Pular para o conteúdo principal

Museu Nacional de Brasília reúne 300 obras que misturam xilogravura e literatura de Cordel

Por G1 DF

O Museu Nacional da República, em Brasília, inaugura nesta terça-feira (27) uma mostra de xilografia e literatura de Cordel que narra o imaginário do nordeste brasileiro. A exposição, que vai até fevereiro e tem entrada gratuita, reúne 300 obras.
De acordo com os organizadores, o público poderá ver peças de acervos pessoais e de museus assinadas por gravadores, poetas e cordelistas como Ariano Suassuna, Dila, Jota Borges, Samico, Mestre Noza e Palito. As obras estão reunidas por temas:
  • Costumes populares
  • Cenas religiosas: milagres e crenças
  • Bichos fantásticos: dragões, leão alado, pavão misterioso
  • Romances e aventuras do cangaço
 
Reprodução de xilogravura de Costa Leite — Foto: Divulgação /'A xilografia Popular'
Reprodução de xilogravura de Costa Leite — Foto: Divulgação /'A xilografia Popular'

Segundo os curadores Edna Pontes e Fábio Magalhães, o trabalho reconta parte da trajetória da arte popular que despertou o interesse de intelectuais e artistas modernos. "A técnica de ilustração chegou ao Brasil no século 19 e foi usada na literatura de Cordel até a metade do século 20, quando começou a ser substituída por fotos e pela zincogravura", explica Magalhães.
"Os gravadores começaram a receber encomendas para produzir uma xilogravura independente do Cordel e passaram a fazer as ilustrações em um tamanho muito maior que o tradicional 15x7.”
Trechos das histórias de Cordel também serão apresentados ao público, assim como as narrativas dos cantadores e dos repentistas. "Incluímos, também, obras de artistas plásticos que, muito embora não façam parte da denominada arte popular, produziram xilogravuras com linguagens de 'parentesco' com o Cordel", acrescenta o curador.
 
Reprodução de xilografia de J. Borges — Foto: Divulgação /'A xilografia Popular'
Reprodução de xilografia de J. Borges — Foto: Divulgação /'A xilografia Popular'

Serviço

A Xilogravura Popular: Xilógrafos e Poetas de Cordel
Data: 27 de novembro de 2018 a 10 de fevereiro de 2019
Hora: 9h às 18h30 (terça a domingo)
Local: Museu Nacional da República – Setor Cultural Sul, Lt. 2
Entrada gratuita
Classificação indicativa: livre
Informações: 3325-5220

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

POPE FRANCIS GENERAL AUDIENCE 2016.06.08

Campus Party 2018 vendeu 30% a mais de ingressos que edição anterior

A feira de tecnologia Campus Party Brasília 2018 foi encerrada hoje (1°), após ter reunido milhares de pessoas em torno de palestras, oficinas e atividades com temas como o uso da tecnologia da computação, robótica, empreendedorismo e startups. Essa é a segunda edição do evento em Brasília, que começou no dia 27 de junho, no Estádio Nacional Mané Garrincha. Antes prevista para acontecer de 30 de maio a 3 de junho, a feira foi adiada para esta semana por causa da greve dos caminhoneiros. De acordo com o diretor da Campus Party Brasil, Tônico Novaes, o evento contabilizou um volume de vendas de ingressos pelo menos 30% maior que a primeira edição da Campus Party em Brasília, realizada no ano passado.  Para Tônico Novaes, a edição no Distrito Federal se destacou pela elevada participação e envolvimento dos que estão no evento.  “Os campuseiros daqui são realmente engajados no conteúdo. Andando por aqui você vai ver todos os workshops e bancadas cheias e a estrutura está bem maior que a …