Pular para o conteúdo principal

Compositor e executivo estreia na literatura com narrativas improváveis

Contos de Aloysio Reis transitam do realismo fantástico ao romance policial

um homem de cabelo branco e roupa preta
Aloysio Reis, que lança o livro 'Rio Vermelho e outros relatos improváveis' - FrPhotos/Divulgação
Ivan Finotti
SÃO PAULO

Letrista de 142 músicas gravadas por Roberto Carlos, Xuxa e Ney Matogrosso, entre outros, e executivo musical de empresas como Sony e EMI, Aloysio Reis se lança como escritor em "Rio Vermelho e Outros Relatos Improváveis".
O lançamento em São Paulo é às 19h desta quinta (6), na livraria Blooks do shopping Frei Caneca.
São cinco contos que transitam em diversos gêneros, do realismo fantástico ao romance policial. O que une todos é a grande inspiração autobiográfica.
"Vale das Videiras", por exemplo, segue as façanhas do repórter policial Cocheiro de Vampiro, do jornal "Última Hora", no encalço de um assassino, em 1975, que usou o sangue e as vísceras de uma família para desenhar uma cena de linchamento no quarto do casal.
"É uma história quase real", conta Reis, 64, que trabalhou mesmo como repórter policial do "Última Hora" por dois anos, começando aos 17. "Houve o crime e eu fui o repórter. E cheguei a falar com o assassino por telefone, conforme a cena descrita no texto."
O conto que dá nome ao livro, passado no fim do século retrasado, é uma história sobrenatural inspirada por seu avô. "Certa noite, ele voltava de mula para a fazenda e o bicho empacou. Não teve jeito de avançar. Até que meu avô percebeu uma onça no alto de uma pedra logo à frente. A mula salvou sua vida". A cena está em "Rio Vermelho".
O livro foi escrito nos últimos dois anos. "Meu sonho é ser escritor. Por isso fiz jornalismo. Mas a música acabou sendo minha carreira. Agora chegou a hora."
"Purple Haze", também nome de música de Jimi Hendrix, leva o leitor às aventuras do autor quando estudante, embalado por drogas psicodélicas e envolvido em problemas com a polícia e a repressão da ditadura.
A ditadura volta no texto final, "O Testamento", um pesadelo burocrático e de tortura com forte crítica ao militarismo.

Rio Vermelho e Outros Relatos Improváveis
Autor: Aloysio Reis. Autografia: R$ 49, 90 (240 págs.)
Folha UOL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…