Pular para o conteúdo principal

Marília Garcia, poeta brasileira, ganha o Prêmio Oceanos de Literatura 2018

Por G1
A escritora brasileira Marília Garcia, ganhadora do Oceanos 2018 — Foto: Ivson Miranda/Divulgação
 
A escritora brasileira Marília Garcia, ganhadora do Oceanos 2018 — Foto: Ivson Miranda/Divulgação

A poeta brasileira Marília Garcia ganhou, nesta sexta-feira (7), a edição 2018 do Oceanos – Prêmio de Literatura em Língua Portuguesa, antigo Portugal Telecom. Pela coletânea de poesias "Câmera lenta", ela leva R$ 100 mil. Pela primeira vez, o anúncio não aconteceu no Brasil. A cerimônia foi sediada em Lisboa.
Em segundo lugar, ficou o português Bruno Veira Amaral, autor do romance "Hoje estarás comigo no paraíso", que recebe R$ 60 mil. Em terceiro, ficou o poeta português Luís Quintais, que recebe R$ 40 mil. Por fim, em quarto, ficou o poeta moçambicano Luís Carlos Patraquim, autor de "Deus restante", que recebe R$ 30 mil.
“Esta edição do Oceanos está rica, cheia de ineditismos: pela primeira vez, anunciamos os premiados em Lisboa, temos autores do Brasil, de Portugal e de Moçambique, o que revela a importância da internacionalização do prêmio, e, de quatro títulos vencedores, três são de poesia, uma dado que merece atenção”, afirmou em nota a curadora e idealizadora do Oceanos, Selma Caetano.
O júri da fase final foi formado pela angolana Ana Paula Tavares, pelos portugueses Helena Buescu e Pedro Mexia e pelos brasileiros Flora Sussekind, Heitor Ferraz Mello e Julián Fuks.
Participaram da cerimônia no Palácio da Ajuda, capital do país, o presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, a ministra da cultura portuguesa, Graça Marques, e o diretor do Itaú Cultural, Eduardo Saron.
Saron anunciou que o instituto vai doar 4,2 mil cópias de clássicos da literatura brasileira a 303 bibliotecas de Portugal. São obras de autores como Machado de Assis, Carlos Drummond de Andrade, João Cabral de Melo Neto, Clarice Lispector e Cyro dos Anjos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…