Pular para o conteúdo principal

Com enfoque na produção regional, Mostra Sesc de Cinema começa hoje

A 2ª Mostra Sesc de Cinema começa hoje (4) com a exibição gratuita de 27 curtas e sete longas-metragens que vão concorrer no próximo domingo (9) em oito categorias: roteiro, direção, filme,direção de fotografia, direção de arte, direção de elenco, montagem e desenho de som. As sessões serão no Sesc Tijuca, na zona norte do Rio. O ingresso é gratuito.
“Na grande maioria, a programação ligada ao audiovisual nas unidades do Sesc é grátis. A mostra e outros projetos são sempre subsidiados porque a gente tem finalidade sociocultural e educativa”, disse Marco Aurélio Lopes Fialho, analista de Audiovisual do Departamento Nacional do Sesc.
Começa Segunda Mostra Sesc de Cinema
O filme Vesti La Giubba está entre as exibições Segunda Mostra Sesc de Cinema/Direitos Reservados
O público vai poder assistir a trabalhos que não fazem parte do circuito comercial. Serão exibidos quatro filmes do Norte, seis do Centro-Oeste, sete do Nordeste, oito do Sul e nove do Sudeste. “A gente não abre mão do caráter regional, porque entende que se não for desta forma, eternamente, os filmes dos circuitos mais privilegiados economicamente vão continuar prevalecendo nas escolhas. Nossa mostra garante um número equitativo entre as regiões. Cada região do país pode selecionar quatro curtas e dois longas”, explicou Marco Aurélio.

Filmes

Neste primeiro dia da mostra serão exibidos os curtas-metragens Metempsicose(Região Norte), animação que apresenta um mundo devastado pelas mãos do homem; Vesti La Giubba (Região Centro-Oeste), filme inspirado na ópera Pagliacci, de Ruggero Leoncavallo; Galeria da Rua (Região Nordeste), documentário que aborda pixo e grafite sob a perspectiva daqueles que se expressam pelas paredes e muros da cidade; Flecha Dourada (Sul), documentário sobre os lutadores do grupo Golden Flecha, e Lençol de Inverno (Sudeste), sobre um coveiro na cidade grande que retorna à cidade natal para enterrar o pai e precisa revisitar fantasmas da juventude.
Durante a semana a programação prevê também curtas agrupados por regiões, nas sessões que começam às 16h. Já a exibição dos longas-metragens começa na quarta-feira (5), às 18h30, com O Sol Nasceu para Todos (Centro-Oeste). O filme retrata a história de uma das maiores comunidades da América Latina, Sol Nascente. No mesmo dia, às 20h, será exibido Desvios (Sul), que conta a história de um criminoso que põe à prova sua sanidade mental. Na quinta-feira (6), às 18h30, tem sessão o filme Leste-Oeste (Sul), sobre um ex-piloto de kart que volta à cidade natal após 15 anos para disputar uma última corrida. Às 20h, o público poderá conferir Lamparina da Aurora (Nordeste), uma ficção experimental sobre o tempo protagonizada por um casal de idosos.
“Nos filmes da mostra se vê temáticas que são super importantes ligadas ao trabalho, a terra, ao território, as questões de gêneros que são questões que a sociedade está discutindo”, destacou o analista do Sesc.

Infantojuvenil

O público infantojuvenil também vai ter o seu espaço em sessões no fim de semana, a partir das 15h. No sábado (8), serão exibidos O Menino Leão e a Menina Coruja(Centro-Oeste); MetamorfoseMédico de Monstro e No Caminho da Escola, esses três do Sudeste. No domingo (9), os visitantes poderão ver Òrun Àyié – A criação do Mundo(Nordeste), Nham-NhamA Criatura; e Garoto VHS, esses dois do Sul. “A gente enxerga que o mercado de filme infanto é muito difícil no Brasil. Tem muito pouca produção. A gente quer também estimular esse público infantojuvenil a ter mais conteúdo”, afirmou Marco Aurélio.
A programação inclui ainda na sexta-feira (7), às 20h, o documentário Aurora 1964(Nordeste); no sábado, às 18h30, Escolas em Luta (Sudeste), e no mesmo dia, às 20h, Baronesa.

Seleção

Ao todo a 2ª Mostra Sesc de Cinema recebeu a inscrição de 1.061 filmes, sendo 952 curtas e 109 longas. A seleção dos finalistas foi feita por profissionais do Sesc e críticos de cinema em curadorias estaduais e regionais, mas a escolha dos destaques, que serão premiados no dia 9, ficou sob a responsabilidade de uma comissão de especialistas externos.
Agência Brasil

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…