Pular para o conteúdo principal

Uma poesia aí, cidadão?

Podem escolher, à vontade
pixabay
Desculpem-me se os incomodo, sei muito bem que não deveria, mas sabem como é: a situação não está nada fácil.
***
DE FLORES
Quem sou eu
poeta de safra modesta
para entender de flores?

Delas não sei nada
mas essas que vejo nos jardins
não parecem flores necessitadas
de metáforas rebuscadas
de rimas em cores e primores
para ser as flores
que são

Eu as chamarei
de flores só
porque bem menos
que os adjetivos
os substantivos
estão sujeitos ao pó.

MORTE
Talvez nem seja ruim

Quem sabe seja assim
como uma tela à nossa frente
apagando-se lentamente
e ao fundo the end
ou simplesmente fim.

FORASTEIRO
Com esta cara feia
de inadimplente
esta meia furada
esta calça rasgada
este tênis indecente
o último lugar
em que vocês me verão
causar no verão
será a ilha de caras.

O AMOR NA CAMA
Do porão
úmido
abafado
sobem as lamentações
os brados
as imprecações
dos condenados

O Amor acorda
aborrecido
estremunhado
e lembra
ter esquecido
de ontem à noite
levar-lhes a ração

Boceja
se coça
fecha os olhos
e vira de lado.

PAISAGEM
Acordadas pelo sol
as árvores esfregam os olhos
e sacodem o orvalho
para arvorecer.

CEMITÉRIO
Onde estão enterrados
os mortos do Amor
certas noites se ouve
um murmúrio
um rumor

A vigilância
chamada
vai ver
e não é nada

Só uma flor
falando com outra flor.

MEZZO A MEZZO
Na rede ele postou:
se ela fosse mesmo
como dizia
loira bela esguia
ele a receberia

Era misantropo
ma non troppo.

TÍTULOS
Os títulos pelos quais ansiou
não lhe deram

Concederam-lhe um
que não pleiteou

És cruel
lhe disseram

Ele aceitou.

BEETHOVEN
Por mais que eu releve
e minimize
sinto ainda no peito
o despeito que me dava
anos atrás
o caminhão do gás
quando não tocava para você
o que tocava
pour Elise.

Por Estadão Conteúdo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…