Pular para o conteúdo principal

O que tem me escravizado hoje?

E será que eu me dou conta disso?

O Catecismo fala sobre o pecado e sobre a salvação de Cristo. Se bem entramos na Vida de Cristo pelo Batismo, ou seja, começamos uma vida totalmente nova, na qual o pecado original é limpo, também é verdade que continuamos experimentando a concupiscência, uma certa tendência ao mal, que, como nos diz o Catecismo, permanece para o combate. Que combate? O espiritual. Por meio dele, podemos escolher livremente afastar-nos do mal e caminhar em direção a Deus, sempre ajudados pela sua Graça, sem a qual não poderíamos fazer nada.
Mas muitas vezes não nos damos conta disso. Esquecemos muito facilmente que essa tendência em nós é real e que, se não trabalhamos por governá-la, certamente ela nos levará por caminhos distantes do Senhor. A Igreja, mestre em humanidade, conhece esse coração frágil do homem e está sempre ao seu lado para acompanhá-lo nesse caminho, seja ensinando, seja perdoando, seja alentando a que retomemos a luta. Quando a Igreja fala, por exemplo, dos sete pecados capitais ou dos seus mandamentos, ela não está querendo impor regras que limitam a nossa liberdade. Pelo contrário, está querendo iluminar a nossa consciência para que possamos ser mais livres para escolher o bem e rejeitar aquilo que nos faz mal.
O pecado atua no campo espiritual da mesma forma que a escravidão no campo material. Ele nos prende, nos amarra de tal forma que ficamos sozinhos, imersos no nosso egoísmo, na autocontemplação, fechados em nós mesmos. Vale a pena que nos perguntemos hoje: O que tem me afastado de Deus e dos demais? E se não nos é fácil pensar sozinhos, busquemos escutar o que nos diz a Igreja, o que nos tem dito o Papa Francisco, ou fazer um exame de consciência levando em consideração os mandamentos de Deus e da Igreja (Esquecendo aquela visão autoritária, mas pensando em que esses mesmos mandamentos são sinais de misericórdia para conosco).
Jesus nos libertou do pecado, mas essa libertação precisa se fazer efetiva em cada um de nós por meio da nossa aceitação e da nossa cooperação por viver uma vida cada vez mais livre, reconciliada. As vezes não é fácil e pode, inclusive, vir a tentação de querer voltar à escravidão. Isso aconteceu com o povo de Israel no deserto que, diante das dificuldades, se perguntava se não teria sido melhor continuar como escravos no Egito. Mas não é melhor. Deus tem um projeto para nós, uma terra prometida à qual Ele quer nos conduzir. Mas para chegar lá, precisamos purificar-nos de tudo aquilo que ainda nos acorrenta a essa vida de escravidão. Somente assim poderemos ser verdadeiramente livres filhos de Deus.

Por João Antônio Johas, via A12

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…