Pular para o conteúdo principal

Dom Aloísio em nossos corações

A imagem pode conter: 1 pessoa, sorrindo, em pé e texto
Padre Geovane Saraiva*
Na proximidade da festa em que os anjos anunciam a glória de Deus, pela salvação que nos é oferecida no nascimento da criança de Belém, chega-nos, aqui em Fortaleza-CE, parte dos restos mortais de Dom Aloísio Cardeal Lorscheider. Trata-se de um irmão entre irmãos, mas que mexeu com a consciência das pessoas de boa vontade do estado do Ceará, sensibilizou-as, falando-lhes em alto e bom tom da necessidade de uma nova prática, voltada a Deus, especialmente pela atenção dada aos que aqui encontrou em situação de miséria, fome e exclusão social. Como já disse alhures, considerou o povo cearense, com sua história, realidade e cultura, tornando-se seu patrimônio. Ao mesmo tempo, estimulou-o a ser sujeito e protagonista de sua própria história.

Dom Aloísio, no legado de pastor terno, doce e afável, cativou corações e marcou profundamente a face da Igreja na segunda metade do século XX e início do século XXI. Ensinou-nos que o Evangelho, na sua plenitude e no seu todo, significa, na realidade, a revelação do verdadeiro rosto de uma Igreja em saída e inclusiva, longe de todo e qualquer tipo de intolerância, arma dos preconceituosos e dos fechados ao projeto do nosso Deus e Pai.

Ele tem muito a nos ensinar, sobretudo quando se acentua a importância de campanhas em favor da vida, num não ao aborto, dentro de uma visão que se alarga, pela sua coerente dedicação à Igreja e aos irmãos, sem excluir e negar a cidadania eclesiástica a ninguém. Credenciou-se como referência, igualmente, numa sensibilidade sempre maior, ao se enfatizar o rosto de Deus nos moradores de ruas, nos que são golpeados pela fome, mesmo antes de nascer, sem esquecer os refugiados, os migrantes e os que lhes faltava liberdade de expressão. 

A força e exuberância de Deus, de tal modo, pousou sobre Dom Aloísio, na opção que fez de viver a justiça divina, para que, desse modo, seu rebanho experimentasse a paz verdadeira e duradoura. Pelo seu constante esforço de buscar uma vida de conversão pessoal, ao chegar ao Nordeste brasileiro, configurou-se com o Cristo do Evangelho, tornando-se um dom visível de Deus, com seu exemplar modo de viver, concretizado nos empobrecidos. Ele, no entardecer de sua vida (23/12/2007), consciente de que de Deus tinha sido servo bom e fiel, assim se expressou: "Estou preparado. Sou curioso, quero ver o outro mundo. Viver face a face com Deus, sem dúvida, é diferente". 

Concomitante com a URNA MEMORIAL EX OSSIBUS de Dom Aloísio Lorscheider, que se encontra na Cúria Metropolitana desde o dia 12 de dezembro, sendo recebida pela Catedral Metropolitana no dia 21, em Celebração Eucarística, por ocasião do aniversário da Dedicação da Catedral, que foi por ele concluída e consagrada, é que colocamos, nas mãos do povo de Deus, nosso humilde livro fotobiográfico: Dom Aloísio em nossos corações. Assim seja!

*Pároco de Santo Afonso, Jornalista, Blogueiro, Escritor e Colunista, integra a Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza - geovanesaraiva@gmail.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…