Amsterdã.
"Queremos animar a nova geração a visitar a Casa de Anne Frank", afirma Reus Deelder.

AFP

Comentários

Mais Visitadas

Principal nome da literatura feita para crianças no Ceará, Horácio Dídimo, morto em 2018, pode ser homenageado em Dia Estadual da Literatura Infantil

Literatura e cinema ajudaram a tornar Notre-Dame conhecida no mundo

Alagoano que dirigiu filme que teve cenas gravadas em Penedo toma posse na ABL

Herança do governo golpista