Pular para o conteúdo principal

Uma perspectiva feminina sobre o cangaço

Livro de Adriana Negreiro faz da biografia de Maria Bonita um relato sobre violências e vozes silenciadas
Adriana passou dois anos lendo tudo que foi publicado pelo cangaço por pesquisadores, jornalistas e historiadores.
Adriana passou dois anos lendo tudo que foi publicado pelo cangaço por pesquisadores, jornalistas e historiadores. (GESP)

Em dos trechos do livro Maria Bonita: Sexo, Violência e Mulheres no Cangaço, da jornalista Adriana Negreiros, lançado recentemente pela Objetiva, ela descreve o dia em que as pessoas da época viram pela primeira vez numa foto a mulher que decidiu viver ao lado do homem mais temido daquelas bandas, Lampião. "A transformação de Maria Gomes de Oliveira, a Maria de Déa, em estrela nacional começou no dia 29 de dezembro de 1936. Naquela terça-feira, os leitores do jornal O Povo, de Fortaleza, viram, pela primeira vez, a imagem da mulher que largara o marido para viver com o fora da lei mais procurado do Brasil". Nascia para o mundo, Maria Bonita, nome dado pela imprensa, pois quem viveu com ela, era apenas Maria de Déa, apelido de sua mãe, dona Déa.

Em um texto fluente e com sotaque nordestino, pelo uso das expressões da região, Adriana Negreiros faz da biografia de Maria Bonita (1910-1938) um estudo do cangaço sobre o ponto de vista das histórias das mulheres que viveram no bando de Lampião entre elas, Maria Bonita e Dadá.

Adriana passou dois anos lendo tudo que foi publicado pelo cangaço por pesquisadores, jornalistas e historiadores. E, nas leituras, percebeu que os textos escritos por homens negligenciavam a participação das mulheres cangaceiras e atenuavam a violência a que elas foram submetidas.

A maior parte das cangaceiras era sequestRada pelo bando de Lampião, de suas famílias, muitas ainda meninas. Eram obrigadas a viver, a partir de então, ao lado de algum cangaceiro. Maria Bonita foi uma das poucas mulheres que decidiu seguir o cangaço por vontade própria. Já Dadá foi sequestrada e estuprada por Corisco, aos 12 anos, homem que viraria seu marido.

São histórias de mulheres que aprenderam a conviver com a violência, a vida dura, o machismo e a subserviência imposta pelo cangaço. E que tiveram suas vozes silenciadas ou relativizadas pelos homens que estudaram o que representou a saga do Lampião e do seu bando.

Agência Estado

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…