Rio, 1955 - Dom Delgado

- Eu mesmo não, mas tenho comigo a Hóstia consagrada; quer que volte com ela ao Sacrário ou deseja recebê-la?
A face dela iluminou-se e eu senti que a montanha estava removida.

A imagem pode conter: 1 pessoa, óculos e close-up
Muitos dos nossos atos são mais atos divinos, encarnados em nós e através de nós poderosamente fecundos. 

Não lhes damos maior importância. Ficam, às vezes, escritos em corações mais delicados. Marcam espíritos mais penetrantes e mais fiéis às falas interiores do Altíssimo.
Acredito mesmo que Deus, em certas fases menos perfeitas, agitadas ou assoberbadas, quer que não se saiba o que se fez de profundo e de definitivo para este ou aquele irmão. Poderíamos estragar um trabalho que foi do céu e nosso, mas muito mais de Deus do que de um homem.
Foi durante o Congresso Eucarístico Internacional do Rio de Janeiro, em 1955.
Procurado por Celina Didier, minha amiga de Recife, chegada a mim por ser da Ação Católica, discípula de meu irmão D. João Batista Portocarrero Costa, de saudosa memória, fui atender a uma jovem esposa de um jovem médico, ambos de Recife e muito cristãos. 
Ela desenganada, na tenda de oxigênio, entre a vida e a morte. Ele desolado, vendo-a desesperada, revoltada contra tudo e contra todos, também contra Deus e contra ele que não lhe restituía a saúde. 
Fechara os olhos para não ver ninguém. Não admitia que lhe falassem de nada. Não queria os Sacramentos. Rejeitava receber qualquer visita. 
Celina advertiu-me da situação. Eu lhe disse ao ser por ela convidado a tentar acalmar a querida moribunda: não irei sozinho.
- Não me atrevo a lhe dizer que leve pessoal alguma com o senhor, disse-me aquela amiga.
- Entenda-me, Celina, quero dizer que conduzirei comigo a Hóstia de amor, a Jesus na Eucaristia. 
Da Rua Voluntários da Pátria, 287, à Rua Humaitá em frente à Escola de Serviço Social é bem perto. Não custamos a entrar no apartamento onde se encontrava o distinto casal esmagado pela desventura de um sofrimento sem remédio.
Ao ver a jovem enferma, inspirado certamente, fui lhe dizendo que Deus a queria muitíssimo. Estava a ouvir sua oração feita de desespero e revolta. Eu que não era ninguém, comparado com Deus pelo que ouvira de Celina, admirava-lhe a oração do desespero e da revolta.
- Que oração? Por favor, não venha zombar ou brincar com uma infeliz a quem nem Deus pode dar atenção.
- Engano seu, Deus compreendeu seu amor à vida, seu amor a um esposo admirável que possui e não quer deixar sozinho na terra. Por isso, acredite, não é mofa, nem brincadeira, digo-lhe o que posso dizer a Deus que testemunhe: seu desespero e sua revolta, até uma blasfêmia que lhe escape da boca, nas circunstâncias em que se encontra, são a única oração de que é capaz no momento.
Ela abriu os olhos, fitou-me curiosa e começou a falar. Disse-me mais uns ingênuos elogios e por fim: - Quero fazer-lhe um pedido.
- Que pedido?
- Não ser perturbe. É muito simples. Tenha pena de seu marido. Ele está arrasado pelo fato de sua explicável revolta, explicável, mas não justa, ter fechado os olhos e não querer sequer olhar para ele que a ama sem medida.
Foi o bastante para ver rolarem pelas faces grossas lágrimas. 
Não perdi tempo. As lágrimas foram acompanhadas de um leve sorriso e da indagação: - Não quer pedir mais nada?
- Eu mesmo não, mas tenho comigo a Hóstia consagrada; quer que volte com ela ao Sacrário ou deseja recebê-la?
A face dela iluminou-se e eu senti que a montanha estava removida.
Disse-me sem mais rodeios: - Eu quero os Sacramentos e aceito a vontade de Deus, aceito a própria morte.
- Dar-lhe-ei a absolvição, sem mais nada. Não preciso sequer ouvir-lhe um só pecado. Deus a perdoa de tudo. Arrependa-se de coração.
- Meu maior pecado não existe, o senhor o transformou em oração.
Absolvi-a diante do esposo aliviado e de Celina que rezava baixinho. Dei-lhe o Viático e a ungi. A paz voltou àqueles corações.
A imagem pode conter: 1 pessoa, sorrindo, óculos e barbaDepois de algumas palavras de fé e de agradecimento a Deus, pelo casal abençoado e pela parenta consolada, Celina, também voltei ao presbitério de São João Batista da Lagoa, junto à Matriz.

DELGADO, José de Medeiros. Pedaços de mim mesmo. Fortaleza, 1973.
Bispo de Caicó (1941 a 1951), Arcebispo de São Luís do Maranhão (1951 a 1963) e Arcebispo de Fortaleza (1963 a 1973).

Bela crônica, enviada pelo historiador,
Padre Gleiber Dantas de Melo, da Diocese de Caicó (RN)

A imagem pode conter: 27 pessoas, pessoas em pé e área interna
A imagem pode conter: 1 pessoa, nuvem, céu e atividades ao ar livre
A imagem pode conter: 12 pessoas, pessoas em pé
A imagem pode conter: 1 pessoa

Comentários

Mais Visitadas

Alagoano que dirigiu filme que teve cenas gravadas em Penedo toma posse na ABL

Literatura e cinema ajudaram a tornar Notre-Dame conhecida no mundo

Principal nome da literatura feita para crianças no Ceará, Horácio Dídimo, morto em 2018, pode ser homenageado em Dia Estadual da Literatura Infantil

Herança do governo golpista

Catedral de Notre-Dame, em Paris, sofre incêndio na tarde desta segunda-feira