O mundo reconciliado em Cristo

Padre Geovane Saraiva*
No esforço de superar tudo o que ficou para trás, na seriedade do projeto de Deus, como é indispensável ao homem a graça sincera da conversão! A criatura humana, quanto mais se envolve e experimenta a graça do Deus que se fez homem e que assumiu a sua condição, mais ele se depara, no seu estado frágil e pecador, com o mistério do amor de Deus, que quer o homem livre, que, no excelso mistério, é chamado a construir comunhão com os irmãos.

Imagem relacionadaO amor de Deus por nós é de tal modo envolvente que enche todo o nosso ser, indicando-nos, tal amor, o caminho da vida futura e definitiva, tendo por sua base, ou fundamento, o referido amor como mandamento maior. Amor esse incontestável, que, na morte e ressurreição de Jesus, assegura-nos o céu, que, sem sombra de dúvida, torna-se explícito e óbvio na ótica da fé — no Corpo do Senhor, a Igreja. Nela se encontram os membros reunidos, com Cristo, junto de Deus, como na expressão de Santo Agostinho: "Depois desta vida, o próprio Deus é o nosso lugar, é o nosso existir".

Assim sendo, o homem participa da magnífica e misteriosa realidade celestial, à medida que participa da vida de Cristo, que na sua morte e ressurreição, aos olhos da fé, o vemos confundindo-se com Deus, e Deus mesmo envolve a criatura humana no inquestionável mistério. Pela obediência de Jesus, ao morrer na cruz, dá-se o acabamento da vontade de Deus em toda a sua plenitude, entendida no homem Jesus, que se encontra com Deus.

Constata-se, a partir dessa afirmação, um céu inequívoco, quando fé e amor se entrelaçam, andam juntos. Não é uma realidade distante e dissociada, só repositório da morte. É algo perto, sim, mas que, pela vivência do batismo, inicia-se aqui neste mundo, à medida que o ser humano se configura com Jesus de Nazaré e com Ele entra na sua lógica, resoluto e seguro da promessa de novas criaturas.

Entendendo-se aqui a Igreja — Corpo de Cristo — no mistério de sua magnitude cristológica, mas sem esquecer de sua grandeza eclesiológica, que, ao se tratar da pessoa humana, também é socialmente vasta, muito viva na linguagem simbólica do banquete nupcial, concreta, quando a comunidade dos batizados participa e se alimenta na mesma mesa, na ceia eucarística, prenúncio e antecipação de novo céu e nova terra, na realização da salvação de todos em Deus. Amém!

*Pároco de Santo Afonso e vice-presidente da Previdência Sacerdotal, integra a Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza - geovanesaraiva@gmail.com

Comentários

Mais Visitadas

Alagoano que dirigiu filme que teve cenas gravadas em Penedo toma posse na ABL

Literatura e cinema ajudaram a tornar Notre-Dame conhecida no mundo

Principal nome da literatura feita para crianças no Ceará, Horácio Dídimo, morto em 2018, pode ser homenageado em Dia Estadual da Literatura Infantil

Herança do governo golpista

Catedral de Notre-Dame, em Paris, sofre incêndio na tarde desta segunda-feira