Pular para o conteúdo principal

Com lançamento hoje, o livro Mirabilia reúne contos inéditos de Natal nada convencionais

Imagem relacionada
Google
O termo "mirabilia" tem origem no latim e representa tudo que é maravilhoso e digno de admiração. A partir dessa premissa, 22 alunos da oficina de escrita criativa ministrada pela escritora cearense Socorro Acioli reuniram saberes, idades, aptidões e talentos em uma coletânea de contos inspirados no Natal. Com a ideia de fugir dos clichês narrativos comuns da época, a obra reúne textos de escritores com os mais diversos percursos literários e de vida.
A ideia nasceu da provocação de Socorro Acioli - que é cronista do Vida&Arte - durante uma aula para os alunos de escrita criativa em 2017: de que forma escrever sobre o período natalino fugindo do que já é conhecido? Um ano depois a pergunta é respondida na coletânea de contos, que usa de regionalidades e do cenário cearense para dar vida às histórias.
O autor do conto Uma Orgia de Natal, Filipe Pinho, descobriu a escrita quando começou a ir a sessões de psicoterapia. A partir do autoconhecimento, passou a escrever contos e crônicas para preencher o vazio que lhe atormentava. Foi assim, há 15 anos, que o advogado descobriu o poder transformador das palavras e, desde então, não parou de usá-las. Em seu texto, um Papai Noel bêbado e chateado acaba parando em uma casa onde acontece uma orgia de Natal
Mirabilia é a segunda publicação de Filipe e se traduz em "muita realização e aprendizado". A coletânea de contos é também a segunda publicação de Stênio Garcia, funcionário da Justiça Federal. Ao compreender como histórias podem fascinar e atingir as pessoas, percebeu a vontade de ir além de espectador e passar a ser o criador. Fascinado desde pequeno com o suspense de Conan Doyle em O cão dos Baskerville e um tanto chocado com o final do filme O Planeta dos Macacos, por muito tempo escreveu apenas para si - alimentando gavetas no quarto e a memória do computador. Após participar do Ateliê de Narrativas com Socorro Acioli, em 2016, lançou o primeiro livro, Farol (2017), também uma coletânea de contos.
O maior desafio na nova publicação foi achar um meio termo entre o novo e o que já é conhecido. "Acho que a maior dificuldade é fugir dos elementos que compõem a ideia de Natal ao mesmo tempo em que é preciso utilizá-los, achar uma interseção. No caso do meu conto, essa interseção surgiu numa inversão: no lugar de falar do nascimento tão celebrado, falar de um nascimento repudiado, rejeitado, marcado por violência", pontua Stênio.
Diferente de Pinho e Stênio, para muitos outros autores que assinam Mirabilia, esta é a primeira publicação. Lorena Moreira, autora do conto A Palmatória, desde criança escutava o pai contar histórias, e foi assim que a pedagoga se apaixonou por elas. Apesar de a afinidade vir desde a infância, só agora ela publica a primeira obra. O sentimento para o primeiro livro é o de concretização de um sonho sonhado em grupo. Lorena traz uma história baseada em um sofrimento real, pensada a partir da vivência de seu pai, que na década de 1930 apanhava por ser canhoto. "Quando enxergamos o sofrimento que tantos enfrentam, principalmente no Natal, podemos fazer diferente, através da reflexão, partilha, solidariedade e amor", elucida.
O título Mirabilia foi um presente de Socorro, que ao ver a dificuldade dos autores em encontrar algo adequado, cedeu o nome que guardava há tanto tempo na gaveta. Apesar de ter escrito apenas o prefácio e não possuir nenhum conto na obra, ela sente como se o livro fosse seu também. Publicado pela editora Labrador, de São Paulo, o lançamento acontece hoje, no Teatro Nadir Papi Saboia, às 18 horas. "A maravilha está na vida, mesmo quando ela não aparece. Ela está às vezes sobre os escombros, às vezes exposta, às vezes iluminada. A vida tem as suas mirabilias presentes o tempo todo", afirma Socorro Acioli.
Mirabilia
Quando: hoje, 3, às 18 horas
Onde: Teatro Nadir Papi Saboia (rua 8 de Setembro, 1331 - Varjota)
Entrada gratuita
 O Povo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…